Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

ONG indica alta de 15% no desmatamento da Amazônia no último ano

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


16/08/2019 | 12:56


A ONG Imazon divulgou nesta sexta-feira, 16, seu levantamento independente sobre o desmatamento da Amazônia apontando uma alta de 16% na perda da floresta entre agosto do ano passado e julho deste ano, na comparação com os 12 meses anteriores. O sistema tem uma metodologia diferente da usada pelo Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e observa uma região um pouco menor, mas traz o mesmo indicativo de alta já alertado pelo Deter.

O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon detectou 5.054 km² de desmatamento neste período, principalmente no Pará, no Amazonas e em Mato Grosso. Somente no último mês de julho, a destruição das florestas somou 1.287 km² - um aumento de 66% em relação a julho de 2018.

Para o mês de julho, o SAD aponta que o municípios com maiores áreas desmatadas foram Altamira, com perda de 128 km², e São Félix do Xingu (96 km²), ambos no Pará, e Porto Velho (78 km²), em Rondônia. O Acre como um todo também chamou a atenção. Segundo o Imazon, o Estado não costuma aparecer entre os líderes de desmatamento, mas ficou em terceiro lugar no ranking em julho, com uma alta de 257% em relação a julho de 2018.

O governador do Acre, Gladson Cameli (PP), vem dizendo para proprietários de terra que não paguem multas que eles venham a receber em caso de serem autuados pelo órgão ambiental local, como noticiou o jornal Folha de S. Paulo no final de julho.

O cenário é bastante parecido com o observado pelo monitoramento do Inpe. Pelo acumulado de alertas do Deter, a perda entre agosto de 2018 e julho de 2019 foi 6.833 km² - alta de 49,45% em relação ao período anterior. O sistema do Inpe também observou uma disparada significativa no mês de julho, de 2.254 km² - 278% maior que o verificado no mesmo mês de 2018.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

ONG indica alta de 15% no desmatamento da Amazônia no último ano


16/08/2019 | 12:56


A ONG Imazon divulgou nesta sexta-feira, 16, seu levantamento independente sobre o desmatamento da Amazônia apontando uma alta de 16% na perda da floresta entre agosto do ano passado e julho deste ano, na comparação com os 12 meses anteriores. O sistema tem uma metodologia diferente da usada pelo Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e observa uma região um pouco menor, mas traz o mesmo indicativo de alta já alertado pelo Deter.

O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon detectou 5.054 km² de desmatamento neste período, principalmente no Pará, no Amazonas e em Mato Grosso. Somente no último mês de julho, a destruição das florestas somou 1.287 km² - um aumento de 66% em relação a julho de 2018.

Para o mês de julho, o SAD aponta que o municípios com maiores áreas desmatadas foram Altamira, com perda de 128 km², e São Félix do Xingu (96 km²), ambos no Pará, e Porto Velho (78 km²), em Rondônia. O Acre como um todo também chamou a atenção. Segundo o Imazon, o Estado não costuma aparecer entre os líderes de desmatamento, mas ficou em terceiro lugar no ranking em julho, com uma alta de 257% em relação a julho de 2018.

O governador do Acre, Gladson Cameli (PP), vem dizendo para proprietários de terra que não paguem multas que eles venham a receber em caso de serem autuados pelo órgão ambiental local, como noticiou o jornal Folha de S. Paulo no final de julho.

O cenário é bastante parecido com o observado pelo monitoramento do Inpe. Pelo acumulado de alertas do Deter, a perda entre agosto de 2018 e julho de 2019 foi 6.833 km² - alta de 49,45% em relação ao período anterior. O sistema do Inpe também observou uma disparada significativa no mês de julho, de 2.254 km² - 278% maior que o verificado no mesmo mês de 2018.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;