Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Tecnologia

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Grupos de pais no WhatsApp afetam relacionamento família x escola

Da Redação

27/08/2019 | 14:18


Uma conversa entre amigos com filhos em idade escolar, ou então uma rápida busca na internet são suficientes para mostrar o quão controversos se tornaram os grupos de WhatsApp de pais de crianças de uma mesma escola. A questão abre espaço para refletir sobre como as redes sociais, em especial apps de bate-papo, têm contribuído para escancarar comportamentos precipitados e até insensatos.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

“Vive-se em uma era em que a internet empoderou a todos, indistinta e simultaneamente. E assim, no auge dessa sensação de poder, a falta de educação fica evidenciada e a intolerância é, infelizmente, a palavra que revela o comportamento em alta na sociedade de hoje”, expõe Acedriana Vicente, diretora pedagógica do Sistema Positivo de Ensino.

Saiba Mais
Lançamento: smartphone Meizu C9 Pro chega ao Brasil por R$ 599
Meizu X8 chega ao Brasil; preços começam em R$ 1.299

Segundo ela, essa falta de educação brota em mensagens de aplicativos e, rapidamente, evolui no mundo real, chegando até as páginas policiais. “A velocidade com que algumas reações e julgamentos se espalham assusta quando se observa o potencial de estragos que são capazes de provocar e a quantidade de provas que são produzidas”, afirma.

Dentro do universo escolar os grupos de pais no WhatsApp surgem com a intenção de melhorar a comunicação entre a escola e família. “O fato é que tais grupos se multiplicam entre si, ganham vertentes paralelas e se transformam em tribunais inquisidores. Pequenos detalhes são aumentados, fatos são deturpados, gerando um barulho muitas vezes descabido e desnecessário”, ressalta a pedagoga.

Para ela, basta uma imagem ou palavra mal interpretadas e tudo vira combustível que inflama pessoas, revelando a incapacidade de transitar com educação diante da divergência.

Historicamente, o ato coletivo sempre confere mais poder que o gesto individual. Essa é uma das justificativas pela qual os pais preferem se articular antes nos grupos de WhatsApp, reunindo outras vozes em torno de si e só então levar a questão para o colégio.

“O problema dessa estratégia é que, em boa parte das vezes, as situações poderiam ser fácil e amigavelmente resolvidas com uma boa conversa com coordenadores e direção da escola, em vez de jogar o assunto para debates acalorados nas redes sociais”, explica a especialista.

Falta, segundo Acedriana, serenidade para conseguir enxergar que toda história tem dois lados e mais de uma parte interessada. “Praticar a empatia (capacidade de se colocar no lugar do outro) e a alteridade (entender que o outro é o outro, portanto diferente de nós) é que nos permite avaliar a situação com calma e, porque não dizer, rever posições que julgávamos imutáveis”.

A especialista alerta que é preciso enxergar que os filhos não estão sozinhos no mundo. “Felizmente, eles estão cercados por outras crianças e adultos e, desde cedo, devem aprender que se relacionar bem com as pessoas requer controle, desprendimento e generosidade. E cabe a nós dar o exemplo e ensiná-los essa importante lição de vida”, orienta.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;