Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

A culpa é realmente dos técnicos?


Thiago Silva
do Diário do Grande ABC

19/03/2011 | 07:09


Todo mundo é contra demissão de treinador após poucas partidas, mas faz parte da cultura do futebol brasileiro. Essa é a teoria da maioria dos dirigentes dos clubes, mas a mudança de comando não surtiu efeito em grande parte dos times do Campeonato Paulista.

Somente no Estadual, 13 dos 20 clubes - inclusive os três da região - trocaram de técnico ao menos uma vez, e apenas o São Caetano teve evolução expressiva na tabela. Toninho Cecílio deixou o time na zona de rebaixamento. Agora, com Ademir Fonseca, a equipe subiu para a 11ª colocação e é a única do Grande ABC com chances de brigar por classificação às quartas de final.

"O grupo aceitou a nossa filosofia de trabalho e tem se esforçado muito para atingir nossa meta de ficar entre os oito primeiros colocados", disse Fonseca, que criticou o excesso de troca de técnicos. "Infelizmente, isso ocorre porque falta planejamento em alguns clubes", afirmou.

Já o Santo André reflete os outros times. Quando foi demitido, Pintado deixou o Ramalhão na 19ª colocação, exatamente a posição que o time de Sandro Gaúcho se encontra hoje. "Na maioria das vezes, nós não somos os culpados, mas sim uma sucessão de erros, inclusive na montagem do elenco e na própria escolha do treinador", destacou Pintado. "Depois, acertamos com outra equipe por pouco tempo e temos que fazer milagre", desabafou.

No início da competição, o São Bernardo parecia que quebraria a regra. Ruy Scarpino dirigia o time desde o início de 2010, ainda na Série A-2, e recusou proposta do América-RN para participar efetivamente da montagem do time. Mas bastaram apenas alguns resultados ruins para a diretoria esquecer o passado. "Dificilmente se faz projeto a longo prazo. Quando iniciamos fala-se uma coisa, mas a conversa muda quando o resultado não vem", criticou o treinador, que hoje está no Ituano e sem muito sucesso. O antecessor, Sérgio Ramirez, deixou a equipe do Interior na 16ª colocação, a mesma de hoje.

O mais interessante, no entanto, é que todos dirigentes dos clubes da região não concordam com a demissão de treinadores, apesar de agirem de modo contrário. "Está enraizado na cultura do nosso futebol. Quando o resultado não vem fica complicado manter o treinador", justificou o presidente do São Caetano, Nairo Ferreira de Souza. "Esse não é o caminho porque não é o técnico que determina a qualidade do elenco. Mas, no nosso caso, o São Bernardo estava perdendo pontos preciosos em campeonato curto", emendou o mandatário Luiz Fernando Teixeira, justificando a demissão de Scarpino.

Para Toninho Cecílio, que também foi dirigente, existe uma única solução para resolver o problema. "Apenas mudaria se houvesse uma legislação, o que dificilmente vai acontecer", lamentou.

 

Marcelo Veiga, do Braga, é exceção à regra

Toda regra tem sua exceção e o Bragantino é quem vai na contramão dos clubes que demitem seus treinadores em pouco tempo. Marcelo Veiga comanda a equipe do Interior há sete anos, ficando longe do time apenas por quatro meses em 2007, quando se aventurou no Paulista de Jundiaí e no América-RN.

Nesse período, ele conquistou acesso na Série A-2 do Paulista, em 2005, e também o título da Série C do Brasileiro de 2007. Nos anos seguintes, a equipe falhou ao buscar vaga na elite do Nacional, mas o treinador foi mantido no cargo.

 "Isso é questão de filosofia. Quando se tem técnico competente e o time não vai bem, trocamos o jogador. Mas é necessário ter relacionamento de confiabilidade entre a diretoria e a comissão técnica", explicou o presidente Marcos Cheid. "Ele também conhece bem as dificuldades do clube e faz trabalho sério. Aqui, diferentemente de outros lugares, panelinha não derruba treinador", completou.

Para Marcelo Veiga, a postura da diretoria do Bragantino lhe dá tranquilidade para trabalhar. "Temos planejamento a longo prazo. Estamos disputando o Paulista, mas não temos a intenção de conquistá-lo. Nosso objetivo é montar equipe para alcançar o acesso para Série A do Brasileiro", destacou o técnico, que tem vínculo até o fim de 2011. "Claro que tenho objetivo de comandar time grande. Mas hoje tenho a expectativa de cumprir meu contrato", garantiu.

Colaboraram Dérek Bittencourt e Marco Borba



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;