Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 17 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Dando adeus ao juiz


Do Diário do Grande ABC

08/09/2019 | 10:36


Que atire a primeira pedra quem nunca julgou ninguém! Essa atitude é até justificada pela ciência. Segundo estudo da Universidade Albert Ludwigs, de Breisgau, na Alemanha, nossos cérebros processam opiniões e julgamentos sobre as pessoas milissegundos depois de conhecê-las, ou seja, em menos de um segundo avaliamos se temos ou não empatia pelo outro. Sem falar que as emoções influenciam diretamente no nosso veredicto.

O problema é quando isso se torna hábito tão corriqueiro do líder que ele nem nota. Avaliar as competências do colaborador para exercer novas tarefas é necessário. Mas tirar conclusões baseadas na forma, por exemplo, que ele se veste, seu jeito de falar pode ter consequências graves: falta de confiança, tomadas de decisões equivocadas ou precipitadas e microgerenciamento de processos, atrapalhando, assim, tanto a produtividade do colaborador quanto o próprio desempenho do líder. Já que ele se afasta da sua atividade essencial, que é traçar estratégias e ter visão de longo prazo do negócio.

A solução, como na maioria dos comportamentos, é rever a maneira de pensar, fazendo, assim, mudança de mindset (mentalidade) para sair da posição de juiz e passar a adotar papel mais analítico que avalia situações e não pessoas. Imaginemos a seguinte caso: durante reunião, o líder considera importante que as pessoas mostrem proatividade e novas ideias. Contudo, quando uma pessoa participa de forma apática ou fica dispersa durante a conversa, ele logo pensa: ‘Ela não está comprometida com a empresa’, ou: ‘preguiçosa, quer que os outros façam o trabalho por ela!’.

Antes de partir para veredicto, o ideal é levantar várias hipóteses sobre o comportamento da pessoa e neste momento se colocar no lugar do outro pode ajudar. Por exemplo, fulano está disperso. Quando eu fico desatento quais as causas? Será algum problema pessoal? Está com dificuldade de entender a importância do assunto? É preciso empatia. Isso é se colocar no lugar do outro, despindo-se de preconceitos e emoções. Dessa forma, será possível analisar a situação de forma imparcial. Normalmente não é tarefa fácil suspender os julgamentos e as emoções, dar um passo atrás para tentar ver o cenário mais amplo.

Aliás, muitos líderes não conseguem fazer isso por conta própria, mas bom coach pode ajudar, entre outras coisas, desenvolver a escuta com contexto, mantendo, assim, a imparcialidade. E sempre que houver ambiente de confiança converse com a pessoa. Afinal, diálogo franco, transparente, demonstrando o que espera do outro pode fazer verdadeiras ‘viradas’ nos relacionamentos corporativos. E, afinal, nem os juízes devem passar sentenças sem provas concretas. Certo?

Eliana Dutra é CEO da empresa ProFitCoach, master coach e sócia-fundadora do Grupo Nikaia.

PALAVRA DO LEITOR

Abuso
A ‘lei de abuso de autoridade’, aprovada de forma duvidosa, fere os mais primários objetivos da sociedade brasileira. Em momento em que somos reféns dos criminosos com tanta leniência implementada pelos que os consideram ‘vítimas da sociedade’, a Câmara Federal legisla inversamente às razões pelas quais foi eleita em sua maioria, frustrando nossa cidadania. Nada se aproveita desse escrito, mesmo com os vetos parciais do presidente Bolsonaro. Essa lei é a verdadeira usurpação do princípio da autoridade tão maculado nos últimos anos.
Adauto Campanella
São Caetano

Português
Abraham Weintraub, ministro da Educação do governo Bolsonaro, enviou documento com erros gramaticais a Paulo Guedes, ministro da Economia, solicitando mais verbas à sua pasta. Na mensagem, Abraham Weintraub explica que os recursos à Educação em 2020 são insuficientes, o que trará riscos de ‘paralização’ (isso mesmo, com ‘Z’, e o correto é paralisação) e cita ‘suspenção’ (com ‘Ç’, suspensão) de pagamentos. Daí muita gente criticou o coitado, ‘desceu a lenha’ nele. O que esperavam? Que com apenas oito meses de governo ministro de Bolsonaro soubesse escrever?
Felipe Luis Simão
Ribeirão Pires

