Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

O 'ministro 01' no Congresso e no STF



11/09/2019 | 12:30


O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho "01" do presidente Jair Bolsonaro, contrariou as previsões de que ingressaria no Congresso como um "morto político" após o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) descobrir movimentações financeiras atípicas envolvendo seu ex-assessor Fabrício Queiroz, como revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo no fim do ano passado.

Com postura discreta, boa conversa e capacidade de articulação, Flávio, de 38 anos, já estabeleceu uma relação próxima com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP); e do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli.

Dado o acesso privilegiado ao pai presidente, o "01" tem sido recebido como uma espécie de ministro lotado no Congresso e atua em diversas áreas, incluindo os feudos dos "superministros" Sérgio Moro (Justiça) e Paulo Guedes (Economia). Nas recentes indicações de Bolsonaro para a Procuradoria-Geral da República e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), por exemplo, Flávio foi ouvido. Moro, não.

Escolhido para comandar a PGR, Augusto Aras teve várias conversas com Flávio e nenhum encontro com o titular da Justiça, que era a favor da escolha por meio da lista tríplice da categoria. Moro também viu seu indicado ao Cade, Vinícius Klein, ser "desconvidado" por Bolsonaro, que emplacou a advogada Lenisa Rodrigues Prado, ungida pelo senador.

A influência de Flávio atinge vários "departamentos". Ao lado de Maia, ele foi protagonista na articulação do acordo fechado, na semana passada, para mudar a regra de distribuição de recursos do megaleilão do pré-sal, prevendo R$ 2,5 bilhões de verba extra para o Rio, sua base eleitoral. Ele também está "mergulhado" na reforma tributária, menina dos olhos da equipe econômica.

Em pauta prioritária para a família, o "01" tem participado de jantares, na tentativa de destravar a indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada nos EUA. Nos encontros, Flávio procura quebrar resistências, mostrando aos colegas as vantagens de ter o irmão como embaixador.

Ex-deputado estadual no Rio e no primeiro mandato como senador, Flávio mostra mais gosto por conversas de bastidor do que o pai. Nos 28 anos como deputado, na Câmara, Bolsonaro teve dois projetos aprovados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O 'ministro 01' no Congresso e no STF


11/09/2019 | 12:30


O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho "01" do presidente Jair Bolsonaro, contrariou as previsões de que ingressaria no Congresso como um "morto político" após o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) descobrir movimentações financeiras atípicas envolvendo seu ex-assessor Fabrício Queiroz, como revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo no fim do ano passado.

Com postura discreta, boa conversa e capacidade de articulação, Flávio, de 38 anos, já estabeleceu uma relação próxima com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP); e do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli.

Dado o acesso privilegiado ao pai presidente, o "01" tem sido recebido como uma espécie de ministro lotado no Congresso e atua em diversas áreas, incluindo os feudos dos "superministros" Sérgio Moro (Justiça) e Paulo Guedes (Economia). Nas recentes indicações de Bolsonaro para a Procuradoria-Geral da República e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), por exemplo, Flávio foi ouvido. Moro, não.

Escolhido para comandar a PGR, Augusto Aras teve várias conversas com Flávio e nenhum encontro com o titular da Justiça, que era a favor da escolha por meio da lista tríplice da categoria. Moro também viu seu indicado ao Cade, Vinícius Klein, ser "desconvidado" por Bolsonaro, que emplacou a advogada Lenisa Rodrigues Prado, ungida pelo senador.

A influência de Flávio atinge vários "departamentos". Ao lado de Maia, ele foi protagonista na articulação do acordo fechado, na semana passada, para mudar a regra de distribuição de recursos do megaleilão do pré-sal, prevendo R$ 2,5 bilhões de verba extra para o Rio, sua base eleitoral. Ele também está "mergulhado" na reforma tributária, menina dos olhos da equipe econômica.

Em pauta prioritária para a família, o "01" tem participado de jantares, na tentativa de destravar a indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada nos EUA. Nos encontros, Flávio procura quebrar resistências, mostrando aos colegas as vantagens de ter o irmão como embaixador.

Ex-deputado estadual no Rio e no primeiro mandato como senador, Flávio mostra mais gosto por conversas de bastidor do que o pai. Nos 28 anos como deputado, na Câmara, Bolsonaro teve dois projetos aprovados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;