Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Apesar de alta firme de Petrobras, Ibovespa tem instabilidade



16/09/2019 | 11:28


Temores com efeitos dos ataques de drones a unidades de processamento de petróleo na Arábia Saudita no fim de semana dão norte para a bolsa brasileira, à medida que geram incertezas sobre a escalada das tensões geopolíticas. No entanto, a ofensiva assumida por rebeldes houthis do Iêmen - que são apoiados pelo Irã -, impulsiona as ações do setor petroquímico, sobretudo as da Petrobras.

Em Nova York, os ADRs da estatal avançam na faixa de 3% esta manhã, enquanto o petróleo, que chegou a subir quase 20%, avança acima de 10% esta manhã.

Após abrir em alta e passar a cair, o Ibovespa operava perto da estabilidade (alta de 0,03%), aos 103.527,91 pontos, às 11h12.

Preocupações com a China, após dados fracos de atividade, também incomodam investidores de Vale, cujas ações cedem. Esses dois papéis ainda tendem a movimentar a B3 principalmente esta manhã por causa do vencimento de opções sobre ações, o que traz instabilidade.

Se houver queda na Bolsa, pontua um operador, não deve ser grande. "Temos de monitorar como será o tamanho da opção e qual o volume que atingirá o exercício. A tendência é que as ações de petroquímicas subam", estima, acrescentando que os ataques podem não passar despercebidos esta semana nas decisões de política monetária dos EUA, Brasil, Reino Unido e Japão.

O economista-chefe da ModalMais, Álvaro Bandeira, acrescenta ainda que o fato de as autoridades terem agido rapidamente após os ataques pode minimizar expectativas de perdas nas bolsas. "Certamente isso preocupa, mas o efeito pode ser minorado. Em contrapartida, os dados da China assustam um pouco", afirma.

Nesta segunda-feira, a China - principal importador de minério do Brasil - divulgou indicadores que ficaram aquém do esperado. A cotação da commodity fechou em baixa de 0,86% no porto de Qingdao.

Já a produção industrial teve crescimento anual (4,4%) em agosto ante previsão de 5,2%, reforçando preocupações sobre o ritmo de desaquecimento, mas também podem alimentar expectativas de que Pequim mantenha agressivas medidas de estímulos para conter a desaceleração doméstica. Conforme o premiê chinês, será "muito difícil" o país atingir crescimento de 6,0% ao ano.

Por enquanto, o consenso é de que é preciso esperar para saber a magnitude dos ataques sobre as economias, sobre as expectativas dos investidores. "Tem de avaliar para ver se terá desdobramento, mas isso, sem dúvida, levam a alguma busca por proteção, afetando preços de commodities e o dólar", avalia Bandeira.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Apesar de alta firme de Petrobras, Ibovespa tem instabilidade


16/09/2019 | 11:28


Temores com efeitos dos ataques de drones a unidades de processamento de petróleo na Arábia Saudita no fim de semana dão norte para a bolsa brasileira, à medida que geram incertezas sobre a escalada das tensões geopolíticas. No entanto, a ofensiva assumida por rebeldes houthis do Iêmen - que são apoiados pelo Irã -, impulsiona as ações do setor petroquímico, sobretudo as da Petrobras.

Em Nova York, os ADRs da estatal avançam na faixa de 3% esta manhã, enquanto o petróleo, que chegou a subir quase 20%, avança acima de 10% esta manhã.

Após abrir em alta e passar a cair, o Ibovespa operava perto da estabilidade (alta de 0,03%), aos 103.527,91 pontos, às 11h12.

Preocupações com a China, após dados fracos de atividade, também incomodam investidores de Vale, cujas ações cedem. Esses dois papéis ainda tendem a movimentar a B3 principalmente esta manhã por causa do vencimento de opções sobre ações, o que traz instabilidade.

Se houver queda na Bolsa, pontua um operador, não deve ser grande. "Temos de monitorar como será o tamanho da opção e qual o volume que atingirá o exercício. A tendência é que as ações de petroquímicas subam", estima, acrescentando que os ataques podem não passar despercebidos esta semana nas decisões de política monetária dos EUA, Brasil, Reino Unido e Japão.

O economista-chefe da ModalMais, Álvaro Bandeira, acrescenta ainda que o fato de as autoridades terem agido rapidamente após os ataques pode minimizar expectativas de perdas nas bolsas. "Certamente isso preocupa, mas o efeito pode ser minorado. Em contrapartida, os dados da China assustam um pouco", afirma.

Nesta segunda-feira, a China - principal importador de minério do Brasil - divulgou indicadores que ficaram aquém do esperado. A cotação da commodity fechou em baixa de 0,86% no porto de Qingdao.

Já a produção industrial teve crescimento anual (4,4%) em agosto ante previsão de 5,2%, reforçando preocupações sobre o ritmo de desaquecimento, mas também podem alimentar expectativas de que Pequim mantenha agressivas medidas de estímulos para conter a desaceleração doméstica. Conforme o premiê chinês, será "muito difícil" o país atingir crescimento de 6,0% ao ano.

Por enquanto, o consenso é de que é preciso esperar para saber a magnitude dos ataques sobre as economias, sobre as expectativas dos investidores. "Tem de avaliar para ver se terá desdobramento, mas isso, sem dúvida, levam a alguma busca por proteção, afetando preços de commodities e o dólar", avalia Bandeira.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;