Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Presidente da Abimaq critica plena abertura comercial brasileira



21/08/2019 | 11:52


O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), José Velloso Dias Cardoso, disse que uma ampla abertura comercial no Brasil traria mais vantagens para os parceiros comerciais do País do que para a economia brasileira. "Os resultados de longo prazo seriam ínfimos, mesmo as variáveis macroeconômicas", disse, em apresentação no Congresso Brasileiro do Aço, organizado pelo Instituto Aço Brasil (IABr).

O executivo citou pesquisa realizada pela entidade que mostrou que a abertura comercial geraria ganho de bem estar no exterior 21 vezes superior ao gerado a quem está no Brasil. "Teria mais vantagem para as empresas que se relacionam conosco", disse.

Ele comentou, ainda, que a abertura parcial tem risco de desmontar setores específicos sem contrapartidas positivas.

*A repórter viajou a convite do IABr



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Presidente da Abimaq critica plena abertura comercial brasileira


21/08/2019 | 11:52


O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), José Velloso Dias Cardoso, disse que uma ampla abertura comercial no Brasil traria mais vantagens para os parceiros comerciais do País do que para a economia brasileira. "Os resultados de longo prazo seriam ínfimos, mesmo as variáveis macroeconômicas", disse, em apresentação no Congresso Brasileiro do Aço, organizado pelo Instituto Aço Brasil (IABr).

O executivo citou pesquisa realizada pela entidade que mostrou que a abertura comercial geraria ganho de bem estar no exterior 21 vezes superior ao gerado a quem está no Brasil. "Teria mais vantagem para as empresas que se relacionam conosco", disse.

Ele comentou, ainda, que a abertura parcial tem risco de desmontar setores específicos sem contrapartidas positivas.

*A repórter viajou a convite do IABr

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;