Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

CVM fecha acordo de R$ 950 mil para encerrar processo contra PwC e sócio



10/09/2019 | 21:36


A PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes (PwC) e seu sócio Carlos Biedermann fecharam um acordo no valor total de R$ 950 mil com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Os dois eram alvo de um processo sancionador instaurado pela Superintendência de Normas Contábeis e de Auditoria (SNC).

A área técnica acusou a PwC de não ter respeitado o disposto nas normas brasileiras de contabilidade para auditoria independente, ao realizar os trabalhos de auditoria em relação às demonstrações financeiras de 31/12/2014 da Tupy S.A. O órgão regulador também apontou que a PwC teria prestado serviços de consultoria para a Tupy que podem caracterizar a perda de sua objetividade e independência.

Na qualidade de sócio e responsável técnico da empresa, Biedermann foi processado administrativamente sob as mesmas acusações. Sua parte no acordo - ou termo de compromisso, como é chamado formalmente - corresponderá a R$ 300 mil.

O processo teve início a partir de relatórios e documentos que tratavam de uma denúncia quanto a possível conflito de interesses na contratação de serviços de mudança de Enterprise Resource Planning (ERP) e implantação de sistema de gerenciamento de controle interno da Tupy pela PWC.

A superintendência da CVM embasou o processo no fato de uma empresa do grupo da PwC ter prestado serviços de consultoria para identificar riscos e controles existentes e avaliar o desenho e implementação desses controles. Para a área técnica, isso denotava clara perda de independência da auditoria na avaliação dos controles internos durante o trabalho nas demonstrações financeiras da Tupy. A análise é que o auditor deve ser visto pelos usuários de seu trabalho como independente, algo fundamental para a manutenção na confiança do sistema.

O termo de compromisso celebrado com a CVM extingue o processo e evita que os acusados sejam levados a julgamento.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

CVM fecha acordo de R$ 950 mil para encerrar processo contra PwC e sócio


10/09/2019 | 21:36


A PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes (PwC) e seu sócio Carlos Biedermann fecharam um acordo no valor total de R$ 950 mil com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Os dois eram alvo de um processo sancionador instaurado pela Superintendência de Normas Contábeis e de Auditoria (SNC).

A área técnica acusou a PwC de não ter respeitado o disposto nas normas brasileiras de contabilidade para auditoria independente, ao realizar os trabalhos de auditoria em relação às demonstrações financeiras de 31/12/2014 da Tupy S.A. O órgão regulador também apontou que a PwC teria prestado serviços de consultoria para a Tupy que podem caracterizar a perda de sua objetividade e independência.

Na qualidade de sócio e responsável técnico da empresa, Biedermann foi processado administrativamente sob as mesmas acusações. Sua parte no acordo - ou termo de compromisso, como é chamado formalmente - corresponderá a R$ 300 mil.

O processo teve início a partir de relatórios e documentos que tratavam de uma denúncia quanto a possível conflito de interesses na contratação de serviços de mudança de Enterprise Resource Planning (ERP) e implantação de sistema de gerenciamento de controle interno da Tupy pela PWC.

A superintendência da CVM embasou o processo no fato de uma empresa do grupo da PwC ter prestado serviços de consultoria para identificar riscos e controles existentes e avaliar o desenho e implementação desses controles. Para a área técnica, isso denotava clara perda de independência da auditoria na avaliação dos controles internos durante o trabalho nas demonstrações financeiras da Tupy. A análise é que o auditor deve ser visto pelos usuários de seu trabalho como independente, algo fundamental para a manutenção na confiança do sistema.

O termo de compromisso celebrado com a CVM extingue o processo e evita que os acusados sejam levados a julgamento.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;