Fechar
Publicidade

Domingo, 13 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar segue tendência externa e opera em alta ante o real

Marcello Casal JR/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/09/2019 | 10:01


O dólar abriu em alta ante o real nesta terça-feira, 17, e ampliou gradativamente a tendência, passando a oscilar no patamar acima dos R$ 4,10 nos mercados à vista e futuro. A valorização está em sintonia com o viés de alta da moeda americana ante divisas emergentes e exportadores de petróleo, em meio ao clima de cautela com a tensão no Oriente Médio e à expectativa pelas decisões de política monetária esperadas para quarta e quinta-feira (dias 18 e 19).

Depois das expressivas altas registradas na segunda-feira, 16, os preços do petróleo recuam na faixa de 1% nesta manhã, mostrando que segue a cautela do investidor com os ataques feitos no fim de semana à estatal petrolífera da Arábia Saudita, Saudi Aramco. O dólar avança diante da grande maioria das moedas emergentes e também ante as de países exportadores de petróleo, que ontem haviam acompanhado a tendência de alta da commodity.

Às 9h46, o dólar à vista tinha alta de 0,49% ante o real, cotado a R$ 4,1092. No mercado futuro, a divisa para liquidação em outubro subia 0,65%, aos R$ 4,1110. O Dollar Index, que mede a variação do dólar ante moedas de países fortes, tinha baixa de 0,05%.

Operadores ouvidos pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, acreditam que a tendência de curtíssimo prazo para o dólar ainda é de alta ante o real, por conta da cautela antes das reuniões de política monetária que estão no radar, principalmente a do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

A estimativa, no entanto, é de que as oscilações sejam mais contidas, uma vez que os investidores aguardam sinalizações dos bancos centrais para definir suas posições. Embora monitorem o cenário doméstico, principalmente no que se refere às reformas da Previdência e tributária, o foco deve se manter no cenário internacional.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar segue tendência externa e opera em alta ante o real


17/09/2019 | 10:01


O dólar abriu em alta ante o real nesta terça-feira, 17, e ampliou gradativamente a tendência, passando a oscilar no patamar acima dos R$ 4,10 nos mercados à vista e futuro. A valorização está em sintonia com o viés de alta da moeda americana ante divisas emergentes e exportadores de petróleo, em meio ao clima de cautela com a tensão no Oriente Médio e à expectativa pelas decisões de política monetária esperadas para quarta e quinta-feira (dias 18 e 19).

Depois das expressivas altas registradas na segunda-feira, 16, os preços do petróleo recuam na faixa de 1% nesta manhã, mostrando que segue a cautela do investidor com os ataques feitos no fim de semana à estatal petrolífera da Arábia Saudita, Saudi Aramco. O dólar avança diante da grande maioria das moedas emergentes e também ante as de países exportadores de petróleo, que ontem haviam acompanhado a tendência de alta da commodity.

Às 9h46, o dólar à vista tinha alta de 0,49% ante o real, cotado a R$ 4,1092. No mercado futuro, a divisa para liquidação em outubro subia 0,65%, aos R$ 4,1110. O Dollar Index, que mede a variação do dólar ante moedas de países fortes, tinha baixa de 0,05%.

Operadores ouvidos pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, acreditam que a tendência de curtíssimo prazo para o dólar ainda é de alta ante o real, por conta da cautela antes das reuniões de política monetária que estão no radar, principalmente a do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

A estimativa, no entanto, é de que as oscilações sejam mais contidas, uma vez que os investidores aguardam sinalizações dos bancos centrais para definir suas posições. Embora monitorem o cenário doméstico, principalmente no que se refere às reformas da Previdência e tributária, o foco deve se manter no cenário internacional.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;