Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Câmara de São Paulo restringe venda de cigarro e consumo de bebida



19/09/2019 | 07:45


Vereadores de São Paulo aprovaram nesta quarta-feira, 18, em primeiro turno, um pacote de projetos de lei que proíbe a venda de cigarro em padarias e supermercados, o consumo de álcool em postos de gasolina e a distribuição de plásticos descartáveis pelo comércio em geral. Todos ainda precisam de ser votados em segundo turno para serem encaminhados à sanção do prefeito Bruno Covas (PSDB).

No pano de fundo, havia pressão por parte dos parlamentares contra o presidente da Casa, Eduardo Tuma (PSDB), para que projetos do Legislativo fossem colocados em votação, uma vez que, neste ano, a prioridade vinha sendo a aprovação de propostas do Executivo. Vereadores já se mostravam preocupados com o fato de que chegariam à disputa pela reeleição, no ano que vem, sem propostas relevantes para apresentar à população mais afastada de seus redutos eleitorais.

A busca por holofotes traçada pelos vereadores inclui ainda a instauração, nos próximos dias, de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar a qualidade dos serviços prestados pelas concessionárias de serviços públicos, como a Sabesp, a Congás e a Enel, antiga AES Eletropaulo. O alvo seriam buracos mal fechados e podas de árvores não realizadas pelas empresas. Assim, munícipes com esse tipo de reclamação poderiam ver o problema resolvido por intermédio dos vereadores, o que também renderia dividendos eleitorais.

O pacote de projetos já deveria ter sido colocado em votação há pelo menos duas semanas, mas uma discordância entre o vereador Toninho Vespoli (PSOL) e a Prefeitura, sobre a nomeação de um posto de saúde, fez com que o parlamentar obstruísse as votações durante cinco sessões.

Votações

O texto que proíbe a venda de cigarros em padarias é do vereador Rinaldi Digilio (Republicanos). Ele disse que, mesmo que o projeto seja "impopular", seu objetivo é reduzir gastos da cidade com tratamento médico de fumantes. "Pesquisa mostra que os jovens começam a fumar ao ver a propaganda de cigarros nas padarias", afirmou. Se aprovada, a lei só permitirá a venda de cigarros e derivados em bares, tabacarias e lojas especializadas.

A norma que restringe o consumo de álcool nos postos é um projeto substitutivo a uma proposta apresentada pela vereadora Rute Costa (PSD). "O que foi aprovado não restringe nada. Meu texto proibia a venda nas lojas de conveniência", enquanto que o que foi aprovado foi o consumo do lado de fora da loja, segundo a vereadora. O substitutivo veio após reação de donos de postos. "O fator econômico pesou", disse a vereadora.

Já a lei que proíbe distribuir plástico descartável no comércio é de autoria do vereador Xexéu Trípoli (PV) e conta com apoio do Executivo. É tido como uma segunda etapa de lei, já sancionada, que proíbe a distribuição de canudos plásticos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Câmara de São Paulo restringe venda de cigarro e consumo de bebida


19/09/2019 | 07:45


Vereadores de São Paulo aprovaram nesta quarta-feira, 18, em primeiro turno, um pacote de projetos de lei que proíbe a venda de cigarro em padarias e supermercados, o consumo de álcool em postos de gasolina e a distribuição de plásticos descartáveis pelo comércio em geral. Todos ainda precisam de ser votados em segundo turno para serem encaminhados à sanção do prefeito Bruno Covas (PSDB).

No pano de fundo, havia pressão por parte dos parlamentares contra o presidente da Casa, Eduardo Tuma (PSDB), para que projetos do Legislativo fossem colocados em votação, uma vez que, neste ano, a prioridade vinha sendo a aprovação de propostas do Executivo. Vereadores já se mostravam preocupados com o fato de que chegariam à disputa pela reeleição, no ano que vem, sem propostas relevantes para apresentar à população mais afastada de seus redutos eleitorais.

A busca por holofotes traçada pelos vereadores inclui ainda a instauração, nos próximos dias, de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar a qualidade dos serviços prestados pelas concessionárias de serviços públicos, como a Sabesp, a Congás e a Enel, antiga AES Eletropaulo. O alvo seriam buracos mal fechados e podas de árvores não realizadas pelas empresas. Assim, munícipes com esse tipo de reclamação poderiam ver o problema resolvido por intermédio dos vereadores, o que também renderia dividendos eleitorais.

O pacote de projetos já deveria ter sido colocado em votação há pelo menos duas semanas, mas uma discordância entre o vereador Toninho Vespoli (PSOL) e a Prefeitura, sobre a nomeação de um posto de saúde, fez com que o parlamentar obstruísse as votações durante cinco sessões.

Votações

O texto que proíbe a venda de cigarros em padarias é do vereador Rinaldi Digilio (Republicanos). Ele disse que, mesmo que o projeto seja "impopular", seu objetivo é reduzir gastos da cidade com tratamento médico de fumantes. "Pesquisa mostra que os jovens começam a fumar ao ver a propaganda de cigarros nas padarias", afirmou. Se aprovada, a lei só permitirá a venda de cigarros e derivados em bares, tabacarias e lojas especializadas.

A norma que restringe o consumo de álcool nos postos é um projeto substitutivo a uma proposta apresentada pela vereadora Rute Costa (PSD). "O que foi aprovado não restringe nada. Meu texto proibia a venda nas lojas de conveniência", enquanto que o que foi aprovado foi o consumo do lado de fora da loja, segundo a vereadora. O substitutivo veio após reação de donos de postos. "O fator econômico pesou", disse a vereadora.

Já a lei que proíbe distribuir plástico descartável no comércio é de autoria do vereador Xexéu Trípoli (PV) e conta com apoio do Executivo. É tido como uma segunda etapa de lei, já sancionada, que proíbe a distribuição de canudos plásticos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;