Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Proposta de autonomia ganha relator na Câmara



23/08/2019 | 07:58


Apresentada há dez anos na Câmara, a proposta de emenda constitucional que dá autonomia à Polícia Federal ganhou um relator ontem, no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro sinalizou que pode trocar o diretor-geral da corporação. Entre outras medidas, a PEC prevê que a PF poderá organizar sua estrutura administrativa e definir como usar seus recursos.

O deputado João Campos (PRB-GO), que é delegado da Polícia Civil, vai relatar a PEC na Comissão de Constituição e Justiça. O parlamentar já havia pedido, no início do ano, para desarquivar a proposta.

O presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), responsável pela escolha do relator, negou que a medida tenha sido uma retaliação à fala de Bolsonaro. "Meu propósito é destravar os projetos que estão parados no colegiado", disse. Felipe é filho do deputado estadual Delegado Francischini (PSL-PR), que é delegado da PF.

Campos já havia apresentado um parecer favorável à proposta na legislatura anterior, quando também relatou a PEC. A proposta, porém, não chegou a ser votada. Na justificativa, o autor da proposta, o ex-deputado Alexandre Silveira (Cidadania-MG), argumenta que é necessário aprimorar a Constituição e garantir à Polícia Federal a autonomia necessária para ser uma "polícia republicana, que atua a serviço do Estado e não de governos".

Mandato

Além da PEC em discussão na Câmara, uma outra proposta, apresentada em 2015 no Senado, prevê mandato fixo de três anos para o cargo de diretor-geral da PF e escolha a partir de uma lista tríplice pelo presidente, com posterior sabatina do indicado pelos senadores.

A proposta tem como autor o ex-senador Magno Malta (PR-ES), mas nunca chegou a ser votada em comissões da Casa.

"Faz dez anos que delegados da PF reforçam a necessidade de mudanças. Não é oportunismo pelo momento. Mas as declarações do presidente reforçam essa necessidade. A PF não está completamente protegida", disse Edvandir Paiva, presidente da Associação de Delegados da Polícia Federal.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Proposta de autonomia ganha relator na Câmara


23/08/2019 | 07:58


Apresentada há dez anos na Câmara, a proposta de emenda constitucional que dá autonomia à Polícia Federal ganhou um relator ontem, no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro sinalizou que pode trocar o diretor-geral da corporação. Entre outras medidas, a PEC prevê que a PF poderá organizar sua estrutura administrativa e definir como usar seus recursos.

O deputado João Campos (PRB-GO), que é delegado da Polícia Civil, vai relatar a PEC na Comissão de Constituição e Justiça. O parlamentar já havia pedido, no início do ano, para desarquivar a proposta.

O presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), responsável pela escolha do relator, negou que a medida tenha sido uma retaliação à fala de Bolsonaro. "Meu propósito é destravar os projetos que estão parados no colegiado", disse. Felipe é filho do deputado estadual Delegado Francischini (PSL-PR), que é delegado da PF.

Campos já havia apresentado um parecer favorável à proposta na legislatura anterior, quando também relatou a PEC. A proposta, porém, não chegou a ser votada. Na justificativa, o autor da proposta, o ex-deputado Alexandre Silveira (Cidadania-MG), argumenta que é necessário aprimorar a Constituição e garantir à Polícia Federal a autonomia necessária para ser uma "polícia republicana, que atua a serviço do Estado e não de governos".

Mandato

Além da PEC em discussão na Câmara, uma outra proposta, apresentada em 2015 no Senado, prevê mandato fixo de três anos para o cargo de diretor-geral da PF e escolha a partir de uma lista tríplice pelo presidente, com posterior sabatina do indicado pelos senadores.

A proposta tem como autor o ex-senador Magno Malta (PR-ES), mas nunca chegou a ser votada em comissões da Casa.

"Faz dez anos que delegados da PF reforçam a necessidade de mudanças. Não é oportunismo pelo momento. Mas as declarações do presidente reforçam essa necessidade. A PF não está completamente protegida", disse Edvandir Paiva, presidente da Associação de Delegados da Polícia Federal.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;