Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

FenSeg: transferir seguro público para setor privado poderia quase dobrar mercado



04/09/2019 | 15:12


A transferência de "seguros públicos" para a iniciativa privada poderia quase que dobrar esse mercado no País, de acordo com o presidente da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), Antonio Trindade. Nesta lista, estão como exemplos o seguro desemprego e de acidentes de trabalho e ainda o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), citados pela superintende da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Solange Vieira.

"Se diminui o tamanho do Estado e deixa a iniciativa privada ocupar esses setores, o mercado de seguros pode alcançar mais 3%, 4% do PIB, e quase que dobrar de tamanho ao atual", disse Trindade, em coletiva de imprensa, durante a Conseguro, evento do setor de seguros que acontece em Brasília até esta quinta-feira.

Atualmente, o setor de seguros, considerando saúde, representa em torno de 6,5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Um movimento de enxugamento do Estado e maior predominância do setor privado frente às proteções públicas poderia, inclusive, conforme Trindade, atrair mais empresas para o Brasil, um dos desejos da atual gestão do órgão que regula o mercado.

No passado, por exemplo, o mercado de seguro de acidentes de trabalho (SAT) era privado, mas foi estatizado e integrado à Previdência Social. A antiga gestão da Susep tentou devolvê-lo à iniciativa privada, mas o tema não avançou. "Em qualquer lugar do mundo, acidentes de trabalho são um risco privado", observou Trindade.

A Colômbia, conforme o presidente da Confederação das Seguradoras (CNseg), Marcio Coriolano, conta com um modelo misto, onde o segmento de acidentes de trabalho está dividido entre a esfera pública e a privada. "Temos de fazer conta e ver como esse modelo poderia ser colocado no Brasil", atentou ele.

*A repórter viajou a convite da CNSeg



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

FenSeg: transferir seguro público para setor privado poderia quase dobrar mercado


04/09/2019 | 15:12


A transferência de "seguros públicos" para a iniciativa privada poderia quase que dobrar esse mercado no País, de acordo com o presidente da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), Antonio Trindade. Nesta lista, estão como exemplos o seguro desemprego e de acidentes de trabalho e ainda o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), citados pela superintende da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Solange Vieira.

"Se diminui o tamanho do Estado e deixa a iniciativa privada ocupar esses setores, o mercado de seguros pode alcançar mais 3%, 4% do PIB, e quase que dobrar de tamanho ao atual", disse Trindade, em coletiva de imprensa, durante a Conseguro, evento do setor de seguros que acontece em Brasília até esta quinta-feira.

Atualmente, o setor de seguros, considerando saúde, representa em torno de 6,5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Um movimento de enxugamento do Estado e maior predominância do setor privado frente às proteções públicas poderia, inclusive, conforme Trindade, atrair mais empresas para o Brasil, um dos desejos da atual gestão do órgão que regula o mercado.

No passado, por exemplo, o mercado de seguro de acidentes de trabalho (SAT) era privado, mas foi estatizado e integrado à Previdência Social. A antiga gestão da Susep tentou devolvê-lo à iniciativa privada, mas o tema não avançou. "Em qualquer lugar do mundo, acidentes de trabalho são um risco privado", observou Trindade.

A Colômbia, conforme o presidente da Confederação das Seguradoras (CNseg), Marcio Coriolano, conta com um modelo misto, onde o segmento de acidentes de trabalho está dividido entre a esfera pública e a privada. "Temos de fazer conta e ver como esse modelo poderia ser colocado no Brasil", atentou ele.

*A repórter viajou a convite da CNSeg

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;