Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 18 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Guedes: 'Cintra foi demitido para evitar especulação da volta da CPMF'

Fernando Frazão/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


13/09/2019 | 21:24


O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que aceitou a demissão de Marcos Cintra, ex-secretário da Receita Federal, para acabar com especulações da imprensa sobre o retorno da CPMF e para resguardar o presidente Jair Bolsonaro, em fase de recuperação após cirurgia.

O ministro argumentou que "num momento particularmente frágil", Bolsonaro ligou do hospital, onde está internado e manifestou contrariedade com notícias sobre o retorno do imposto. "A visão é de um homem entubado, visivelmente precisando de tranquilidade, de recuperação física, de novo (veio o tema da) CPMF", acrescentou. Guedes disse que a equipe econômica estava apenas fazendo simulações e que não há um desenho fechado da nova tributação.

"Não foi o presidente que pediu a cabeça (de Cintra). As versões são que o presidente exigiu. O presidente não exigiu nada. Eu mesmo me antecipei e falei com o Cintra que nós combinamos que não era para falar nisso (novo imposto). E ele respondeu que o secretário é que detalhou o estudo", disse Guedes em coletiva com correspondentes internacionais, nesta sexta-feira.

Questionado se o novo imposto ainda está em estudo, após a demissão de Cintra, Guedes evitou retomar o tema. "Afastei alguém para não conversar sobre isso. Quem falou sobre isso na última vez foi demitido", complementou.

Segundo o ministro, o que está em estudo é a criação de um imposto que deve incidir sobre o pagamento de bens e serviços. Ele negou que significará um crescimento da carga tributária, porque outros tributos devem ser extintos. "Os dois têm a mesma base, são transações, mas são impostos diferentes. A CPMF incidia sobre movimentações financeiras, esse não. Esse incidiria sobre pagamentos de bens e serviços, ou seja, também vale para o pagamento em dinheiro", afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Guedes: 'Cintra foi demitido para evitar especulação da volta da CPMF'


13/09/2019 | 21:24


O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que aceitou a demissão de Marcos Cintra, ex-secretário da Receita Federal, para acabar com especulações da imprensa sobre o retorno da CPMF e para resguardar o presidente Jair Bolsonaro, em fase de recuperação após cirurgia.

O ministro argumentou que "num momento particularmente frágil", Bolsonaro ligou do hospital, onde está internado e manifestou contrariedade com notícias sobre o retorno do imposto. "A visão é de um homem entubado, visivelmente precisando de tranquilidade, de recuperação física, de novo (veio o tema da) CPMF", acrescentou. Guedes disse que a equipe econômica estava apenas fazendo simulações e que não há um desenho fechado da nova tributação.

"Não foi o presidente que pediu a cabeça (de Cintra). As versões são que o presidente exigiu. O presidente não exigiu nada. Eu mesmo me antecipei e falei com o Cintra que nós combinamos que não era para falar nisso (novo imposto). E ele respondeu que o secretário é que detalhou o estudo", disse Guedes em coletiva com correspondentes internacionais, nesta sexta-feira.

Questionado se o novo imposto ainda está em estudo, após a demissão de Cintra, Guedes evitou retomar o tema. "Afastei alguém para não conversar sobre isso. Quem falou sobre isso na última vez foi demitido", complementou.

Segundo o ministro, o que está em estudo é a criação de um imposto que deve incidir sobre o pagamento de bens e serviços. Ele negou que significará um crescimento da carga tributária, porque outros tributos devem ser extintos. "Os dois têm a mesma base, são transações, mas são impostos diferentes. A CPMF incidia sobre movimentações financeiras, esse não. Esse incidiria sobre pagamentos de bens e serviços, ou seja, também vale para o pagamento em dinheiro", afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;