Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Calor e fumaça dificultam início da perícia de incêndio em hospital no Rio

Fernando Frazão/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Onze pessoas morreram no incêndio e pacientes tiveram de ser transferidos para outros hospitais



13/09/2019 | 10:57


O incêndio que começou na noite de quinta-feira, 12, no Hospital Badim, unidade no Maracanã, na zona norte do Rio, foi controlado, mas os trabalhos de perícia e investigação ainda não começaram por causa do calor e da fumaça que ainda tomam conta do edifício. A informação é do delegado titular da 18ª Delegacia de Polícia, Roberto Ramos.

"Há muita fuligem, o local ainda está quente, com muita fumaça. Por isso, estamos aguardando para ter um acesso melhor. Estamos conversando com engenheiros para saber o layout de toda a estrutura do hospital para encontrar os possíveis focos do incêndio", afirmou Ramos, na manhã desta sexta-feira, 13, na porta do hospital.

Onze pessoas morreram no incêndio e dezenas de pacientes tiveram de ser transferidos para outros hospitais. Na quinta, o Corpo de Bombeiros confirmou a morte de uma pessoa e nesta sexta, de outras dez.

O hospital informou que um curto-circuito no gerador do prédio 1 da unidade de saúde provocou o início das chamas, que espalharam fumaça para todos os andares do prédio. O delegado Ramos evitou antecipar conclusões sobre o foco original do incêndio. "Estamos verificando essa possibilidade. Sabemos que o fogo chegou ao gerador, mas estamos vendo um foco primário, para saber se realmente foi o gerador ou não", disse Ramos.

Segundo o delegado, os peritos da Polícia Civil ficarão de plantão para fazer a perícia no local do incêndio. Por conta das dificuldades, Ramos evitou dar um prazo para conclusão dos trabalhos, que, segundo ele, poderão tomar todo o dia de sexta e entrar pelo fim de semana, se for necessário.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Calor e fumaça dificultam início da perícia de incêndio em hospital no Rio

Onze pessoas morreram no incêndio e pacientes tiveram de ser transferidos para outros hospitais


13/09/2019 | 10:57


O incêndio que começou na noite de quinta-feira, 12, no Hospital Badim, unidade no Maracanã, na zona norte do Rio, foi controlado, mas os trabalhos de perícia e investigação ainda não começaram por causa do calor e da fumaça que ainda tomam conta do edifício. A informação é do delegado titular da 18ª Delegacia de Polícia, Roberto Ramos.

"Há muita fuligem, o local ainda está quente, com muita fumaça. Por isso, estamos aguardando para ter um acesso melhor. Estamos conversando com engenheiros para saber o layout de toda a estrutura do hospital para encontrar os possíveis focos do incêndio", afirmou Ramos, na manhã desta sexta-feira, 13, na porta do hospital.

Onze pessoas morreram no incêndio e dezenas de pacientes tiveram de ser transferidos para outros hospitais. Na quinta, o Corpo de Bombeiros confirmou a morte de uma pessoa e nesta sexta, de outras dez.

O hospital informou que um curto-circuito no gerador do prédio 1 da unidade de saúde provocou o início das chamas, que espalharam fumaça para todos os andares do prédio. O delegado Ramos evitou antecipar conclusões sobre o foco original do incêndio. "Estamos verificando essa possibilidade. Sabemos que o fogo chegou ao gerador, mas estamos vendo um foco primário, para saber se realmente foi o gerador ou não", disse Ramos.

Segundo o delegado, os peritos da Polícia Civil ficarão de plantão para fazer a perícia no local do incêndio. Por conta das dificuldades, Ramos evitou dar um prazo para conclusão dos trabalhos, que, segundo ele, poderão tomar todo o dia de sexta e entrar pelo fim de semana, se for necessário.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;