Outdoors
Há outdoors espalhados por Santo André de um político local ao lado de Bolsonaro pedindo para a população ser patriota. É bom decorar o nome desse rapaz para que nunca se vote nele (Política, dia 3). Como pode pedir patriotismo se o presidente é o maior exemplo negativo de amor à Pátria? Sujeito que não faz nada para melhorar a situação do País e de sua população. Ou, por favor, cidadão, indique quais foram os projetos dele para tirar do mar de lama a saúde, a educação, a habitação, a segurança, o saneamento? O que faz para diminuir desmatamentos? Ou, ainda, o que fez para ao menos tentar diminuir o número de desempregados no País? Mas, por outro lado, vai ficar bem fácil ao senhor responder se eu perguntar quais foram as iniciativas de Bolsonaro para melhorar a vida de seus familiares e amigos. A esperança para que ainda consigamos recuperar este País é a reprovação deste governo cada vez mais alta. Enfim o brasileiro que votou nele, mas tem bom-senso, está enxergando que errou. Precisamos agora tirá-lo de lá. Antes que seja tarde demais.
Luiz Carlos Wagner
Santo André

Torcida contra
Bolsonaro, embora não seja o presidente ideal, foi eleito pela maioria da população votante deste País. Vamos deixá-lo trabalhar e torcer para tudo dar certo, pelo bem de todos, e julgá-lo após cumprir seus quatro anos de mandato. Tem muita gente torcendo contra e isso não é bom nem inteligente.
Mauri Fontes
Santo André

Técnico
Tia Leila, a dona do Palmeiras, deu boas-vindas ao novo treinador da equipe, Mano Menezes. Disse que deseja ‘muitos títulos’ à equipe. Mas a contratação dele desagradou boa parte da diretoria e também da torcida e alguns torcedores até protestaram. Já dá para prever o que vai acontecer lá pelos lados do Alianz Arena: dias sombrios. Como rival, tenho dó do Verdão, mas vou torcer para o tricampeonato da Série B do Brasileiro, porque, com Mano, é para lá que o Palmeiras vai.
Valdir Cobra Almeida
São Bernardo

Dinheiro na mão...
O governo Bolsonaro irá cortar 5.613 bolsas de estudo para pós-graduação da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). É o terceiro anúncio de corte, com total de 11,8 mil bolsas. O MEC (Ministério da Educação) informou que não irá financiar mais nenhum pesquisador neste ano. Em contrapartida, a gestão desse senhor prevê aumento de 48% ao fundo eleitoral, para incríveis R$ 2,5 bilhões. Ou seja, falta dinheiro para ciência e pesquisa, mas sobra para campanhas. Pior: nosso dinheiro para partidos políticos recheados de corruptos e corruptores. É o governo Bolsonaro doutrinando seus seguidores, ‘regando’ para que tenha sempre seus bajuladores de carteirinha, os de cérebro miúdo, que a tudo aplaudem, sem se dar conta de que foram enganados pelo discurso desse sujeito, e teimam em não querer enxergar. Por favor, defensores desse fascista, nunca me venham pedir para torcer por este desgoverno. A culpa por tudo de errado que vem acontecendo não é minha. Não votei nele. Acordem!
Lúcia Bárbara Moreira
Diadema

Nova Lions
Avenida Nova Lions, vergonha! Gastaram R$ 39 milhões e as pessoas continuam perdendo meia hora para transitar três quilômetros! A Prefeitura de São Bernardo, interessada somente no benefício de alguns munícipes, coloca cones e impede o uso das três faixas da avenida. Não possui nenhum plano para resolver o entroncamento da Avenida Nova Lions com o acesso da Avenida Caminho do Mar, entrada e saída do km 16 A e B da Rodovia Anchieta e o Corredor ABD. Vergonha esse descaso!
Ana Claudia Rizzo
São Bernardo
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dando adeus ao juiz

Do Diário do Grande ABC

08/09/2019 | 10:36


Que atire a primeira pedra quem nunca julgou ninguém! Essa atitude é até justificada pela ciência. Segundo estudo da Universidade Albert Ludwigs, de Breisgau, na Alemanha, nossos cérebros processam opiniões e julgamentos sobre as pessoas milissegundos depois de conhecê-las, ou seja, em menos de um segundo avaliamos se temos ou não empatia pelo outro. Sem falar que as emoções influenciam diretamente no nosso veredicto.

