Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Casos de dengue diminuem 63,70% no Grande ABC


William Cardoso
Do Diário do Grande ABC

27/12/2008 | 07:01


As prefeituras dos sete municípios do Grande ABC esperam manter em queda a quantidade de pessoas infectadas pela dengue. De 2007 para 2008, houve redução de 63,70% nos casos registrados.

Em 2007, 259 moradores de seis dos sete municípios foram picados pelo Aedes aegypti e contraíram a doença (Rio Grande da Serra foi a exceção). Até esta semana, o número de contaminados com o vírus era de 94 pessoas, pouco mais do que a metade do ano anterior.

Entre os casos autóctones (contraídos no município onde a pessoa mora), a redução foi ainda maior. Em 2008, apenas três moradores do Grande ABC contraíram a doença nas cidades onde vivem - Santo André, São Bernardo e Diadema. No ano anterior, 54 pessoas foram contaminadas com a doença.

Os números de casos autóctones em 2007 foram alavancados pelo surto ocorrido em Diadema. A cidade registrou no ano passado 46 pessoas que contraíram a doença no próprio município. Foram 85 no total, incluindo aqueles em que a pessoa vive na cidade, mas foi contaminada em outro local. Abril foi o mês crítico, com 42 registros.

Em 2008, Diadema teve 16 casos da doença, mas apenas um adquirido na própria cidade. O responsável pelo Centro de Controle de Zoonoses do município preferiu não comentar a queda nos números. A Prefeitura informou, apenas, que entre as medidas de prevenção estão ações de rotina, como arrastões de limpeza e vistorias em locais propícios à criação do mosquito.

As demais cidades da região também têm adotado ações para combater os focos de dengue. A maioria aponta atividades ao longo de todo ano como fundamentais.

O índice de Breteau, utilizado para medir o nível de infestação larvária, segue dentro dos parâmetros de segurança em praticamente todos os municípios durante todo este ano - Diadema foi a exceção, com um 1,5 ponto acima do aceitável em fevereiro, embora tenha retornado para zero em outubro, na última aferição.

Fora Ribeirão Pires, que registrou apenas um caso em 2008, Mauá é a cidade que apresenta a menor relação entre número de habitantes por infectados pelo mosquito: um caso a cada 80.529 moradores. Na outra ponta está São Caetano, com um caso para cada 16.095 habitantes. Santo André tem 20.239 para cada caso e São Bernardo, 26.046.

Maior inimigo de quem combate a dengue, o mosquito Aedes aegypti (odioso do Egito, em latim) prolifera entre 24°C e 28°C. Depois do surgimento, a expectativa é de que vivam entre 30 e 40 dias.

Apenas as fêmeas transmitem a dengue, pois são as únicas que picam em busca de sangue - os machos preferem vegetais. O ataque se dá invariavelmente durante o dia, o que torna o mosquito diferente do pernilongo, que atua também durante a noite.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;