Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

'Na medida em que a política segue polarizada, o Brasil perde', diz Witzel

Wilson Dias/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


19/09/2019 | 11:20


O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), criticou nesta quinta-feira, 19, indiretamente, o presidente Jair Bolsonaro ao dizer que a política brasileira ainda não abandonou o palanque das eleições do ano passado. "Na medida em que a política permanece polarizada, o Brasil perde", afirmou o governador, em palestra durante a mesa de abertura do Fórum Nacional, organizado pelo economista Raul Velloso, no Rio.

Witzel já anunciou que pretende concorrer à Presidência em 2022 e tem causado intrigas no PSL de Bolsonaro. O governador ressaltou, pelo segundo dia seguido, o suposto projeto nacional que ele teria para tocar.

"Precisamos unir o País num projeto de Nação", disse Witzel, na palestra. Antes, o governador já havia declarado que o PSC tem um projeto de Brasil.

Como símbolo da união que prega, Witzel sugeriu um aperto de mão com o petista Wellington Dias, governador do Piauí, que participou do evento a seu lado. O gesto de conciliação é uma forma de se desvencilhar do radicalismo de Bolsonaro e se posicionar como um candidato mais moderado que o atual presidente - a exemplo do que também vem fazendo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Eleito na esteira do bolsonarismo, Witzel intercalou em sua fala aspectos do Rio com visões nacionais. Apontou, por exemplo, que não basta fazer reformas se não houver projetos para alavancar o crescimento. No âmbito estadual, concentrou-se principalmente na necessidade de estimular o turismo.

No início desta semana, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que preside o partido no Estado, determinou o desembarque da legenda do governo Witzel. A ordem inclui tanto a base aliada na Assembleia Legislativa, a Alerj, quanto cargos na gestão. Até agora, porém, ninguém renunciou. Nesta quarta-feira, 18, Flávio deixou claro que quem quiser continuar como aliado do governador deve se desfiliar do PSL.

A discordância, que até semana passada se limitava aos bastidores, explodiu quando Witzel fez críticas a Bolsonaro em entrevista à Globonews e negou que tenha sido eleito por causa da onda bolsonarista de 2018.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Na medida em que a política segue polarizada, o Brasil perde', diz Witzel


19/09/2019 | 11:20


O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), criticou nesta quinta-feira, 19, indiretamente, o presidente Jair Bolsonaro ao dizer que a política brasileira ainda não abandonou o palanque das eleições do ano passado. "Na medida em que a política permanece polarizada, o Brasil perde", afirmou o governador, em palestra durante a mesa de abertura do Fórum Nacional, organizado pelo economista Raul Velloso, no Rio.

Witzel já anunciou que pretende concorrer à Presidência em 2022 e tem causado intrigas no PSL de Bolsonaro. O governador ressaltou, pelo segundo dia seguido, o suposto projeto nacional que ele teria para tocar.

"Precisamos unir o País num projeto de Nação", disse Witzel, na palestra. Antes, o governador já havia declarado que o PSC tem um projeto de Brasil.

Como símbolo da união que prega, Witzel sugeriu um aperto de mão com o petista Wellington Dias, governador do Piauí, que participou do evento a seu lado. O gesto de conciliação é uma forma de se desvencilhar do radicalismo de Bolsonaro e se posicionar como um candidato mais moderado que o atual presidente - a exemplo do que também vem fazendo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Eleito na esteira do bolsonarismo, Witzel intercalou em sua fala aspectos do Rio com visões nacionais. Apontou, por exemplo, que não basta fazer reformas se não houver projetos para alavancar o crescimento. No âmbito estadual, concentrou-se principalmente na necessidade de estimular o turismo.

No início desta semana, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que preside o partido no Estado, determinou o desembarque da legenda do governo Witzel. A ordem inclui tanto a base aliada na Assembleia Legislativa, a Alerj, quanto cargos na gestão. Até agora, porém, ninguém renunciou. Nesta quarta-feira, 18, Flávio deixou claro que quem quiser continuar como aliado do governador deve se desfiliar do PSL.

A discordância, que até semana passada se limitava aos bastidores, explodiu quando Witzel fez críticas a Bolsonaro em entrevista à Globonews e negou que tenha sido eleito por causa da onda bolsonarista de 2018.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;