Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Protesto de motoristas de ônibus fecha 17 terminais e afeta trânsito em São Paulo

Paulo Pinto/ Fotos Publicas9 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Objetivo é protestar contra o que chamam de "desmonte" do setor



05/09/2019 | 15:33


Motoristas de ônibus fazem protesto nesta quinta-feira, 5, na região central de São Paulo. O grupo está concentrado em frente à sede da Prefeitura, no Viaduto do Chá, e 17 terminais foram fechados por causa da mobilização. O ato afeta o trânsito em algumas regiões da cidade.

"A determinação é de que pare 100% dos terminais. Já estamos com 17 terminais parados em todas as regiões da cidades e são 22 ao todo. Já tem mais de 60 dias que enviamos a pauta com nossas reivindicações e não teve manifestação do poder público. Somos contra a redução de 1.500 veículos da frota, que vai deixar 8 mil pais de família desempregados, e a demissão dos cobradores", diz Valmir Santana da Paz, presidente interino do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de São Paulo.

O objetivo da manifestação, segundo os motoristas, é protestar contra o que chamam de "desmonte" do setor, com uma suposta redução de frota, além de cobrar o pagamento relativo à participação nos lucros e resultados (PLR) por parte das empresas.

A mobilização teve início de manhã, quando a categoria fez uma caminhada da sede do sindicato, na região central, até o prédio da Prefeitura.

A partir do meio-dia, motoristas, cobradores e profissionais da manutenção iniciaram a paralisação. Inicialmente, os veículos foram estacionados no entorno da Prefeitura, mas já há ônibus parados em outras partes da região central da cidade.

Uma assembleia será realizada às 16 horas para definir se haverá greve nesta sexta-feira, 6.

A São Paulo Transporte (SPTrans), órgão ligado à gestão municipal, informou que a mobilização prejudica a operação nos terminais Água Espraiada , A.E. Carvalho, Bandeira, Campo Limpo, Capelinha , Jardim Ângela , Lapa, Mercado, Parque D. Pedro II, Princesa Isabel, Pinheiros, Sacomã, São Miguel, Santo Amaro, Sapopemba , Varginha, Vila Carrão.

"A equipe de fiscalização da SPTrans orienta os passageiros nos terminais e permanece monitorando a operação das linhas a fim de auxiliar a população", diz.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), havia 47 quilômetros de congestionamento na capital por volta das 15 horas. A região oeste de São Paulo é a mais afetada, com 22 quilômetros de filas.

Há duas semanas, o órgão especial do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão que considerou ilegal o prazo de 20 anos para os contratos da Prefeitura com empresas de ônibus na cidade. A decisão havia sido tomada em maio pelos desembargadores e foi confirmada no dia 21 de agosto, quando os embargos de declaração foram rejeitados. A Prefeitura recorre da decisão no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas o entendimento poderá inviabilizar a concretização da licitação do setor, que teria de ser refeita.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Protesto de motoristas de ônibus fecha 17 terminais e afeta trânsito em São Paulo

Objetivo é protestar contra o que chamam de "desmonte" do setor


05/09/2019 | 15:33


Motoristas de ônibus fazem protesto nesta quinta-feira, 5, na região central de São Paulo. O grupo está concentrado em frente à sede da Prefeitura, no Viaduto do Chá, e 17 terminais foram fechados por causa da mobilização. O ato afeta o trânsito em algumas regiões da cidade.

"A determinação é de que pare 100% dos terminais. Já estamos com 17 terminais parados em todas as regiões da cidades e são 22 ao todo. Já tem mais de 60 dias que enviamos a pauta com nossas reivindicações e não teve manifestação do poder público. Somos contra a redução de 1.500 veículos da frota, que vai deixar 8 mil pais de família desempregados, e a demissão dos cobradores", diz Valmir Santana da Paz, presidente interino do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de São Paulo.

O objetivo da manifestação, segundo os motoristas, é protestar contra o que chamam de "desmonte" do setor, com uma suposta redução de frota, além de cobrar o pagamento relativo à participação nos lucros e resultados (PLR) por parte das empresas.

A mobilização teve início de manhã, quando a categoria fez uma caminhada da sede do sindicato, na região central, até o prédio da Prefeitura.

A partir do meio-dia, motoristas, cobradores e profissionais da manutenção iniciaram a paralisação. Inicialmente, os veículos foram estacionados no entorno da Prefeitura, mas já há ônibus parados em outras partes da região central da cidade.

Uma assembleia será realizada às 16 horas para definir se haverá greve nesta sexta-feira, 6.

A São Paulo Transporte (SPTrans), órgão ligado à gestão municipal, informou que a mobilização prejudica a operação nos terminais Água Espraiada , A.E. Carvalho, Bandeira, Campo Limpo, Capelinha , Jardim Ângela , Lapa, Mercado, Parque D. Pedro II, Princesa Isabel, Pinheiros, Sacomã, São Miguel, Santo Amaro, Sapopemba , Varginha, Vila Carrão.

"A equipe de fiscalização da SPTrans orienta os passageiros nos terminais e permanece monitorando a operação das linhas a fim de auxiliar a população", diz.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), havia 47 quilômetros de congestionamento na capital por volta das 15 horas. A região oeste de São Paulo é a mais afetada, com 22 quilômetros de filas.

Há duas semanas, o órgão especial do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão que considerou ilegal o prazo de 20 anos para os contratos da Prefeitura com empresas de ônibus na cidade. A decisão havia sido tomada em maio pelos desembargadores e foi confirmada no dia 21 de agosto, quando os embargos de declaração foram rejeitados. A Prefeitura recorre da decisão no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas o entendimento poderá inviabilizar a concretização da licitação do setor, que teria de ser refeita.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;