Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Itamaraty confirma que brasileiras foram vítimas de tráfico sexual na Coreia

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Homens prometeram ajudá-las a se tornarem artistas ou modelos no país



04/09/2019 | 12:46


O Ministério das Relações Exteriores confirmou que sete mulheres brasileiras foram vítimas de tráfico sexual na Coreia do Sul. Cinco homens foram presos no domingo, dua 1º, suspeitos de prostituí-las depois de convencê-las a viajar para o país asiático com a promessa de que poderiam se tornar artistas de K-pop - expressão que designa mundialmente a música pop sul-coreana.

O Itamaraty informou, em nota, que acompanha o caso por meio da embaixada brasileira em Seul e que presta assessoria consular às vítimas. De acordo com o jornal The Korea Times, os suspeitos entraram em contato com as vítimas através das redes sociais em julho. As brasileiras - a maioria delas entre 20 e 30 anos - se interessavam pela cultura pop coreana.

Para convencer as brasileiras a viajar para a Coreia do Sul, os homens prometeram ajudá-las a se tornarem artistas ou modelos no país e lhes forneceram passagens de avião de ida e volta gratuitamente. As vítimas chegaram à Coreia em meados de julho.

Ainda segundo o jornal, depois da chegada das brasileiras ao país asiático, os suspeitos confiscaram os passaportes delas, confinaram as vítimas em alojamentos das cidades de Goyang e Paju, na província de Gyeonggi, e cancelaram os voos de volta ao Brasil.

Em seguida, os homens "venderam" as vítimas a casas de prostituição pelo valor de 2 milhões de wons por mulher - o equivalente a cerca de R$ 6.800.

Os homens passaram, então, a ameaçar as mulheres e disseram que elas teriam que trabalhar para pagar o custo das passagens aéreas. Também declararam que as vítimas seriam acusadas de prostituição caso denunciassem o caso à polícia local.

De acordo com The Korea Times, as mulheres aproveitaram um descuido dos homens que as vigiavam e conseguiram entrar em contato com a embaixada brasileira em Seul no dia 17 de agosto. Depois de ouvir a embaixada, a polícia local fez uma operação de resgate e as libertou.

As vítimas foram levadas a abrigos de proteção para mulheres imigrantes. Os homens foram presos acusados de cárcere privado, tráfico humano e exploração sexual.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Itamaraty confirma que brasileiras foram vítimas de tráfico sexual na Coreia

Homens prometeram ajudá-las a se tornarem artistas ou modelos no país


04/09/2019 | 12:46


O Ministério das Relações Exteriores confirmou que sete mulheres brasileiras foram vítimas de tráfico sexual na Coreia do Sul. Cinco homens foram presos no domingo, dua 1º, suspeitos de prostituí-las depois de convencê-las a viajar para o país asiático com a promessa de que poderiam se tornar artistas de K-pop - expressão que designa mundialmente a música pop sul-coreana.

O Itamaraty informou, em nota, que acompanha o caso por meio da embaixada brasileira em Seul e que presta assessoria consular às vítimas. De acordo com o jornal The Korea Times, os suspeitos entraram em contato com as vítimas através das redes sociais em julho. As brasileiras - a maioria delas entre 20 e 30 anos - se interessavam pela cultura pop coreana.

Para convencer as brasileiras a viajar para a Coreia do Sul, os homens prometeram ajudá-las a se tornarem artistas ou modelos no país e lhes forneceram passagens de avião de ida e volta gratuitamente. As vítimas chegaram à Coreia em meados de julho.

Ainda segundo o jornal, depois da chegada das brasileiras ao país asiático, os suspeitos confiscaram os passaportes delas, confinaram as vítimas em alojamentos das cidades de Goyang e Paju, na província de Gyeonggi, e cancelaram os voos de volta ao Brasil.

Em seguida, os homens "venderam" as vítimas a casas de prostituição pelo valor de 2 milhões de wons por mulher - o equivalente a cerca de R$ 6.800.

Os homens passaram, então, a ameaçar as mulheres e disseram que elas teriam que trabalhar para pagar o custo das passagens aéreas. Também declararam que as vítimas seriam acusadas de prostituição caso denunciassem o caso à polícia local.

De acordo com The Korea Times, as mulheres aproveitaram um descuido dos homens que as vigiavam e conseguiram entrar em contato com a embaixada brasileira em Seul no dia 17 de agosto. Depois de ouvir a embaixada, a polícia local fez uma operação de resgate e as libertou.

As vítimas foram levadas a abrigos de proteção para mulheres imigrantes. Os homens foram presos acusados de cárcere privado, tráfico humano e exploração sexual.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;