Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Após uma semana, greve dos Correios chega ao fim

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Trabalhadores votaram pela suspensão do movimento até julgamento de dissídio


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

18/09/2019 | 07:25


Após uma semana de paralisação, os trabalhadores dos Correios votaram, na noite de ontem, pela suspensão do movimento grevista. Foram realizadas assembleias em todo o País para que decisão fosse tomada.

De acordo com o diretor da Findect (Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores dos Correios) Douglas Melo, os Correios operam normalmente, desde às 22h de ontem, pelo menos até o dia 2 de outubro, quando o TST (Tribunal Superior do Trabalho) realizará julgamento do dissídio coletivo da categoria.

Até lá, conforme proposta do TST, fica vigente o acordo coletivo da categoria e o plano de saúde. A greve foi motivada por proposta dos Correios de reajustar os salários dos colaboradores em 0,8%, sendo que a inflação do período, conforme o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), acumulava 3,84% nos 12 meses terminados em julho, referência para a data-base da categoria, em 1º de agosto. Além disso, a oferta patronal retirava direitos ao excluir pais de convênio médico e o aumentar a coparticipação de 30% para 40%.

Como o objetivo da categoria era conquistar reajuste salarial pelo menos com a reposição da inflação e a manutenção dos benefícios, os funcionários então iniciaram paralisação às 22h de terça-feira passada, movimento que mobilizou cerca de 70% dos 900 profissionais do Grande ABC.

Diante do impasse e da greve, os Correios ingressaram com pedido de dissídio coletivo no TST na expectativa de solução que não comprometesse mais sua situação financeira, que acumula prejuízo de R$ 3 bilhões. A empresa disse estar executando plano de saneamento financeiro para garantir sua competitividade e sustentabilidade. “As federações, no entanto, apresentaram reivindicações que superam até mesmo o faturamento anual da empresa”, disseram os Correios.

Melo esclareceu, porém, que os trabalhadores mantêm o estado de greve aprovado, caso a empresa mude os benefícios no meio do caminho, antes de o TST votar o dissídio, que pode manter as condições atuais ou modificá-las. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Após uma semana, greve dos Correios chega ao fim

Trabalhadores votaram pela suspensão do movimento até julgamento de dissídio

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

18/09/2019 | 07:25


Após uma semana de paralisação, os trabalhadores dos Correios votaram, na noite de ontem, pela suspensão do movimento grevista. Foram realizadas assembleias em todo o País para que decisão fosse tomada.

De acordo com o diretor da Findect (Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores dos Correios) Douglas Melo, os Correios operam normalmente, desde às 22h de ontem, pelo menos até o dia 2 de outubro, quando o TST (Tribunal Superior do Trabalho) realizará julgamento do dissídio coletivo da categoria.

Até lá, conforme proposta do TST, fica vigente o acordo coletivo da categoria e o plano de saúde. A greve foi motivada por proposta dos Correios de reajustar os salários dos colaboradores em 0,8%, sendo que a inflação do período, conforme o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), acumulava 3,84% nos 12 meses terminados em julho, referência para a data-base da categoria, em 1º de agosto. Além disso, a oferta patronal retirava direitos ao excluir pais de convênio médico e o aumentar a coparticipação de 30% para 40%.

Como o objetivo da categoria era conquistar reajuste salarial pelo menos com a reposição da inflação e a manutenção dos benefícios, os funcionários então iniciaram paralisação às 22h de terça-feira passada, movimento que mobilizou cerca de 70% dos 900 profissionais do Grande ABC.

Diante do impasse e da greve, os Correios ingressaram com pedido de dissídio coletivo no TST na expectativa de solução que não comprometesse mais sua situação financeira, que acumula prejuízo de R$ 3 bilhões. A empresa disse estar executando plano de saneamento financeiro para garantir sua competitividade e sustentabilidade. “As federações, no entanto, apresentaram reivindicações que superam até mesmo o faturamento anual da empresa”, disseram os Correios.

Melo esclareceu, porém, que os trabalhadores mantêm o estado de greve aprovado, caso a empresa mude os benefícios no meio do caminho, antes de o TST votar o dissídio, que pode manter as condições atuais ou modificá-las. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;