Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mauá atrapalha vida de 30 mil famílias carentes

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mudança em posto do CadÚnico vai suspender por 15 dias atualizações e desbloqueios de benefícios


Aline Melo

07/09/2019 | 07:00


A Prefeitura de Mauá decidiu mudar o local onde funciona o serviço de inclusão no CadÚnico (Cadastro Único), porta de entrada para todos os benefícios sociais de transferência de renda, como Bolsa Família, Renda Cidadã e BPC (Benefício de Prestação de Continuada), e vai deixar a população ao menos 15 dias com atendimentos parciais.

Segundo servidores da assistência social ouvidos pela equipe do <CF52>Diário</CF> sob condição de anonimato, a mudança está sendo feita sem o devido planejamento. Especialista na área aponta que a suspensão dos serviços afeta população que já vive em situação de vulnerabilidade. Cerca de 30 mil famílias serão prejudicadas.

Funcionários explicaram que o pedido de mudança de local do posto de atendimento do CadÚnico, que até ontem funcionava na Rua Santa Cecília, 300, bairro Matriz, foi feito a pedido da coordenação de assistência social da cidade, mas que havia a expectativa de que a mudança fosse feita de forma gradual, para não prejudicar a população. 

No entanto, a administração determinou que a partir de segunda-feira os atendimentos passem a ser feitos, de maneira provisória, na Secretaria de Promoção Social (Rua Campos Sales, 289). O novo local do CadÚnico será na Rua Almirante Tamandaré, 589, na Vila Bocaina. A administração admite que por um período de 15 dias as atualizações cadastrais serão parcialmente suspensas e não informou a partir de qual data o novo posto estará pronto e apto para receber os munícipes.

O assistente social e especialista em gestão de projetos e políticas públicas Robert Eduardo explicou que o público que tem direito ao cadastro único é, em sua grande maioria, população em situação de vulnerabilidade. “Para essas famílias, que quase sempre estão fora do mercado formal de trabalho, a oscilação na renda é constante e 15 dias sem o devido acompanhamento dos serviços sociais pode ter impactos danosos”, pontuou.

Eduardo destacou que o CadÚnico é um serviço amplo, e que, além do acesso aos benefícios sociais, faz a interlocução para aqueles moradores que têm direito a tarifa social, cursos profissionalizantes da política social das cidades. “O prejuízo principal é a real ameaça às condições socieconômicas dessas pessoas”, concluiu o especialista.

A Prefeitura de Mauá justificou que a mudança visa ampliar a capacidade de atendimento, possibilitando aumento no número de entrevistadores sociais e equipamentos de informática e que os Cras (Centro de Referência de Assistência Social) continuam de portas abertas. Funcionários desses equipamentos, no entanto, afirmam que pessoas com algum tipo de bloqueio em benefícios como Bolsa Família poderão ter os pagamentos suspensos pela falta de atualização.

Os servidores explicaram que especificamente no caso do Bolsa Família há necessidade de atualização anual com relação à frequência escolar, entre outras exigências, e que a suspensão do atendimento pode gerar acúmulo de processos, resultando em ainda mais prejuízo e atrasos para os beneficiários dos programas sociais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mauá atrapalha vida de 30 mil famílias carentes

Mudança em posto do CadÚnico vai suspender por 15 dias atualizações e desbloqueios de benefícios

Aline Melo

07/09/2019 | 07:00


A Prefeitura de Mauá decidiu mudar o local onde funciona o serviço de inclusão no CadÚnico (Cadastro Único), porta de entrada para todos os benefícios sociais de transferência de renda, como Bolsa Família, Renda Cidadã e BPC (Benefício de Prestação de Continuada), e vai deixar a população ao menos 15 dias com atendimentos parciais.

Segundo servidores da assistência social ouvidos pela equipe do <CF52>Diário</CF> sob condição de anonimato, a mudança está sendo feita sem o devido planejamento. Especialista na área aponta que a suspensão dos serviços afeta população que já vive em situação de vulnerabilidade. Cerca de 30 mil famílias serão prejudicadas.

Funcionários explicaram que o pedido de mudança de local do posto de atendimento do CadÚnico, que até ontem funcionava na Rua Santa Cecília, 300, bairro Matriz, foi feito a pedido da coordenação de assistência social da cidade, mas que havia a expectativa de que a mudança fosse feita de forma gradual, para não prejudicar a população. 

No entanto, a administração determinou que a partir de segunda-feira os atendimentos passem a ser feitos, de maneira provisória, na Secretaria de Promoção Social (Rua Campos Sales, 289). O novo local do CadÚnico será na Rua Almirante Tamandaré, 589, na Vila Bocaina. A administração admite que por um período de 15 dias as atualizações cadastrais serão parcialmente suspensas e não informou a partir de qual data o novo posto estará pronto e apto para receber os munícipes.

O assistente social e especialista em gestão de projetos e políticas públicas Robert Eduardo explicou que o público que tem direito ao cadastro único é, em sua grande maioria, população em situação de vulnerabilidade. “Para essas famílias, que quase sempre estão fora do mercado formal de trabalho, a oscilação na renda é constante e 15 dias sem o devido acompanhamento dos serviços sociais pode ter impactos danosos”, pontuou.

Eduardo destacou que o CadÚnico é um serviço amplo, e que, além do acesso aos benefícios sociais, faz a interlocução para aqueles moradores que têm direito a tarifa social, cursos profissionalizantes da política social das cidades. “O prejuízo principal é a real ameaça às condições socieconômicas dessas pessoas”, concluiu o especialista.

A Prefeitura de Mauá justificou que a mudança visa ampliar a capacidade de atendimento, possibilitando aumento no número de entrevistadores sociais e equipamentos de informática e que os Cras (Centro de Referência de Assistência Social) continuam de portas abertas. Funcionários desses equipamentos, no entanto, afirmam que pessoas com algum tipo de bloqueio em benefícios como Bolsa Família poderão ter os pagamentos suspensos pela falta de atualização.

Os servidores explicaram que especificamente no caso do Bolsa Família há necessidade de atualização anual com relação à frequência escolar, entre outras exigências, e que a suspensão do atendimento pode gerar acúmulo de processos, resultando em ainda mais prejuízo e atrasos para os beneficiários dos programas sociais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;