Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Biden condena relatos de que Trump pediu para Ucrânia investigar seu filho



21/09/2019 | 09:58


O ex-vice-presidente dos Estados Unidos Joe Biden condenou na sexta-feira os relatos na imprensa de que o presidente americano, Donald Trump, teria instado em um telefonema o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenski, a investigar os negócios do filho do democrata no país do Leste Europeu.

Biden disse em um comunicado que, se os relatos se provarem verdadeiros, "então realmente não há limite para a disposição do presidente Trump de abusar do seu poder e rebaixar o nosso país".

O candidato à presidência na eleição de 2020 disse que Trump deveria liberar a transcrição da sua conversa telefônica em julho com Zelenski "para que o povo americano possa julgar por conta própria".

Biden publicou o comunicado após a imprensa relatar que Trump havia instado Zelenski a investigar as atividades do filho de Biden, Hunter, que trabalhou para uma empresa de gás ucraniana. A campanha do favorito democrata depois enviou uma carta a potenciais doadores pedindo que "não deixem o presidente escapar desse abuso de poder grosseiro".

Trump defendeu-se afirmando não haver nada inapropriado nos seus contatos com líderes estrangeiros.

Ao menos dois rivais de Biden em busca da candidatura presidencial democrata chamaram correligionários na Câmara de Representantes a levar adiante um processo de impeachment contra Trump.

A despeito de múltiplas investigações no Congresso contra o republicano, a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, resistiu aos chamados pelo impeachment de muitos membros da sua bancada, argumentando que um passo dessa magnitude geraria divisão e poderia ser um tiro no pé do partido em 2020.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Biden condena relatos de que Trump pediu para Ucrânia investigar seu filho


21/09/2019 | 09:58


O ex-vice-presidente dos Estados Unidos Joe Biden condenou na sexta-feira os relatos na imprensa de que o presidente americano, Donald Trump, teria instado em um telefonema o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenski, a investigar os negócios do filho do democrata no país do Leste Europeu.

Biden disse em um comunicado que, se os relatos se provarem verdadeiros, "então realmente não há limite para a disposição do presidente Trump de abusar do seu poder e rebaixar o nosso país".

O candidato à presidência na eleição de 2020 disse que Trump deveria liberar a transcrição da sua conversa telefônica em julho com Zelenski "para que o povo americano possa julgar por conta própria".

Biden publicou o comunicado após a imprensa relatar que Trump havia instado Zelenski a investigar as atividades do filho de Biden, Hunter, que trabalhou para uma empresa de gás ucraniana. A campanha do favorito democrata depois enviou uma carta a potenciais doadores pedindo que "não deixem o presidente escapar desse abuso de poder grosseiro".

Trump defendeu-se afirmando não haver nada inapropriado nos seus contatos com líderes estrangeiros.

Ao menos dois rivais de Biden em busca da candidatura presidencial democrata chamaram correligionários na Câmara de Representantes a levar adiante um processo de impeachment contra Trump.

A despeito de múltiplas investigações no Congresso contra o republicano, a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, resistiu aos chamados pelo impeachment de muitos membros da sua bancada, argumentando que um passo dessa magnitude geraria divisão e poderia ser um tiro no pé do partido em 2020.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;