Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 17 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Focus: alta do PIB de 2019 passa de 0,81% para 0,83%



19/08/2019 | 09:35


A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 passou de 0,81% para 0,83%, conforme o Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira, 19, pelo Banco Central. Há quatro semanas, a estimativa de crescimento era de 0,82%.

Para 2020, o mercado financeiro alterou a previsão de alta do PIB de 2,10% para 2,20%. Quatro semanas atrás, estava em 2,10%.

No fim de junho, o BC atualizou, por meio do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), sua projeção para o PIB em 2019, de alta de 2,0% para elevação de 0,8%.

No Focus de hoje, a projeção para a alta da produção industrial de 2019 foi de 0,19% para 0,15%. Há um mês, estava em 0,66%. No caso de 2020, a estimativa de crescimento da produção industrial foi de 2,75% para 2,50%, ante 3,00% de quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2019 passou de 56,10% para 56,50%. Há um mês, estava em 56,10%. Para 2020, a expectativa foi de 58,63% para 58,53%, ante 58,30% de um mês atrás.

Déficit primário/PIB

O Relatório de Mercado Focus trouxe alteração na projeção para o resultado primário do governo em 2019. A relação entre o déficit primário e o Produto Interno Bruto (PIB) este ano passou de 1,30% para 1,34%. No caso de 2020, permaneceu em 1,00%. Há um mês, os porcentuais estavam em 1,40% e 1,00%, respectivamente.

Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2019 foi de 6,25% para 6,20%, conforme as projeções dos economistas do mercado financeiro. Para 2020, passou de 6,00% para 5,98%. Há quatro semanas, estas relações estavam em 6,40% e 6,05%, nesta ordem.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Focus: alta do PIB de 2019 passa de 0,81% para 0,83%


19/08/2019 | 09:35


A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 passou de 0,81% para 0,83%, conforme o Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira, 19, pelo Banco Central. Há quatro semanas, a estimativa de crescimento era de 0,82%.

Para 2020, o mercado financeiro alterou a previsão de alta do PIB de 2,10% para 2,20%. Quatro semanas atrás, estava em 2,10%.

No fim de junho, o BC atualizou, por meio do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), sua projeção para o PIB em 2019, de alta de 2,0% para elevação de 0,8%.

No Focus de hoje, a projeção para a alta da produção industrial de 2019 foi de 0,19% para 0,15%. Há um mês, estava em 0,66%. No caso de 2020, a estimativa de crescimento da produção industrial foi de 2,75% para 2,50%, ante 3,00% de quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2019 passou de 56,10% para 56,50%. Há um mês, estava em 56,10%. Para 2020, a expectativa foi de 58,63% para 58,53%, ante 58,30% de um mês atrás.

Déficit primário/PIB

O Relatório de Mercado Focus trouxe alteração na projeção para o resultado primário do governo em 2019. A relação entre o déficit primário e o Produto Interno Bruto (PIB) este ano passou de 1,30% para 1,34%. No caso de 2020, permaneceu em 1,00%. Há um mês, os porcentuais estavam em 1,40% e 1,00%, respectivamente.

Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2019 foi de 6,25% para 6,20%, conforme as projeções dos economistas do mercado financeiro. Para 2020, passou de 6,00% para 5,98%. Há quatro semanas, estas relações estavam em 6,40% e 6,05%, nesta ordem.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;