Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 13 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar fecha estável, a R$ 4,1580, após atuação do Banco Central



28/08/2019 | 18:19


Após certa volatilidade pela manhã desta quarta-feira, quando correu entre mínima de R$ 4,1315 e máxima de R$ 4,1680, o dólar à vista rodou perto da estabilidade ao longo da tarde, sempre na casa de R$ 4,15, e encerrou os negócios em R$ 4,1580. Isso fez o real, ao lado da lira turca, destoar das demais divisas emergentes e de exportadores de commodities, que perderam força em relação à moeda americana.

A atuação do Banco Central nesta quarta-feira pela manhã, com leilões de venda à vista, swap cambial (reverso e tradicional) e o leilão de linha ajudou a dar suporte ao real e corrigiu a distorção no chamado 'dólar casado', zerando o diferencial entre o dólar à vista e o futuro para setembro, que havia ficado muito negativo, evidenciado escassez de moeda à vista.

Na primeira hora de negócios, o BC vendeu US$ 25 milhões (de oferta de US$ 550 milhões) em dólar à vista, seguida por colocação de swap cambial reverso de mesmo valor. Em seguida, o BC vendeu a oferta integral de US$ 1,5 bilhão em leilão de linha com compromisso de recompra, estabelecida em 4 de novembro. No início da tarde, foi vendida a oferta de 10.500 de swap cambial tradicional (US$ 525 milhões). Foi o remanescente dos leilões quando foram vendidos apenas 500 contratos no leilão de swap cambial reverso e US$ 25 milhões no leilão de dólar à vista.

Segundo operadores, após a surpreendente intervenção de terça, com oferta de venda de moeda à vista pela primeira vez em 10 anos, o mercado está absorvendo os impactos da nova estratégia de atuação do Banco Central. De um lado, a trinca formada por fluxo cambial negativo, temor de surtos de aversão ao risco no exterior e estreitamento de juros locais e domésticos sugere um dólar mais elevado. De outro, paira a possibilidade de que o Banco Central intervenha sem aviso prévio, o que torna mais arriscado apostar contra o real e fazer hedge de posições prefixadas.

Segundo um experiente gestor de recursos, a onda internacional de aversão ao risco havia dado pretexto para o mercado especular até que ponto o dólar poderia ir sem que o BC agisse. O estopim teria sido a declaração na terça do presidente da instituição, Roberto Campos Neto, de que o real estava em linha com outros emergentes. Quando o dólar se aproximou de R$ 4,20, o BC mudou o tom e introduziu um componente de imprevisibilidade.

O Banco Central informou que o fluxo cambial em agosto, até o dia 23, está negativo em US$ 3,396 bilhões, com saídas líquidas de US$ 6,431 bilhões pelo canal financeiro e saldo positivo de US$ 3,035 bilhões no comércio exterior. No ano, o fluxo total é negativo em US$ 5,605 bilhões. Em igual período do ano passado, o resultado era positivo em US$ 25,012 bilhões.

"Havia uma situação de demanda grande no spot, com bancos vendidos em cerca de US$ 30 bilhões e fluxo negativo. A pressão sobre o câmbio é forte com a aversão ao risco e a pouca atividade do carry trade. O BC está usando seus instrumentos para deixar o mercado mais líquido e trouxe um refresco momentâneo, mas acho que há mais chances de o dólar subir do que recuar", afirma Durval Correa, sócio diretor da Via Brasil Serviços, ressaltando que o mercado está ainda muito suscetível à guerra comercial sino-americana e aos riscos de uma recessão global.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar fecha estável, a R$ 4,1580, após atuação do Banco Central


28/08/2019 | 18:19


Após certa volatilidade pela manhã desta quarta-feira, quando correu entre mínima de R$ 4,1315 e máxima de R$ 4,1680, o dólar à vista rodou perto da estabilidade ao longo da tarde, sempre na casa de R$ 4,15, e encerrou os negócios em R$ 4,1580. Isso fez o real, ao lado da lira turca, destoar das demais divisas emergentes e de exportadores de commodities, que perderam força em relação à moeda americana.

A atuação do Banco Central nesta quarta-feira pela manhã, com leilões de venda à vista, swap cambial (reverso e tradicional) e o leilão de linha ajudou a dar suporte ao real e corrigiu a distorção no chamado 'dólar casado', zerando o diferencial entre o dólar à vista e o futuro para setembro, que havia ficado muito negativo, evidenciado escassez de moeda à vista.

Na primeira hora de negócios, o BC vendeu US$ 25 milhões (de oferta de US$ 550 milhões) em dólar à vista, seguida por colocação de swap cambial reverso de mesmo valor. Em seguida, o BC vendeu a oferta integral de US$ 1,5 bilhão em leilão de linha com compromisso de recompra, estabelecida em 4 de novembro. No início da tarde, foi vendida a oferta de 10.500 de swap cambial tradicional (US$ 525 milhões). Foi o remanescente dos leilões quando foram vendidos apenas 500 contratos no leilão de swap cambial reverso e US$ 25 milhões no leilão de dólar à vista.

Segundo operadores, após a surpreendente intervenção de terça, com oferta de venda de moeda à vista pela primeira vez em 10 anos, o mercado está absorvendo os impactos da nova estratégia de atuação do Banco Central. De um lado, a trinca formada por fluxo cambial negativo, temor de surtos de aversão ao risco no exterior e estreitamento de juros locais e domésticos sugere um dólar mais elevado. De outro, paira a possibilidade de que o Banco Central intervenha sem aviso prévio, o que torna mais arriscado apostar contra o real e fazer hedge de posições prefixadas.

Segundo um experiente gestor de recursos, a onda internacional de aversão ao risco havia dado pretexto para o mercado especular até que ponto o dólar poderia ir sem que o BC agisse. O estopim teria sido a declaração na terça do presidente da instituição, Roberto Campos Neto, de que o real estava em linha com outros emergentes. Quando o dólar se aproximou de R$ 4,20, o BC mudou o tom e introduziu um componente de imprevisibilidade.

O Banco Central informou que o fluxo cambial em agosto, até o dia 23, está negativo em US$ 3,396 bilhões, com saídas líquidas de US$ 6,431 bilhões pelo canal financeiro e saldo positivo de US$ 3,035 bilhões no comércio exterior. No ano, o fluxo total é negativo em US$ 5,605 bilhões. Em igual período do ano passado, o resultado era positivo em US$ 25,012 bilhões.

"Havia uma situação de demanda grande no spot, com bancos vendidos em cerca de US$ 30 bilhões e fluxo negativo. A pressão sobre o câmbio é forte com a aversão ao risco e a pouca atividade do carry trade. O BC está usando seus instrumentos para deixar o mercado mais líquido e trouxe um refresco momentâneo, mas acho que há mais chances de o dólar subir do que recuar", afirma Durval Correa, sócio diretor da Via Brasil Serviços, ressaltando que o mercado está ainda muito suscetível à guerra comercial sino-americana e aos riscos de uma recessão global.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;