Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas da Europa fecham em alta antes do BCE, mas Madri vai na contramão



11/09/2019 | 14:45


Os principais mercados acionários europeus encerraram o pregão desta quarta-feira em território positivo, com investidores em geral à espera de estímulos do Banco Central Europeu (BCE). Madri, contudo, foi na contramão da maioria e registrou perdas, com bancos em geral em queda.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,85%, aos 389,71 pontos.

O banco suíço Swissquote aponta que, sem notícias recentes significativas, os preços têm oscilado, à espera de novidades de mais impacto, entre elas o BCE. A expectativa majoritária do mercado é de mais estímulos à economia, já que a perspectiva econômica na zona do euro é "fraca, embora não terrível", nas palavras do Swissquote. O Rabobank é ainda mais assertivo e diz esperar um "amplo leque de medidas de afrouxamento".

Além do estímulos à economia da região, a expectativa com o BCE enfraquece o euro, o que beneficia ações de exportadoras. A libra também mostrou fraqueza ante o dólar durante o pregão europeu, o que apoia companhias britânicas que vendem ao exterior. No Reino Unido, continuou a haver grande foco no processo de saída da União Europeia (Brexit), após juízes da Escócia declararem que a suspensão do Parlamento durante cinco semanas decretada pelo premiê Boris Johnson é ilegal. O governo britânico afirmou que irá recorrer.

As divergências no comércio entre Estados Unidos e China também continuaram em foco. Mais cedo, Pequim anunciou que isentará por um ano 16 tipos de produtos da primeira rodada de tarifas extras impostas a importações dos EUA, a partir do dia 17. Por outro lado, autoridades americanas não têm mencionado a possibilidade de um acordo próximo.

A bolsa de Londres fechou em alta de 0,96%, em 7.338,03 pontos, Frankfurt subiu 0,74%, a 12.359,07 pontos, e Paris teve ganho de 0,44%, a 5.618,06 pontos.

Em Milão, o índice FTSE-MIB fechou com avanço de 0,10%, a 21.891,57 pontos, e em Lisboa o PSI-20 teve alta de 0,22%, a 5.005,80 pontos, retomando a marca de 5 mil pontos.

Já em Madri o índice IBEX-35 recuou 0,21%, a 9.059,50 pontos, com alguns bancos importantes em baixa, como BBVA (-0,42%), Santander (-0,27%), Bankia (-1,45%) e Bankinter (-0,31%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas da Europa fecham em alta antes do BCE, mas Madri vai na contramão


11/09/2019 | 14:45


Os principais mercados acionários europeus encerraram o pregão desta quarta-feira em território positivo, com investidores em geral à espera de estímulos do Banco Central Europeu (BCE). Madri, contudo, foi na contramão da maioria e registrou perdas, com bancos em geral em queda.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,85%, aos 389,71 pontos.

O banco suíço Swissquote aponta que, sem notícias recentes significativas, os preços têm oscilado, à espera de novidades de mais impacto, entre elas o BCE. A expectativa majoritária do mercado é de mais estímulos à economia, já que a perspectiva econômica na zona do euro é "fraca, embora não terrível", nas palavras do Swissquote. O Rabobank é ainda mais assertivo e diz esperar um "amplo leque de medidas de afrouxamento".

Além do estímulos à economia da região, a expectativa com o BCE enfraquece o euro, o que beneficia ações de exportadoras. A libra também mostrou fraqueza ante o dólar durante o pregão europeu, o que apoia companhias britânicas que vendem ao exterior. No Reino Unido, continuou a haver grande foco no processo de saída da União Europeia (Brexit), após juízes da Escócia declararem que a suspensão do Parlamento durante cinco semanas decretada pelo premiê Boris Johnson é ilegal. O governo britânico afirmou que irá recorrer.

As divergências no comércio entre Estados Unidos e China também continuaram em foco. Mais cedo, Pequim anunciou que isentará por um ano 16 tipos de produtos da primeira rodada de tarifas extras impostas a importações dos EUA, a partir do dia 17. Por outro lado, autoridades americanas não têm mencionado a possibilidade de um acordo próximo.

A bolsa de Londres fechou em alta de 0,96%, em 7.338,03 pontos, Frankfurt subiu 0,74%, a 12.359,07 pontos, e Paris teve ganho de 0,44%, a 5.618,06 pontos.

Em Milão, o índice FTSE-MIB fechou com avanço de 0,10%, a 21.891,57 pontos, e em Lisboa o PSI-20 teve alta de 0,22%, a 5.005,80 pontos, retomando a marca de 5 mil pontos.

Já em Madri o índice IBEX-35 recuou 0,21%, a 9.059,50 pontos, com alguns bancos importantes em baixa, como BBVA (-0,42%), Santander (-0,27%), Bankia (-1,45%) e Bankinter (-0,31%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;