Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Cientistas encontram água em planeta potencialmente habitável

Nasa/Esa Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

K2-18b está localizado a 100 anos-luz da Terra



11/09/2019 | 20:43


Cientistas detectaram sinais de vapor dágua na atmosfera de um planeta localizado em uma zona habitável do espaço. Trata-se do o planeta K2-18b - e essa é uma evidência importante na busca de vida fora do Sistema Solar.

De acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira pela revista "Nature Astronomy", o K2-18b está localizado a 100 anos-luz da Terra. Ainda de acordo com o estudo, ele tem características que podem propiciar a existência de vida extraterrestre.

"Encontramos água", disse o astrofísico da University College London, Ingo Waldmann, a jornalistas. A descoberta foi realizada a partir de observações feitas com o Telescópio Espacial Hubble, que analisou a luz das estrelas filtrada na atmosfera de K2-18b.

O coautor da pesquisa, o astrônomo Angelos Tsiaras, afirmou que sua equipe de trabalho "está focada na identificação de exoplanetas com condições parecidas com aquelas encontradas na Terra". "Mas é claro que isso não é para encontrar um lugar para onde possamos ir. Isso ainda é ficção científica", advertiu Tsiaras.

O K2-18b orbita uma estrela anã na constelação de Leo que fica a 100 anos-luz da Terra. Tsiaras explica que "enquanto a luz sol leva alguns minutos para chegar à Terra, a luz da estrela de K2-18b levaria um século para chegar até o nosso planeta". Portanto, segundo ele, viajar para lá é impossível. "Dado que é tão longe, não temos outra escolha senão permanecer na nossa própria Terra, por isso é importante tornar a Terra grande novamente, em vez de procurar uma alternativa para fugir."

Além da tremenda distância que separa a Terra de K2-18b, o exoplaneta provavelmente está exposto a muito mais radiação do que a Terra, diminuindo a possibilidade de encontrar qualquer tipo de vida por lá. Para Tsiaras, ainda assim, a descoberta aproxima os astrônomos da questão fundamental: a Terra é única no universo?



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cientistas encontram água em planeta potencialmente habitável

K2-18b está localizado a 100 anos-luz da Terra


11/09/2019 | 20:43


Cientistas detectaram sinais de vapor dágua na atmosfera de um planeta localizado em uma zona habitável do espaço. Trata-se do o planeta K2-18b - e essa é uma evidência importante na busca de vida fora do Sistema Solar.

De acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira pela revista "Nature Astronomy", o K2-18b está localizado a 100 anos-luz da Terra. Ainda de acordo com o estudo, ele tem características que podem propiciar a existência de vida extraterrestre.

"Encontramos água", disse o astrofísico da University College London, Ingo Waldmann, a jornalistas. A descoberta foi realizada a partir de observações feitas com o Telescópio Espacial Hubble, que analisou a luz das estrelas filtrada na atmosfera de K2-18b.

O coautor da pesquisa, o astrônomo Angelos Tsiaras, afirmou que sua equipe de trabalho "está focada na identificação de exoplanetas com condições parecidas com aquelas encontradas na Terra". "Mas é claro que isso não é para encontrar um lugar para onde possamos ir. Isso ainda é ficção científica", advertiu Tsiaras.

O K2-18b orbita uma estrela anã na constelação de Leo que fica a 100 anos-luz da Terra. Tsiaras explica que "enquanto a luz sol leva alguns minutos para chegar à Terra, a luz da estrela de K2-18b levaria um século para chegar até o nosso planeta". Portanto, segundo ele, viajar para lá é impossível. "Dado que é tão longe, não temos outra escolha senão permanecer na nossa própria Terra, por isso é importante tornar a Terra grande novamente, em vez de procurar uma alternativa para fugir."

Além da tremenda distância que separa a Terra de K2-18b, o exoplaneta provavelmente está exposto a muito mais radiação do que a Terra, diminuindo a possibilidade de encontrar qualquer tipo de vida por lá. Para Tsiaras, ainda assim, a descoberta aproxima os astrônomos da questão fundamental: a Terra é única no universo?

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;