Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Depois de 15 anos, Barão Vermelho lança disco de inéditas


Do Dgabc.com.br

23/08/2019 | 07:22


A banda Barão Vermelho tem muita história para contar. Tanto que, mesmo após 15 anos sem lançar um disco de inéditas, apresentou ontem para os fãs o Viva, o 18º álbum do grupo e o primeiro sem a voz de Roberto Frejat.

O vocalista da vez é Rodrigo Suricato, que também assume a guitarra. “Mais do que o som, o Barão tem uma voz própria, agora pela garganta do Suricato”, destaca o baterista Guto Goffi, que fundou o Barão com Maurício Barros, em 1981. “Nada mais rock’n’roll do que seguir, mesmo depois da saída de nomes como Cazuza e Frejat”, diz Suricato, que também assina diversas composições do álbum.

O grupo não gravava um disco de inéditas desde 2004. Viva abre com a faixa Eu Nunca Estou Só, com raízes no blues, que sempre orientou a banda. Tanto essa como as demais canções do álbum transbordam identidade e provocação.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Depois de 15 anos, Barão Vermelho lança disco de inéditas

Do Dgabc.com.br

23/08/2019 | 07:22


A banda Barão Vermelho tem muita história para contar. Tanto que, mesmo após 15 anos sem lançar um disco de inéditas, apresentou ontem para os fãs o Viva, o 18º álbum do grupo e o primeiro sem a voz de Roberto Frejat.

O vocalista da vez é Rodrigo Suricato, que também assume a guitarra. “Mais do que o som, o Barão tem uma voz própria, agora pela garganta do Suricato”, destaca o baterista Guto Goffi, que fundou o Barão com Maurício Barros, em 1981. “Nada mais rock’n’roll do que seguir, mesmo depois da saída de nomes como Cazuza e Frejat”, diz Suricato, que também assina diversas composições do álbum.

O grupo não gravava um disco de inéditas desde 2004. Viva abre com a faixa Eu Nunca Estou Só, com raízes no blues, que sempre orientou a banda. Tanto essa como as demais canções do álbum transbordam identidade e provocação.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;