Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar tem alta forte com aversão ao risco global

Marcello Casal JR/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


14/08/2019 | 09:48


Aversão ao risco volta a prevalecer no exterior e o investidor busca proteção em moedas fortes, como iene, franco suíço e o dólar em detrimento das Bolsas, que ampliaram perdas na Europa e em Nova York há pouco. No mercado local, a moeda americana já abriu com alta firme e cotado a R$ 4,00 no contrato futuro de setembro, após as quedas de ontem.

O ajuste de alta está alinhado ao desempenho positivo do dólar frente outras divisas emergentes ligadas a commodities, após a desaceleração maior que a esperada da atividade econômica na China, Alemanha e zona do euro como um todo. A inversão da curva de juros americana e no Reino Unido, que sinaliza recessão, adiciona tensão.

No Brasil, a perspectiva de votação em segundo turno da reforma da Previdência apenas no começo de outubro pode ser minimizada nas mesas de operação, uma vez que a aprovação do texto é dada como certa pelos agentes do mercado financeiro. Hoje, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado reúne-se para analisar requerimento de audiências públicas sobre a reforma da Previdência.

A tendência é de os operadores ressaltarem a aprovação, ontem à noite, do texto-base da Medida Provisória da Liberdade Econômica por 345 votos a favor e 76 contra. Os destaques, mudanças no texto que poderão ser apresentadas por deputados, serão votados hoje.

No radar ficam ainda os dados do fluxo cambial do mês de julho, com a posição dos bancos no mês, posição das reservas e o Índice de Commodities (IC-Br), às 14h30.

Ontem, a notícia de que a Casa Branca vai adiar o início da cobrança de tarifas sobre determinados produtos chineses para dezembro trouxe alívio ao dólar, que caiu da máxima de R$ 4,01 para R$ 3,94 na mínima. No fechamento, o dólar à vista exibia queda de 0,39%, a R$ 3,9678.

No mercado à vista, às 9h21, o dólar subia 0,73%, aos R$ 3,9972. O dólar futuro para setembro avançava 0,88%, aos R$ 4,0025.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar tem alta forte com aversão ao risco global


14/08/2019 | 09:48


Aversão ao risco volta a prevalecer no exterior e o investidor busca proteção em moedas fortes, como iene, franco suíço e o dólar em detrimento das Bolsas, que ampliaram perdas na Europa e em Nova York há pouco. No mercado local, a moeda americana já abriu com alta firme e cotado a R$ 4,00 no contrato futuro de setembro, após as quedas de ontem.

O ajuste de alta está alinhado ao desempenho positivo do dólar frente outras divisas emergentes ligadas a commodities, após a desaceleração maior que a esperada da atividade econômica na China, Alemanha e zona do euro como um todo. A inversão da curva de juros americana e no Reino Unido, que sinaliza recessão, adiciona tensão.

No Brasil, a perspectiva de votação em segundo turno da reforma da Previdência apenas no começo de outubro pode ser minimizada nas mesas de operação, uma vez que a aprovação do texto é dada como certa pelos agentes do mercado financeiro. Hoje, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado reúne-se para analisar requerimento de audiências públicas sobre a reforma da Previdência.

A tendência é de os operadores ressaltarem a aprovação, ontem à noite, do texto-base da Medida Provisória da Liberdade Econômica por 345 votos a favor e 76 contra. Os destaques, mudanças no texto que poderão ser apresentadas por deputados, serão votados hoje.

No radar ficam ainda os dados do fluxo cambial do mês de julho, com a posição dos bancos no mês, posição das reservas e o Índice de Commodities (IC-Br), às 14h30.

Ontem, a notícia de que a Casa Branca vai adiar o início da cobrança de tarifas sobre determinados produtos chineses para dezembro trouxe alívio ao dólar, que caiu da máxima de R$ 4,01 para R$ 3,94 na mínima. No fechamento, o dólar à vista exibia queda de 0,39%, a R$ 3,9678.

No mercado à vista, às 9h21, o dólar subia 0,73%, aos R$ 3,9972. O dólar futuro para setembro avançava 0,88%, aos R$ 4,0025.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;