Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ao menos uma pessoa morreu após passagem do furacão Dorian nas Bahamas



02/09/2019 | 16:59


Ao menos uma criança de sete anos morreu após a passagem do furacão Dorian pelas Ilhas Ábaco, no arquipélago das Bahamas, nesta segunda-feira, 2.

De acordo com a emissora "Eyewitness News" e o portal "Bahamas Press", o menino Lachino McIntosh morreu afogado devido ao forte aumento do nível do mar nas Ilhas Ábaco pela passagem do furacão.

Além dele, a irmã do garoto está desaparecida. A avó, Ingrid McIntosh, disse a "Eyewitness News" que recebeu a informação pela filha, mãe de Lachino, que achou o corpo do menino.

O número de vítimas será maior, de acordo com as autoridades. O ministro de Assuntos Exteriores de Bahamas, Darren Henfield, informou nesta segunda que há relatos de numerosos corpos boiando nas Ilhas Ábaco, a primeira afetada pelo Dorian nas Bahamas.

"Temos informes de que corpos foram avistados, mas não podemos confirmar esses dados até sairmos e vermos", indicou Henfield em declarações à cadeia de TV ZNS.

Em recado aos habitantes, afirmou que ainda não é seguro sair na rua, já que linhas elétricas estão caídas e árvores foram derrubadas. As equipes de resgate devem ir às localidades com vítimas assim que possível, segundo Henfield.

O fenômeno meteorológico avança pela ilha de Grand Bahama com redução para categoria 4 e singela diminuição da velocidade dos ventos, a 240 km/h, segundo novo relatório do Centro Nacional de Furacões em Miami, EUA.

O Dorian devastou as Ilhas Ábaco, no nordeste, onde centenas de casas estão submersas e cabos elétricos foram rompidos, árvores despedaçadas e comunicações cortadas.

Os meteorologistas indicam que o ciclone gera rajadas de vento superiores às 200 milhas por hora (320 km/h) e eleva o nível do mar em até sete metros.

Esses perigos continuarão sobre a ilha de Grand Bahama durante a maior parte do dia, causando uma "destruição extrema", já que o furacão se move a menos de 2 km/h, de acordo com o NHC.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ao menos uma pessoa morreu após passagem do furacão Dorian nas Bahamas


02/09/2019 | 16:59


Ao menos uma criança de sete anos morreu após a passagem do furacão Dorian pelas Ilhas Ábaco, no arquipélago das Bahamas, nesta segunda-feira, 2.

De acordo com a emissora "Eyewitness News" e o portal "Bahamas Press", o menino Lachino McIntosh morreu afogado devido ao forte aumento do nível do mar nas Ilhas Ábaco pela passagem do furacão.

Além dele, a irmã do garoto está desaparecida. A avó, Ingrid McIntosh, disse a "Eyewitness News" que recebeu a informação pela filha, mãe de Lachino, que achou o corpo do menino.

O número de vítimas será maior, de acordo com as autoridades. O ministro de Assuntos Exteriores de Bahamas, Darren Henfield, informou nesta segunda que há relatos de numerosos corpos boiando nas Ilhas Ábaco, a primeira afetada pelo Dorian nas Bahamas.

"Temos informes de que corpos foram avistados, mas não podemos confirmar esses dados até sairmos e vermos", indicou Henfield em declarações à cadeia de TV ZNS.

Em recado aos habitantes, afirmou que ainda não é seguro sair na rua, já que linhas elétricas estão caídas e árvores foram derrubadas. As equipes de resgate devem ir às localidades com vítimas assim que possível, segundo Henfield.

O fenômeno meteorológico avança pela ilha de Grand Bahama com redução para categoria 4 e singela diminuição da velocidade dos ventos, a 240 km/h, segundo novo relatório do Centro Nacional de Furacões em Miami, EUA.

O Dorian devastou as Ilhas Ábaco, no nordeste, onde centenas de casas estão submersas e cabos elétricos foram rompidos, árvores despedaçadas e comunicações cortadas.

Os meteorologistas indicam que o ciclone gera rajadas de vento superiores às 200 milhas por hora (320 km/h) e eleva o nível do mar em até sete metros.

Esses perigos continuarão sobre a ilha de Grand Bahama durante a maior parte do dia, causando uma "destruição extrema", já que o furacão se move a menos de 2 km/h, de acordo com o NHC.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;