Fechar
Publicidade

Domingo, 13 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Produção de feijão atende consumo, afastando pressão sobre preço, diz IBGE



10/09/2019 | 13:45


O País deve produzir 2,9 milhões de toneladas de feijão em 2019, segundo os dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de agosto, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O montante representa uma redução de 2,4% em relação à estimativa do mês anterior.

Em relação à safra de 2018, a produção total de feijão deverá ser 1,1% menor. No entanto, a safra do grão ainda atende ao consumo doméstico, de cerca de três milhões de toneladas, afastando uma eventual pressão sobre preços ao consumidor, avaliou Carlos Alfredo Guedes, gerente da Coordenação de Agropecuária do IBGE.

"Na segunda (safra) teve excesso de chuva em algumas regiões, mas nada tão severo. A queda de produtividade foi compensada pelo aumento de área", disse Guedes.

A primeira safra de feijão foi estimada em 1,3 milhão de toneladas, queda de 3,6% em agosto ante a estimativa de julho, 48.831 toneladas a menos. A região Nordeste teve a estimativa de produção reduzida em 9,8%. Entre as unidades da federação, as que mais influenciaram o resultado foram: Minas Gerais (-4,8%), Ceará (-11,7%), Piauí (-13,8%), e Paraíba (-37,7%).

A primeira safra de feijão será 14,8% menor que a do ano passado, devido a reduções no Paraná (-19,8%), Minas Gerais (-12,5%), São Paulo (-31,6%), Ceará (-14,1%), Goiás (-29,7%), Piauí (-14,8%), Santa Catarina (-20,5%), Rio Grande do Sul (-10,0%) e Distrito Federal (-29,8%). Por outro lado, a Bahia aumentou a produção em 25,5%.

A segunda safra de feijão foi estimada em 1,137 milhão de toneladas, um recuo de 2,5% ante julho. O Paraná teve queda de 2,1% na produção, 7.260 toneladas a menos. Em Minas Gerais, a redução foi de 1,5%, menos 2.625 toneladas. No entanto, a produção para a segunda safra do grão ainda é 13,4% superior à de 2018. Houve aumentos em Alagoas (79,8%), Ceará (35,5%), Pernambuco (17,6%), Bahia (478,5%), Paraná (25,4%), Minas Gerais (15,3%), Goiás (25,3%), São Paulo (49,0%), Mato Grosso do Sul (37,8%) e Rio Grande do Sul (11,4%).

A terceira safra de feijão está estimada em 513,6 mil toneladas, um aumento de 0,8% em relação a julho. A previsão é 12,5% superior à colheita de 2018, devido a aumentos no Mato Grosso, com crescimento de 112,0%, Distrito Federal (101,7%), Minas Gerais (3,7%) e Paraná (48,0%).

Segundo o IBGE, a maioria dos Estados cultiva a terceira safra de feijão sob irrigação e maior custo de produção, "logo um bom preço do produto é essencial para decisão de plantio pelos produtores", explicou o órgão, em nota.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Produção de feijão atende consumo, afastando pressão sobre preço, diz IBGE


10/09/2019 | 13:45


O País deve produzir 2,9 milhões de toneladas de feijão em 2019, segundo os dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de agosto, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O montante representa uma redução de 2,4% em relação à estimativa do mês anterior.

Em relação à safra de 2018, a produção total de feijão deverá ser 1,1% menor. No entanto, a safra do grão ainda atende ao consumo doméstico, de cerca de três milhões de toneladas, afastando uma eventual pressão sobre preços ao consumidor, avaliou Carlos Alfredo Guedes, gerente da Coordenação de Agropecuária do IBGE.

"Na segunda (safra) teve excesso de chuva em algumas regiões, mas nada tão severo. A queda de produtividade foi compensada pelo aumento de área", disse Guedes.

A primeira safra de feijão foi estimada em 1,3 milhão de toneladas, queda de 3,6% em agosto ante a estimativa de julho, 48.831 toneladas a menos. A região Nordeste teve a estimativa de produção reduzida em 9,8%. Entre as unidades da federação, as que mais influenciaram o resultado foram: Minas Gerais (-4,8%), Ceará (-11,7%), Piauí (-13,8%), e Paraíba (-37,7%).

A primeira safra de feijão será 14,8% menor que a do ano passado, devido a reduções no Paraná (-19,8%), Minas Gerais (-12,5%), São Paulo (-31,6%), Ceará (-14,1%), Goiás (-29,7%), Piauí (-14,8%), Santa Catarina (-20,5%), Rio Grande do Sul (-10,0%) e Distrito Federal (-29,8%). Por outro lado, a Bahia aumentou a produção em 25,5%.

A segunda safra de feijão foi estimada em 1,137 milhão de toneladas, um recuo de 2,5% ante julho. O Paraná teve queda de 2,1% na produção, 7.260 toneladas a menos. Em Minas Gerais, a redução foi de 1,5%, menos 2.625 toneladas. No entanto, a produção para a segunda safra do grão ainda é 13,4% superior à de 2018. Houve aumentos em Alagoas (79,8%), Ceará (35,5%), Pernambuco (17,6%), Bahia (478,5%), Paraná (25,4%), Minas Gerais (15,3%), Goiás (25,3%), São Paulo (49,0%), Mato Grosso do Sul (37,8%) e Rio Grande do Sul (11,4%).

A terceira safra de feijão está estimada em 513,6 mil toneladas, um aumento de 0,8% em relação a julho. A previsão é 12,5% superior à colheita de 2018, devido a aumentos no Mato Grosso, com crescimento de 112,0%, Distrito Federal (101,7%), Minas Gerais (3,7%) e Paraná (48,0%).

Segundo o IBGE, a maioria dos Estados cultiva a terceira safra de feijão sob irrigação e maior custo de produção, "logo um bom preço do produto é essencial para decisão de plantio pelos produtores", explicou o órgão, em nota.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;