Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Pedro Bial fala sobre pai viciado em jogo e primeira bebedeira aos 11 anos de idade com Cazuza!



10/09/2019 | 17:11


Pedro Bial foi o entrevistado da vez no programa Amigos, Sons e Palavras, no Canal Brasil, por Gilberto Gil. Na ocasião, o apresentador de Conversa com Bial abriu seu coração e revelou detalhes sobre sua infância, família e sua sede pelo conhecimento.

Bial comentou sobre o vício do seu pai, Pedro Hans Israel Bial, em apostar nos cavalos no jóquei, e que por consequência disso, a família sofria as vezes com a falta de dinheiro:

Meu pai se virava pra manter a família, mas ele tinha um problema de vício nos cavalinhos, no jóquei, e perdia o dinheiro todo da família nisso.

Felizmente, após uma longa conversa com um famoso jóquei, Manoel Bezerra da Silva, ele nunca mais apostou. E disso, só vieram coisas boas, inclusive a bos instrução escolar de Bial:

Com o dinheiro que ele não gastava no vício, conseguiu me botar em uma boa escola, em um bom colégio. Fui estudar no Colégio Santo Inácio e passei a ler muito.

Ainda lembrando sobre seus episódios da infância, o jornalista reviveu uma experiência que teve com seu melhor amigo, Cazuza e o escritor Vinícius de Moraes. Na ocasião, os colegas de sala tinham um dever que era entrevistar alguém importante. O pai de Cazuza conseguiu o feito, e 10 horas da manhã, o poeta os recebeu em sua casa. Nesse dia ele tomou sua primeira bebida e ficou bêbado:

A gente chegou às 10 horas da manhã e ele já estava bebendo seu uísque na banheira. Nós ficamos até 10 horas da noite com o Vinicius. Ele deu uísque pra gente, a gente tinha 11 anos e voltamos bêbados pra casa. Melhor começo impossível. Depois, quando adulto, a gente ficou sabendo que ele não tinha muita paciência pra criança, mas a gente conhecia a obra dele e falava de poemas. Quando ele olhou dois meninos de 11 anos que conheciam alguns poemas, aí foi um barato, contou.

A entrevista completa vai ao ar na íntegra na próxima segunda-feira, dia 16.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pedro Bial fala sobre pai viciado em jogo e primeira bebedeira aos 11 anos de idade com Cazuza!


10/09/2019 | 17:11


Pedro Bial foi o entrevistado da vez no programa Amigos, Sons e Palavras, no Canal Brasil, por Gilberto Gil. Na ocasião, o apresentador de Conversa com Bial abriu seu coração e revelou detalhes sobre sua infância, família e sua sede pelo conhecimento.

Bial comentou sobre o vício do seu pai, Pedro Hans Israel Bial, em apostar nos cavalos no jóquei, e que por consequência disso, a família sofria as vezes com a falta de dinheiro:

Meu pai se virava pra manter a família, mas ele tinha um problema de vício nos cavalinhos, no jóquei, e perdia o dinheiro todo da família nisso.

Felizmente, após uma longa conversa com um famoso jóquei, Manoel Bezerra da Silva, ele nunca mais apostou. E disso, só vieram coisas boas, inclusive a bos instrução escolar de Bial:

Com o dinheiro que ele não gastava no vício, conseguiu me botar em uma boa escola, em um bom colégio. Fui estudar no Colégio Santo Inácio e passei a ler muito.

Ainda lembrando sobre seus episódios da infância, o jornalista reviveu uma experiência que teve com seu melhor amigo, Cazuza e o escritor Vinícius de Moraes. Na ocasião, os colegas de sala tinham um dever que era entrevistar alguém importante. O pai de Cazuza conseguiu o feito, e 10 horas da manhã, o poeta os recebeu em sua casa. Nesse dia ele tomou sua primeira bebida e ficou bêbado:

A gente chegou às 10 horas da manhã e ele já estava bebendo seu uísque na banheira. Nós ficamos até 10 horas da noite com o Vinicius. Ele deu uísque pra gente, a gente tinha 11 anos e voltamos bêbados pra casa. Melhor começo impossível. Depois, quando adulto, a gente ficou sabendo que ele não tinha muita paciência pra criança, mas a gente conhecia a obra dele e falava de poemas. Quando ele olhou dois meninos de 11 anos que conheciam alguns poemas, aí foi um barato, contou.

A entrevista completa vai ao ar na íntegra na próxima segunda-feira, dia 16.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;