Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 18 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Justiça determina bloqueio de bens para pagamento de salários no Figueirense

Reprodução/Instragram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Levantamento que fundamentou pedido identificou a existência de 178 ações judiciais contra o clube



23/08/2019 | 19:59


A Justiça do Trabalho de Santa Catarina determinou nesta sexta-feira o bloqueio de bens ligados ao Figueirense como garantia do pagamento de R$ 9,6 milhões em dívidas trabalhistas acumuladas pelo clube. A liminar foi concedida por Danielle Betrachini, juíza da 7.ª Vara do Trabalho de Florianópolis (SC), após pedido do Ministério Público.

A medida, publicada no fim da tarde desta sexta, determina "a imediata indisponibilidade de bens imóveis, automotores, embarcações e aeronaves". A ação atinge tanto o clube quanto a Elephant Participações Societárias, empresa responsável por gerenciar o departamento de futebol do clube catarinense.

Além das pessoas jurídicas, o bloqueio se estende também a pessoas físicas. Estão na lista Claudio Honigman, atual presidente do Figueirense, e Luiz Fernando Philippi, presidente do Conselho Administrativo, além dos sócios Wilfredo Brillinger, Airton Manoel João e Claudio Cesar Vernalha, administrador da Elephant.

Em levantamento que fundamentou o pedido de bloqueio, o Ministério Público identificou a existência de 178 ações judiciais movidas contra o clube. Antes da efetivação de alguma ação contra as contas dos dirigentes, o bloqueio deve alcançar primeiro o patrimônio das pessoas jurídicas citadas pela Justiça.

Atletas e funcionários têm sofrido com a crise financeira do Figueirense há muito tempo. Na última terça-feira, os jogadores se recusaram a ir a campo contra o Cuiabá, pela Série B, e o time foi derrotado por W.O.

Antes disso, o elenco já havia feito greves e se recusado a treinar. Na última quinta-feira, as atividades foram retomadas pelos jogadores, com a promessa de em breve terem seus débitos quitados. Os jogadores não receberam os salários de julho, estabelecidos na carteira de trabalho, e que, normalmente, são baixos, além dos direitos e imagens de três meses: maio, junho e julho.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Justiça determina bloqueio de bens para pagamento de salários no Figueirense

Levantamento que fundamentou pedido identificou a existência de 178 ações judiciais contra o clube


23/08/2019 | 19:59


A Justiça do Trabalho de Santa Catarina determinou nesta sexta-feira o bloqueio de bens ligados ao Figueirense como garantia do pagamento de R$ 9,6 milhões em dívidas trabalhistas acumuladas pelo clube. A liminar foi concedida por Danielle Betrachini, juíza da 7.ª Vara do Trabalho de Florianópolis (SC), após pedido do Ministério Público.

A medida, publicada no fim da tarde desta sexta, determina "a imediata indisponibilidade de bens imóveis, automotores, embarcações e aeronaves". A ação atinge tanto o clube quanto a Elephant Participações Societárias, empresa responsável por gerenciar o departamento de futebol do clube catarinense.

Além das pessoas jurídicas, o bloqueio se estende também a pessoas físicas. Estão na lista Claudio Honigman, atual presidente do Figueirense, e Luiz Fernando Philippi, presidente do Conselho Administrativo, além dos sócios Wilfredo Brillinger, Airton Manoel João e Claudio Cesar Vernalha, administrador da Elephant.

Em levantamento que fundamentou o pedido de bloqueio, o Ministério Público identificou a existência de 178 ações judiciais movidas contra o clube. Antes da efetivação de alguma ação contra as contas dos dirigentes, o bloqueio deve alcançar primeiro o patrimônio das pessoas jurídicas citadas pela Justiça.

Atletas e funcionários têm sofrido com a crise financeira do Figueirense há muito tempo. Na última terça-feira, os jogadores se recusaram a ir a campo contra o Cuiabá, pela Série B, e o time foi derrotado por W.O.

Antes disso, o elenco já havia feito greves e se recusado a treinar. Na última quinta-feira, as atividades foram retomadas pelos jogadores, com a promessa de em breve terem seus débitos quitados. Os jogadores não receberam os salários de julho, estabelecidos na carteira de trabalho, e que, normalmente, são baixos, além dos direitos e imagens de três meses: maio, junho e julho.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;