Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'Minha Vida em Marte', melhor longa de comédia no Grande Prêmio do Cinema

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Adriana Esteves, Matheus Nachtergaele, O Grande Circo Místico e Chacrinha também se destacaram



15/08/2019 | 11:16


Na abertura do 18º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, nesta quarta, 14, o prefeito Bruno Covas afirmou que "enquanto parte da classe política quer dizer o que cabe ou não num filme, São Paulo reafirma seu compromisso com a cultura livre, sem filtros, filtro é censura".

Pela primeira vez em São Paulo após 17 edições no Rio, o evento realizado no Teatro Municipal de São Paulo também recebeu na abertura o secretário de Cultura do Estado, Sérgio Sá Leitão. Segundo ele, "o cinema é uma força e representa 46% do PIB" e disse ainda que "a indústria do audiovisual vai receber um investimento de R$ 200 milhões".

A festa começou com dois prêmios, o de trilha para Elza Soares e de trilha original para Paraíso Perdido, música de Zeca Baleiro.

Na sequência, o prêmio de melhor longa de comédia foi para Minha Vida em Marte, de Susana Garcia.

Na categoria de atriz coadjuvante Adriana Esteves venceu por Benzinho. O melhor ator coadjuvante foi Matheus Nachtergaele por O Nome da Morte.

O Grande Circo Místico leva os prêmios de melhor direção de fotografia, melhor direção de arte, figurino e maquiagem. São 4 prêmios para o filme de Cacá Diegues. O filme campeão de indicações é Chacrinha : O Velho Guerreiro, dirigido por Andrucha Waddington, que está concorrendo em 12 categorias.

O melhor filme infantil é Detetives do Prédio Azul 2 - O Mistério Italiano e o melhor documentário é de Luiz Bolognesi, com Ex-Pajé.

O melhor filme estrangeiro foi Infiltrado na Klan, de Spike Lee, e o melhor ibero-americano foi Uma Noite de 12 Anos, de Alvaro Brechner.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Minha Vida em Marte', melhor longa de comédia no Grande Prêmio do Cinema

Adriana Esteves, Matheus Nachtergaele, O Grande Circo Místico e Chacrinha também se destacaram


15/08/2019 | 11:16


Na abertura do 18º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, nesta quarta, 14, o prefeito Bruno Covas afirmou que "enquanto parte da classe política quer dizer o que cabe ou não num filme, São Paulo reafirma seu compromisso com a cultura livre, sem filtros, filtro é censura".

Pela primeira vez em São Paulo após 17 edições no Rio, o evento realizado no Teatro Municipal de São Paulo também recebeu na abertura o secretário de Cultura do Estado, Sérgio Sá Leitão. Segundo ele, "o cinema é uma força e representa 46% do PIB" e disse ainda que "a indústria do audiovisual vai receber um investimento de R$ 200 milhões".

A festa começou com dois prêmios, o de trilha para Elza Soares e de trilha original para Paraíso Perdido, música de Zeca Baleiro.

Na sequência, o prêmio de melhor longa de comédia foi para Minha Vida em Marte, de Susana Garcia.

Na categoria de atriz coadjuvante Adriana Esteves venceu por Benzinho. O melhor ator coadjuvante foi Matheus Nachtergaele por O Nome da Morte.

O Grande Circo Místico leva os prêmios de melhor direção de fotografia, melhor direção de arte, figurino e maquiagem. São 4 prêmios para o filme de Cacá Diegues. O filme campeão de indicações é Chacrinha : O Velho Guerreiro, dirigido por Andrucha Waddington, que está concorrendo em 12 categorias.

O melhor filme infantil é Detetives do Prédio Azul 2 - O Mistério Italiano e o melhor documentário é de Luiz Bolognesi, com Ex-Pajé.

O melhor filme estrangeiro foi Infiltrado na Klan, de Spike Lee, e o melhor ibero-americano foi Uma Noite de 12 Anos, de Alvaro Brechner.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;