O problema é quando isso se torna hábito tão corriqueiro do líder que ele nem nota. Avaliar as competências do colaborador para exercer novas tarefas é necessário. Mas tirar conclusões baseadas na forma, por exemplo, que ele se veste, seu jeito de falar pode ter consequências graves: falta de confiança, tomadas de decisões equivocadas ou precipitadas e microgerenciamento de processos, atrapalhando, assim, tanto a produtividade do colaborador quanto o próprio desempenho do líder. Já que ele se afasta da sua atividade essencial, que é traçar estratégias e ter visão de longo prazo do negócio.

A solução, como na maioria dos comportamentos, é rever a maneira de pensar, fazendo, assim, mudança de mindset (mentalidade) para sair da posição de juiz e passar a adotar papel mais analítico que avalia situações e não pessoas. Imaginemos a seguinte caso: durante reunião, o líder considera importante que as pessoas mostrem proatividade e novas ideias. Contudo, quando uma pessoa participa de forma apática ou fica dispersa durante a conversa, ele logo pensa: ‘Ela não está comprometida com a empresa’, ou: ‘preguiçosa, quer que os outros façam o trabalho por ela!’.

Antes de partir para veredicto, o ideal é levantar várias hipóteses sobre o comportamento da pessoa e neste momento se colocar no lugar do outro pode ajudar. Por exemplo, fulano está disperso. Quando eu fico desatento quais as causas? Será algum problema pessoal? Está com dificuldade de entender a importância do assunto? É preciso empatia. Isso é se colocar no lugar do outro, despindo-se de preconceitos e emoções. Dessa forma, será possível analisar a situação de forma imparcial. Normalmente não é tarefa fácil suspender os julgamentos e as emoções, dar um passo atrás para tentar ver o cenário mais amplo.

Aliás, muitos líderes não conseguem fazer isso por conta própria, mas bom coach pode ajudar, entre outras coisas, desenvolver a escuta com contexto, mantendo, assim, a imparcialidade. E sempre que houver ambiente de confiança converse com a pessoa. Afinal, diálogo franco, transparente, demonstrando o que espera do outro pode fazer verdadeiras ‘viradas’ nos relacionamentos corporativos. E, afinal, nem os juízes devem passar sentenças sem provas concretas. Certo?

Eliana Dutra é CEO da empresa ProFitCoach, master coach e sócia-fundadora do Grupo Nikaia.

PALAVRA DO LEITOR

Abuso
A ‘lei de abuso de autoridade’, aprovada de forma duvidosa, fere os mais primários objetivos da sociedade brasileira. Em momento em que somos reféns dos criminosos com tanta leniência implementada pelos que os consideram ‘vítimas da sociedade’, a Câmara Federal legisla inversamente às razões pelas quais foi eleita em sua maioria, frustrando nossa cidadania. Nada se aproveita desse escrito, mesmo com os vetos parciais do presidente Bolsonaro. Essa lei é a verdadeira usurpação do princípio da autoridade tão maculado nos últimos anos.
Adauto Campanella
São Caetano

Português
Abraham Weintraub, ministro da Educação do governo Bolsonaro, enviou documento com erros gramaticais a Paulo Guedes, ministro da Economia, solicitando mais verbas à sua pasta. Na mensagem, Abraham Weintraub explica que os recursos à Educação em 2020 são insuficientes, o que trará riscos de ‘paralização’ (isso mesmo, com ‘Z’, e o correto é paralisação) e cita ‘suspenção’ (com ‘Ç’, suspensão) de pagamentos. Daí muita gente criticou o coitado, ‘desceu a lenha’ nele. O que esperavam? Que com apenas oito meses de governo ministro de Bolsonaro soubesse escrever?
Felipe Luis Simão
Ribeirão Pires

