Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 18 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Juiz da Lava Jato nega pedido do advogado Nilton Serson



22/08/2019 | 18:55


O juiz federal Luiz Antonio Bonat, da Operação Lava Jato em Curitiba, negou nesta quinta-feira, 22, o pedido de revogação da prisão temporária do advogado Nilton Serson, suspeito de ser "laranja" na lavagem de dinheiro da Odebrecht, ligado ao ex-chefão jurídico do grupo, Maurício Ferro.

Serson teve prisão decretada pela Justiça Federal, alvo da fase 63 da Lava Jato, batizada de Operação Carbonara Chimica.

Em pedido enviado a Bonat na tarde desta quinta, a defesa de Serson informou que o cliente mora em Miami e que vai se apresentar às autoridades no Brasil. Por meio de sua defesa, ele pediu a revogação da medida cautelar.

"Apesar da relevância das informações apresentadas pela defensora, o pleito é estranho aos presentes autos, pelo que não conheço do pedido", decidiu Bonat.

Segundo o juiz da Lava Jato, a prisão de Nilton Serson "ainda está pendente de cumprimento".

"O pedido de revogação da prisão temporária deverá ser formulado em autos apartados, distribuído por dependência ao aludido processo de buscas e prisões, sob a classe 'Pedido de Liberdade Provisória Com ou Sem Fiança'."

Serson e Ferro tiveram prisão temporária decretada pelo juiz.

A nova fase da Lava Jato decorre da acusação do processo contra Guido Mantega, ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff, por suposto acerto de R$ 50 milhões em propinas ao PT por favorecimento à Odebrecht na edição da Medida Provisória 470.

A Lava Jato descobriu que Serson recebeu R$ 78 milhões da Braskem, por intermédio de Ferro, de forma suspeita. Apuração interna da empresa apontou falta de documentos que comprovassem a efetivação dos serviços pagos. Documentos enviados pela Suíça também mostraram que Serson recebeu valores em uma conta secreta do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, a máquina de fazer propinas do grupo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juiz da Lava Jato nega pedido do advogado Nilton Serson


22/08/2019 | 18:55


O juiz federal Luiz Antonio Bonat, da Operação Lava Jato em Curitiba, negou nesta quinta-feira, 22, o pedido de revogação da prisão temporária do advogado Nilton Serson, suspeito de ser "laranja" na lavagem de dinheiro da Odebrecht, ligado ao ex-chefão jurídico do grupo, Maurício Ferro.

Serson teve prisão decretada pela Justiça Federal, alvo da fase 63 da Lava Jato, batizada de Operação Carbonara Chimica.

Em pedido enviado a Bonat na tarde desta quinta, a defesa de Serson informou que o cliente mora em Miami e que vai se apresentar às autoridades no Brasil. Por meio de sua defesa, ele pediu a revogação da medida cautelar.

"Apesar da relevância das informações apresentadas pela defensora, o pleito é estranho aos presentes autos, pelo que não conheço do pedido", decidiu Bonat.

Segundo o juiz da Lava Jato, a prisão de Nilton Serson "ainda está pendente de cumprimento".

"O pedido de revogação da prisão temporária deverá ser formulado em autos apartados, distribuído por dependência ao aludido processo de buscas e prisões, sob a classe 'Pedido de Liberdade Provisória Com ou Sem Fiança'."

Serson e Ferro tiveram prisão temporária decretada pelo juiz.

A nova fase da Lava Jato decorre da acusação do processo contra Guido Mantega, ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff, por suposto acerto de R$ 50 milhões em propinas ao PT por favorecimento à Odebrecht na edição da Medida Provisória 470.

A Lava Jato descobriu que Serson recebeu R$ 78 milhões da Braskem, por intermédio de Ferro, de forma suspeita. Apuração interna da empresa apontou falta de documentos que comprovassem a efetivação dos serviços pagos. Documentos enviados pela Suíça também mostraram que Serson recebeu valores em uma conta secreta do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, a máquina de fazer propinas do grupo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;