Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Nos EUA, Amazon vende milhares de produtos irregulares

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


24/08/2019 | 08:15


A varejista americana Amazon está vendendo em sua plataforma milhares de produtos sem certificação de segurança ou aprovação das autoridades regulatórias dos Estados Unidos. É o que revelou uma reportagem do Wall Street Journal publicada ontem: o jornal identificou, dentro da loja online, mais de 4 mil produtos irregulares, incluindo brinquedos e medicamentos que eram vendidos sem os devidos avisos sobre os riscos de saúde a crianças.

Além disso, foram encontrados produtos declarados como inseguros por agências federais, itens sem rótulos e até mercadorias banidas por reguladores - entre eles, há o caso dos hoverboards (skates elétricos), febre há alguns anos nos EUA e no Brasil.

Em postagem em seu blog, a Amazon afirmou exigir dos vendedores que os produtos oferecidos em sua plataforma estejam de acordo com "regulações e leis relevantes". A empresa também disse que usa ferramentas automatizadas para identificar itens irregulares.

A vasta maioria dos produtos não era vendida diretamente pela Amazon, mas sim por lojas terceiras que usam a plataforma da Amazon - legalmente, a empresa não é responsável pelos itens de lojistas vendidos no marketplace, nome dado ao serviço da plataforma que permite que terceiros comercializem produtos.

Exemplo

Um caso em junho de 2018 tornou-se um marco em relação ao tema: um hoverboard comprado no site da Amazon explodiu e incendiou a casa de uma família. A empresa não sofreu nenhum tipo de punição. "O papel da Amazon na transação era fornecer um mecanismo para facilitar a troca entre a parte interessada em vender o produto e o indivíduo que procurava comprá-lo", escreveu o juiz responsável pelo caso.

A investigação do jornal americano, porém, mostra a dificuldade da Amazon em fiscalizar milhões de fornecedores que expõe produtos em seu site. De acordo com o Wall Street Journal, após a reportagem, a Amazon removeu ou mudou a descrição de pelo menos metade dos produtos ilegais ou problemáticos.

A empresa disse ainda que usa sistemas de tecnologia para bloquear anúncios ilegais ou que não estejam em conformidade com suas regras. "Em 2018, nossos times bloquearam mais de 3 bilhões de anúncios suspeitos, antes mesmo que eles tenham chegado à loja", publicou a empresa em seu blog oficial, em resposta à reportagem do Wall Street Journal.

Não é a primeira vez, porém, que a Amazon tem problemas com seu serviço de parcerias: investigações anteriores levantaram que também havia produtos malfeitos, tóxicos ou com potencial de dano aos consumidores na plataforma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Nos EUA, Amazon vende milhares de produtos irregulares


24/08/2019 | 08:15


A varejista americana Amazon está vendendo em sua plataforma milhares de produtos sem certificação de segurança ou aprovação das autoridades regulatórias dos Estados Unidos. É o que revelou uma reportagem do Wall Street Journal publicada ontem: o jornal identificou, dentro da loja online, mais de 4 mil produtos irregulares, incluindo brinquedos e medicamentos que eram vendidos sem os devidos avisos sobre os riscos de saúde a crianças.

Além disso, foram encontrados produtos declarados como inseguros por agências federais, itens sem rótulos e até mercadorias banidas por reguladores - entre eles, há o caso dos hoverboards (skates elétricos), febre há alguns anos nos EUA e no Brasil.

Em postagem em seu blog, a Amazon afirmou exigir dos vendedores que os produtos oferecidos em sua plataforma estejam de acordo com "regulações e leis relevantes". A empresa também disse que usa ferramentas automatizadas para identificar itens irregulares.

A vasta maioria dos produtos não era vendida diretamente pela Amazon, mas sim por lojas terceiras que usam a plataforma da Amazon - legalmente, a empresa não é responsável pelos itens de lojistas vendidos no marketplace, nome dado ao serviço da plataforma que permite que terceiros comercializem produtos.

Exemplo

Um caso em junho de 2018 tornou-se um marco em relação ao tema: um hoverboard comprado no site da Amazon explodiu e incendiou a casa de uma família. A empresa não sofreu nenhum tipo de punição. "O papel da Amazon na transação era fornecer um mecanismo para facilitar a troca entre a parte interessada em vender o produto e o indivíduo que procurava comprá-lo", escreveu o juiz responsável pelo caso.

A investigação do jornal americano, porém, mostra a dificuldade da Amazon em fiscalizar milhões de fornecedores que expõe produtos em seu site. De acordo com o Wall Street Journal, após a reportagem, a Amazon removeu ou mudou a descrição de pelo menos metade dos produtos ilegais ou problemáticos.

A empresa disse ainda que usa sistemas de tecnologia para bloquear anúncios ilegais ou que não estejam em conformidade com suas regras. "Em 2018, nossos times bloquearam mais de 3 bilhões de anúncios suspeitos, antes mesmo que eles tenham chegado à loja", publicou a empresa em seu blog oficial, em resposta à reportagem do Wall Street Journal.

Não é a primeira vez, porém, que a Amazon tem problemas com seu serviço de parcerias: investigações anteriores levantaram que também havia produtos malfeitos, tóxicos ou com potencial de dano aos consumidores na plataforma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;