Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 16 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

PF, Ibama, Funai combatem desmatamento e queimadas em terra indígena Kadiwéu



12/09/2019 | 16:00


A Polícia Federal deflagra desde segunda, 9, juntamente com o Ibama e a Funai, a Operação Quebracho na terra indígena Kadiwéu para combater o desmatamento, uso de fogo de forma ilegal e a exploração irregular de madeira.

A atuação se concentra em sete propriedades rurais da Serra da Bodoquena, em Corumbá e Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul, que são objeto de retomada dos índios e que estão arrendadas para terceiros.

Os agentes dos três órgãos federais permanecerão na Aldeia Kadiwéu até sexta, 13.

A Polícia Civil recebeu informações sobre a exploração ilegal de madeira nas fazendas. "Com isso, a Polícia Federal iniciou uma investigação com o uso de ferramentas como o geoprocessamento, a qual confirmou a existência de pequenas clareiras e pontos de exploração ilegal de madeira na área indígena", informa a assessoria de comunicação da PF.

"O passo seguinte foi o deslocamento de policiais federais e integrantes do Ibama e da Funai para identificar a autoria e a materialidade dos crimes ambientais eventualmente cometidos, autuar responsáveis legais pelas propriedades e apreender madeiras e equipamentos ilícitos."

Até a tarde desta quinta, os órgãos federais já apreenderam 700 lascas de ipê e multaram o posseiro da propriedade em R$ 3 mil.

Os agentes também identificaram pequenos desmatamentos e acampamentos de exploração ilegal de madeira, onde apreenderam motosserras, corrente de arrastão, motos e armas de fogo.

A PF disse, ainda, que "foi identificada a presença de indivíduos que não pertenciam a etnias indígenas, os quais estavam realizando corte seletivo das árvores, alegando ter sido contratados pelos indígenas".

"A operação foi batizada de Quebracho, nome popular de uma espécie de madeira muito explorada na região de Porto Murtinho e que é muitas vezes comercializada como aroeira, devido à semelhança entre as espécies."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PF, Ibama, Funai combatem desmatamento e queimadas em terra indígena Kadiwéu


12/09/2019 | 16:00


A Polícia Federal deflagra desde segunda, 9, juntamente com o Ibama e a Funai, a Operação Quebracho na terra indígena Kadiwéu para combater o desmatamento, uso de fogo de forma ilegal e a exploração irregular de madeira.

A atuação se concentra em sete propriedades rurais da Serra da Bodoquena, em Corumbá e Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul, que são objeto de retomada dos índios e que estão arrendadas para terceiros.

Os agentes dos três órgãos federais permanecerão na Aldeia Kadiwéu até sexta, 13.

A Polícia Civil recebeu informações sobre a exploração ilegal de madeira nas fazendas. "Com isso, a Polícia Federal iniciou uma investigação com o uso de ferramentas como o geoprocessamento, a qual confirmou a existência de pequenas clareiras e pontos de exploração ilegal de madeira na área indígena", informa a assessoria de comunicação da PF.

"O passo seguinte foi o deslocamento de policiais federais e integrantes do Ibama e da Funai para identificar a autoria e a materialidade dos crimes ambientais eventualmente cometidos, autuar responsáveis legais pelas propriedades e apreender madeiras e equipamentos ilícitos."

Até a tarde desta quinta, os órgãos federais já apreenderam 700 lascas de ipê e multaram o posseiro da propriedade em R$ 3 mil.

Os agentes também identificaram pequenos desmatamentos e acampamentos de exploração ilegal de madeira, onde apreenderam motosserras, corrente de arrastão, motos e armas de fogo.

A PF disse, ainda, que "foi identificada a presença de indivíduos que não pertenciam a etnias indígenas, os quais estavam realizando corte seletivo das árvores, alegando ter sido contratados pelos indígenas".

"A operação foi batizada de Quebracho, nome popular de uma espécie de madeira muito explorada na região de Porto Murtinho e que é muitas vezes comercializada como aroeira, devido à semelhança entre as espécies."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;