Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Volume de vendas de cosméticos, higiene e perfumaria cai 10,9% de janeiro a julho

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


18/09/2019 | 13:38


A indústria de cosméticos, higiene e perfumaria registrou queda de 10,9% em volume de vendas de janeiro a julho de 2019 na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados compilados pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

De acordo com o presidente da entidade, João Carlos Basilio, o resultado é efeito não só das dificuldades econômicas do País, mas também de um "aumento brutal" da carga tributária do setor nos últimos anos.

A queda generalizada foi puxada pelos produtos de higiene pessoal e perfumaria, cujos volumes caíram 19,3% e 8,5%, respectivamente. Já a redução em cosméticos foi mais modesta, de 0,6%.

"Nunca tivemos uma queda tão expressiva com estamos tendo agora e isso é fruto de termos diminuído significativamente as promoções no mercado", afirmou Basilio durante abertura da feira In-Cosmetics 2019. "Tínhamos a fama de sermos resilientes a preços e posso afirmar que não somos", disse.

Em termos de faturamento, o setor atingiu um total de R$ 30,4 bilhões de janeiro a julho, aumento nominal de 5,3% em relação ao mesmo período de 2018. Descontada a inflação, no entanto, o crescimento vai para 1,5%.

Carga tributária

Basilio defende que o governo federal tomou decisões arbitrárias no aumento de impostos sobre o setor em 2015, elevando o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) nas distribuidoras para 15%, o que provocou um efeito cascata na cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos Estados.

"A indústria toda repassou esse IPI para os preços. Avisamos que a decisão seria um tiro no pé, que não traria os benefícios imaginados. A arrecadação não aumentou e a sociedade está pagando", disse Basilio, ressaltando que o Estado de São Paulo foi o único que não aumentou o ICMS.

A Abihpec questiona na Justiça o aumento do IPI sobre as distribuidoras.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Volume de vendas de cosméticos, higiene e perfumaria cai 10,9% de janeiro a julho


18/09/2019 | 13:38


A indústria de cosméticos, higiene e perfumaria registrou queda de 10,9% em volume de vendas de janeiro a julho de 2019 na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados compilados pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

De acordo com o presidente da entidade, João Carlos Basilio, o resultado é efeito não só das dificuldades econômicas do País, mas também de um "aumento brutal" da carga tributária do setor nos últimos anos.

A queda generalizada foi puxada pelos produtos de higiene pessoal e perfumaria, cujos volumes caíram 19,3% e 8,5%, respectivamente. Já a redução em cosméticos foi mais modesta, de 0,6%.

"Nunca tivemos uma queda tão expressiva com estamos tendo agora e isso é fruto de termos diminuído significativamente as promoções no mercado", afirmou Basilio durante abertura da feira In-Cosmetics 2019. "Tínhamos a fama de sermos resilientes a preços e posso afirmar que não somos", disse.

Em termos de faturamento, o setor atingiu um total de R$ 30,4 bilhões de janeiro a julho, aumento nominal de 5,3% em relação ao mesmo período de 2018. Descontada a inflação, no entanto, o crescimento vai para 1,5%.

Carga tributária

Basilio defende que o governo federal tomou decisões arbitrárias no aumento de impostos sobre o setor em 2015, elevando o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) nas distribuidoras para 15%, o que provocou um efeito cascata na cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos Estados.

"A indústria toda repassou esse IPI para os preços. Avisamos que a decisão seria um tiro no pé, que não traria os benefícios imaginados. A arrecadação não aumentou e a sociedade está pagando", disse Basilio, ressaltando que o Estado de São Paulo foi o único que não aumentou o ICMS.

A Abihpec questiona na Justiça o aumento do IPI sobre as distribuidoras.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;