Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Sindema espera proposta do Paço

Prefeitura diz querer conceder 4% de reajuste, mas condiciona aumento à redução das despesas


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

24/08/2019 | 07:00


Passados cinco meses da data-base da campanha salarial, que é março, os funcionários públicos de Diadema ainda não têm proposta oficial sobre reajuste nos contracheques para este ano.

O governo do prefeito Lauro Michels (PV) encaminhou a intenção de conceder 4% de aumento salarial para a categoria, mas condiciona o reajuste à redução dos gastos com folha de pagamento, que já superou o teto legal de 54% da RCL (Receita Corrente Líquida) com esse tipo de despesa. Nenhuma proposta formal foi entregue ao Sindema (Sindicato dos Funcionários Públicos de Diadema).

Em ofício encaminhado à entidade no início do mês, o Paço se compromete em conceder aumento aos servidores, mas pondera sobre o excesso de gastos com pessoal e diz estudar a possibilidade de priorizar aumento apenas para algumas faixas salariais. “As propostas serão validadas em próxima reunião, a acontecer em 13 de setembro, às 15h, e dependerão do relatório do TCE (Tribunal de Contas do Estado). Foram apresentadas possibilidades de aumento para todos os servidores (podendo ser parcelado ou não) e por faixa salarial. Neste caso, se o valor financeiro que a Prefeitura conseguir dispor não for suficiente para todas as faixas, serão priorizadas as faixas de um a seis, a partir de setembro”, diz trecho do ofício encaminhado ao Sindema, e assinado pela chefe de Gabinete e primeira-dama, Caroline Rocha.

A negociação entre Sindema e o Paço resultou, até o momento, em reajustes de 3,94% do vale-alimentação (passa dos atuais R$ 312,73 para R$ 325,05) e do vale-refeição (vai para R$ 8,46). O governo Lauro encaminhou projeto à Câmara na semana passada para apreciação do plenário. O governo também aceitou reajustar em 10% o subsídio para o convênio médico.

ASSEMBLEIA
Em março, em assembleia realizada no Sindema, a categoria aprovou proposta de reivindicação de reajuste de 7%. Além da reposição da inflação do período, o índice levava em consideração o que chamaram de “início de recomposição de perdas”, já que o funcionalismo recebeu aumento zero em 2017. A categoria promete reivindicar, no mínimo, a reposição da inflação na próxima reunião com o governo Lauro. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sindema espera proposta do Paço

Prefeitura diz querer conceder 4% de reajuste, mas condiciona aumento à redução das despesas

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

24/08/2019 | 07:00


Passados cinco meses da data-base da campanha salarial, que é março, os funcionários públicos de Diadema ainda não têm proposta oficial sobre reajuste nos contracheques para este ano.

O governo do prefeito Lauro Michels (PV) encaminhou a intenção de conceder 4% de aumento salarial para a categoria, mas condiciona o reajuste à redução dos gastos com folha de pagamento, que já superou o teto legal de 54% da RCL (Receita Corrente Líquida) com esse tipo de despesa. Nenhuma proposta formal foi entregue ao Sindema (Sindicato dos Funcionários Públicos de Diadema).

Em ofício encaminhado à entidade no início do mês, o Paço se compromete em conceder aumento aos servidores, mas pondera sobre o excesso de gastos com pessoal e diz estudar a possibilidade de priorizar aumento apenas para algumas faixas salariais. “As propostas serão validadas em próxima reunião, a acontecer em 13 de setembro, às 15h, e dependerão do relatório do TCE (Tribunal de Contas do Estado). Foram apresentadas possibilidades de aumento para todos os servidores (podendo ser parcelado ou não) e por faixa salarial. Neste caso, se o valor financeiro que a Prefeitura conseguir dispor não for suficiente para todas as faixas, serão priorizadas as faixas de um a seis, a partir de setembro”, diz trecho do ofício encaminhado ao Sindema, e assinado pela chefe de Gabinete e primeira-dama, Caroline Rocha.

A negociação entre Sindema e o Paço resultou, até o momento, em reajustes de 3,94% do vale-alimentação (passa dos atuais R$ 312,73 para R$ 325,05) e do vale-refeição (vai para R$ 8,46). O governo Lauro encaminhou projeto à Câmara na semana passada para apreciação do plenário. O governo também aceitou reajustar em 10% o subsídio para o convênio médico.

ASSEMBLEIA
Em março, em assembleia realizada no Sindema, a categoria aprovou proposta de reivindicação de reajuste de 7%. Além da reposição da inflação do período, o índice levava em consideração o que chamaram de “início de recomposição de perdas”, já que o funcionalismo recebeu aumento zero em 2017. A categoria promete reivindicar, no mínimo, a reposição da inflação na próxima reunião com o governo Lauro. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;