Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 16 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Lilia Cabral fala sobre síndrome do pânico e lembra de onde veio a vontade de atuar: - Eu morria ou eu virava atriz

Reprodução/Instragram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/09/2019 | 13:11


Lilia Cabral abriu o coração sobre alguns problemas que enfrentou no passado. A atriz foi convidada de Gilberto Gil no programa do cantor, Amigos Sons e Palavras, no Canal Brasil, e lembrou da infância que passou com a família e como isso acabou impactando a vida dela. A global contou que era a caçula de uma família de imigrantes e todos eram muito rígidos, sendo que ela ainda considera que esse foi um dos fatores que fizessem com que ela decidisse atuar:

- Era uma família muito repressora, mas não era só da parte da minha mãe ou do meu pai, era a família toda. Uma família onde o preconceito existia, onde existia o lado severo da educação, pouco se falava pouco se acarinhava. Por sorte, ou porque meus anjos da guarda estavam dispostos a me cuidar, eu fui parar em uma escola experimental, uma escola pública, mas construtivista. Ali, foram me injetando todos os dias coisas que eu via o horizonte, eu sentia o prazer de viver. Eu tinha duas opções, ou eu morria ou eu virava atriz.

A atriz continua contando que fazia tudo escondido no início da carreira e sentia a necessidade de atuar. Lilia lembra que foi uma criança solitária e, com a família que tinha, qualquer oportunidade de entrar em cena era para ela uma chance de esquecer o que estava vivendo e de ser feliz. Durante a entrevista, a atriz ainda contou a Gil como foi que ela desenvolveu síndrome do pânico.

Lilia revelou que a doença surgiu após a morte da mãe, quando percebeu que tinha muitos sentimentos reprimidos. Após isso, a atriz já fez terapia, se cuidou e hoje em dia não sofre mais com o problema, mas lembra de como eram ruins as situações em que a crise batia.

- Eu tive síndrome do pânico. Mas naquela época não se sabia detectar. Era uma angústia que vinha muito forte. O coração bate, bate, bate. E depois que você tem, fica para sempre. Não tenho agora, mas sei a sensação.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Lilia Cabral fala sobre síndrome do pânico e lembra de onde veio a vontade de atuar: - Eu morria ou eu virava atriz


17/09/2019 | 13:11


Lilia Cabral abriu o coração sobre alguns problemas que enfrentou no passado. A atriz foi convidada de Gilberto Gil no programa do cantor, Amigos Sons e Palavras, no Canal Brasil, e lembrou da infância que passou com a família e como isso acabou impactando a vida dela. A global contou que era a caçula de uma família de imigrantes e todos eram muito rígidos, sendo que ela ainda considera que esse foi um dos fatores que fizessem com que ela decidisse atuar:

- Era uma família muito repressora, mas não era só da parte da minha mãe ou do meu pai, era a família toda. Uma família onde o preconceito existia, onde existia o lado severo da educação, pouco se falava pouco se acarinhava. Por sorte, ou porque meus anjos da guarda estavam dispostos a me cuidar, eu fui parar em uma escola experimental, uma escola pública, mas construtivista. Ali, foram me injetando todos os dias coisas que eu via o horizonte, eu sentia o prazer de viver. Eu tinha duas opções, ou eu morria ou eu virava atriz.

A atriz continua contando que fazia tudo escondido no início da carreira e sentia a necessidade de atuar. Lilia lembra que foi uma criança solitária e, com a família que tinha, qualquer oportunidade de entrar em cena era para ela uma chance de esquecer o que estava vivendo e de ser feliz. Durante a entrevista, a atriz ainda contou a Gil como foi que ela desenvolveu síndrome do pânico.

Lilia revelou que a doença surgiu após a morte da mãe, quando percebeu que tinha muitos sentimentos reprimidos. Após isso, a atriz já fez terapia, se cuidou e hoje em dia não sofre mais com o problema, mas lembra de como eram ruins as situações em que a crise batia.

- Eu tive síndrome do pânico. Mas naquela época não se sabia detectar. Era uma angústia que vinha muito forte. O coração bate, bate, bate. E depois que você tem, fica para sempre. Não tenho agora, mas sei a sensação.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;