Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

CVM multa Ernst & Young e sócios em R$ 180 mil por falha em auditoria da Rossi



20/08/2019 | 16:47


A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) multou, em julgamento nesta terça-feira, 20, a Ernst & Young Auditores Independentes e seus sócios e responsáveis técnicos André Ferreira e Alexandre Labetta pelo descumprimento de normas relativas à auditoria das demonstrações financeiras da Rossi Residencial referentes aos exercícios de 2010 e 2011.

A auditoria foi multada em R$ 100 mil, enquanto os executivos terão que arcar com R$ 40 mil cada um. A defesa ainda não definiu se recorrerá ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, instância superior das decisões da CVM.

De acordo com a acusação, a metodologia do Percentage of Completion (POC) Individual para reconhecimento de receitas e despesas adotada pela Rossi para aqueles exercícios estava incorreta à luz das normas contábeis então vigentes.

Em obras realizadas no modelo de consórcio, a construtora fazia a apuração de forma individual para cada Sociedade de Propósito Específico (SPE) participante da obra, em momentos distintos e de acordo com seu papel no empreendimento - aporte do terreno ou incorporação.

Para a CVM, em empreendimentos destinados à venda de unidades imobiliárias, o reconhecimento da receita de vendas deveria ocorrer de acordo com o estágio de execução do contrato, levando em conta o empreendimento como um todo.

Em 2012, a Rossi mudou o critério contábil utilizado para reconhecer receitas e custos e passou a adotar o chamado POC Empreendimento, o que levou inclusive ao reconhecimento de baixas contábeis.

Nesse contexto, a área técnica da CVM considerou que os auditores independentes deveriam, no mínimo, ter feito constar ressalvas nos relatórios de auditoria da Rossi em 2010 e 2011.

A diretora Flávia Perlingeiro destacou em seu voto que cabe aos auditores independentes atuar para obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras analisadas estão livres de distorções relevantes e representam adequadamente a posição patrimonial e financeira, o desempenho operacional e o fluxo de caixa da entidade auditada.

"Em caso de distorção relevante, é fundamental que os auditores independentes observem as normas que regulam a sua profissão e a emissão de pareceres e relatórios, sendo de extrema importância as ressalvas, opiniões adversas e abstenção de opinião tanto para os usuários das Demonstrações Financeiras quanto para o regulador. Entendo que os acusados referendaram práticas contábeis inconsistentes com as normas em vigor", disse a diretora relatora do caso. O voto foi acompanhado por unanimidade no colegiado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

CVM multa Ernst & Young e sócios em R$ 180 mil por falha em auditoria da Rossi


20/08/2019 | 16:47


A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) multou, em julgamento nesta terça-feira, 20, a Ernst & Young Auditores Independentes e seus sócios e responsáveis técnicos André Ferreira e Alexandre Labetta pelo descumprimento de normas relativas à auditoria das demonstrações financeiras da Rossi Residencial referentes aos exercícios de 2010 e 2011.

A auditoria foi multada em R$ 100 mil, enquanto os executivos terão que arcar com R$ 40 mil cada um. A defesa ainda não definiu se recorrerá ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o Conselhinho, instância superior das decisões da CVM.

De acordo com a acusação, a metodologia do Percentage of Completion (POC) Individual para reconhecimento de receitas e despesas adotada pela Rossi para aqueles exercícios estava incorreta à luz das normas contábeis então vigentes.

Em obras realizadas no modelo de consórcio, a construtora fazia a apuração de forma individual para cada Sociedade de Propósito Específico (SPE) participante da obra, em momentos distintos e de acordo com seu papel no empreendimento - aporte do terreno ou incorporação.

Para a CVM, em empreendimentos destinados à venda de unidades imobiliárias, o reconhecimento da receita de vendas deveria ocorrer de acordo com o estágio de execução do contrato, levando em conta o empreendimento como um todo.

Em 2012, a Rossi mudou o critério contábil utilizado para reconhecer receitas e custos e passou a adotar o chamado POC Empreendimento, o que levou inclusive ao reconhecimento de baixas contábeis.

Nesse contexto, a área técnica da CVM considerou que os auditores independentes deveriam, no mínimo, ter feito constar ressalvas nos relatórios de auditoria da Rossi em 2010 e 2011.

A diretora Flávia Perlingeiro destacou em seu voto que cabe aos auditores independentes atuar para obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras analisadas estão livres de distorções relevantes e representam adequadamente a posição patrimonial e financeira, o desempenho operacional e o fluxo de caixa da entidade auditada.

"Em caso de distorção relevante, é fundamental que os auditores independentes observem as normas que regulam a sua profissão e a emissão de pareceres e relatórios, sendo de extrema importância as ressalvas, opiniões adversas e abstenção de opinião tanto para os usuários das Demonstrações Financeiras quanto para o regulador. Entendo que os acusados referendaram práticas contábeis inconsistentes com as normas em vigor", disse a diretora relatora do caso. O voto foi acompanhado por unanimidade no colegiado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;