Outdoors
Há outdoors espalhados por Santo André de um político local ao lado de Bolsonaro pedindo para a população ser patriota. É bom decorar o nome desse rapaz para que nunca se vote nele (Política, dia 3). Como pode pedir patriotismo se o presidente é o maior exemplo negativo de amor à Pátria? Sujeito que não faz nada para melhorar a situação do País e de sua população. Ou, por favor, cidadão, indique quais foram os projetos dele para tirar do mar de lama a saúde, a educação, a habitação, a segurança, o saneamento? O que faz para diminuir desmatamentos? Ou, ainda, o que fez para ao menos tentar diminuir o número de desempregados no País? Mas, por outro lado, vai ficar bem fácil ao senhor responder se eu perguntar quais foram as iniciativas de Bolsonaro para melhorar a vida de seus familiares e amigos. A esperança para que ainda consigamos recuperar este País é a reprovação deste governo cada vez mais alta. Enfim o brasileiro que votou nele, mas tem bom-senso, está enxergando que errou. Precisamos agora tirá-lo de lá. Antes que seja tarde demais.
Luiz Carlos Wagner
Santo André

Torcida contra
Bolsonaro, embora não seja o presidente ideal, foi eleito pela maioria da população votante deste País. Vamos deixá-lo trabalhar e torcer para tudo dar certo, pelo bem de todos, e julgá-lo após cumprir seus quatro anos de mandato. Tem muita gente torcendo contra e isso não é bom nem inteligente.
Mauri Fontes
Santo André

Técnico
Tia Leila, a dona do Palmeiras, deu boas-vindas ao novo treinador da equipe, Mano Menezes. Disse que deseja ‘muitos títulos’ à equipe. Mas a contratação dele desagradou boa parte da diretoria e também da torcida e alguns torcedores até protestaram. Já dá para prever o que vai acontecer lá pelos lados do Alianz Arena: dias sombrios. Como rival, tenho dó do Verdão, mas vou torcer para o tricampeonato da Série B do Brasileiro, porque, com Mano, é para lá que o Palmeiras vai.
Valdir Cobra Almeida
São Bernardo

Dinheiro na mão...
O governo Bolsonaro irá cortar 5.613 bolsas de estudo para pós-graduação da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). É o terceiro anúncio de corte, com total de 11,8 mil bolsas. O MEC (Ministério da Educação) informou que não irá financiar mais nenhum pesquisador neste ano. Em contrapartida, a gestão desse senhor prevê aumento de 48% ao fundo eleitoral, para incríveis R$ 2,5 bilhões. Ou seja, falta dinheiro para ciência e pesquisa, mas sobra para campanhas. Pior: nosso dinheiro para partidos políticos recheados de corruptos e corruptores. É o governo Bolsonaro doutrinando seus seguidores, ‘regando’ para que tenha sempre seus bajuladores de carteirinha, os de cérebro miúdo, que a tudo aplaudem, sem se dar conta de que foram enganados pelo discurso desse sujeito, e teimam em não querer enxergar. Por favor, defensores desse fascista, nunca me venham pedir para torcer por este desgoverno. A culpa por tudo de errado que vem acontecendo não é minha. Não votei nele. Acordem!
Lúcia Bárbara Moreira
Diadema

Nova Lions
Avenida Nova Lions, vergonha! Gastaram R$ 39 milhões e as pessoas continuam perdendo meia hora para transitar três quilômetros! A Prefeitura de São Bernardo, interessada somente no benefício de alguns munícipes, coloca cones e impede o uso das três faixas da avenida. Não possui nenhum plano para resolver o entroncamento da Avenida Nova Lions com o acesso da Avenida Caminho do Mar, entrada e saída do km 16 A e B da Rodovia Anchieta e o Corredor ABD. Vergonha esse descaso!
Ana Claudia Rizzo
São Bernardo
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;