Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Depois de controlado, incêndio salta rio e volta em reserva ecológica do Pantanal



15/09/2019 | 20:45


Depois de cinco dias de combate e de ter conseguido debelar os focos na tarde de sábado, 14, os bombeiros tiveram de voltar a campo no dia seguinte para combater um novo incêndio que atinge a reserva ecológica Caiman, em Miranda, no Pantanal de Mato Grosso do Sul. De acordo com o tenente Carlos Antônio Saldanha Costa, coordenador da equipe de combate, o fogo veio de uma fazenda vizinha e, devido ao forte vento, "pulou" o canal de 100 metros do Rio Aquidauana e atingiu rapidamente o mato da reserva.

No início da tarde, seis equipes de bombeiros, policiais ambientais, soldados do Exército e civis, entre funcionários da reserva e voluntários, davam combate ao novo foco, que avançava rapidamente pelo mato seco por causa da longa estiagem. A queimada se alastrou por uma linha rede de 35 quilômetros na borda da unidade, que é uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN).

A Caiman desenvolve projetos de conservação da fauna envolvendo a onça-pintada e a arara-azul, espécies ameaçadas. No total, a fazenda tem 52 mil hectares, dos quais cerca de 40 mil já foram queimados desde o dia 10, quando os incêndios se alastraram.

No interior da reserva, os pesquisadores monitoram as áreas atingidas pelo fogo para observação de 146 onças catalogadas e os ninhais das araras. A Caiman iniciou também um levantamento da fauna e da flora para mensurar o que foi destruído a desenvolver projetos de recuperação ambiental.

As onças e araras-azuis monitoradas escaparam das chamas, mas podem ficar sem alimentos. Outros animais, como tatus, cobras e tamanduás, foram encontrados calcinados. O gado e aves pantaneiras, como o tuiuiú, vagam pelos campos queimados em busca do alimento, que se tornou escasso.

O fogo atinge outras regiões do Pantanal Sul, onde nove municípios estão em situação de emergência devido às queimadas. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) pediu ajuda ao governo federal e já recebeu homens do Exército para o combate às chamas. Ainda era esperada a chegada de quatro aviões para despejar água sobre os focos mais inacessíveis. No Estado todo, ao menos 1,5 milhão de hectares foram atingidos pelas chamas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Depois de controlado, incêndio salta rio e volta em reserva ecológica do Pantanal


15/09/2019 | 20:45


Depois de cinco dias de combate e de ter conseguido debelar os focos na tarde de sábado, 14, os bombeiros tiveram de voltar a campo no dia seguinte para combater um novo incêndio que atinge a reserva ecológica Caiman, em Miranda, no Pantanal de Mato Grosso do Sul. De acordo com o tenente Carlos Antônio Saldanha Costa, coordenador da equipe de combate, o fogo veio de uma fazenda vizinha e, devido ao forte vento, "pulou" o canal de 100 metros do Rio Aquidauana e atingiu rapidamente o mato da reserva.

No início da tarde, seis equipes de bombeiros, policiais ambientais, soldados do Exército e civis, entre funcionários da reserva e voluntários, davam combate ao novo foco, que avançava rapidamente pelo mato seco por causa da longa estiagem. A queimada se alastrou por uma linha rede de 35 quilômetros na borda da unidade, que é uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN).

A Caiman desenvolve projetos de conservação da fauna envolvendo a onça-pintada e a arara-azul, espécies ameaçadas. No total, a fazenda tem 52 mil hectares, dos quais cerca de 40 mil já foram queimados desde o dia 10, quando os incêndios se alastraram.

No interior da reserva, os pesquisadores monitoram as áreas atingidas pelo fogo para observação de 146 onças catalogadas e os ninhais das araras. A Caiman iniciou também um levantamento da fauna e da flora para mensurar o que foi destruído a desenvolver projetos de recuperação ambiental.

As onças e araras-azuis monitoradas escaparam das chamas, mas podem ficar sem alimentos. Outros animais, como tatus, cobras e tamanduás, foram encontrados calcinados. O gado e aves pantaneiras, como o tuiuiú, vagam pelos campos queimados em busca do alimento, que se tornou escasso.

O fogo atinge outras regiões do Pantanal Sul, onde nove municípios estão em situação de emergência devido às queimadas. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) pediu ajuda ao governo federal e já recebeu homens do Exército para o combate às chamas. Ainda era esperada a chegada de quatro aviões para despejar água sobre os focos mais inacessíveis. No Estado todo, ao menos 1,5 milhão de hectares foram atingidos pelas chamas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;