Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Guaidó afirma que Maduro pretende dissolver Parlamento da Venezuela nesta segunda

EBC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


12/08/2019 | 08:29


O líder opositor e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, afirmou no domingo que Nicolás Maduro pretende dissolver o Legislativo nesta segunda-feira, 12.

"No dia de amanhã (segunda), eles (o chavismo) pretendem dissolver o Parlamento, convocar ilegalmente eleições parlamentares e, inclusive, perseguir maciçamente deputados", disse Guaidó em um vídeo divulgado nas redes sociais.

O opositor afirmou que a Assembleia Nacional Constituinte, integrada apenas por governistas e não reconhecida por vários países, convocou para esta segunda, de forma "quase irregular", uma sessão extraordinária para aprovar a medida. "É a nova loucura da ditadura", afirmou Guaidó no vídeo.

O líder da oposição disse que já entrou em contato com outros governos que o apoiam, entre eles o dos Estados Unidos, e preparará uma "ofensiva política" contra Maduro.

Além disso, Guaidó ressaltou que qualquer tentativa de perseguição aos líderes da oposição não diminuirá a pressão sobre Maduro, que os críticos do chavismo querem tirar do poder para implementar um governo de transição e convocar eleições livres.

No vídeo, Guaidó também criticou a tentativa do chavismo de convencer a população que o bloqueio sobre os bens estatais da Venezuela sob jurisdição dos EUA, anunciado na semana passada por Donald Trump, é o motivo da crise econômica enfrentada pelo país. "Isso é uma sanção contra Maduro por corrupção", ressaltou o opositor.

O líder chavista alertou que punirá com severidade os "traidores" que apoiarem as novas sanções econômicas dos EUA contra a Venezuela. A advertência foi reforçada pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), controlado pelo chavismo, que reiterou as ameaças feitas pelo presidente

No sábado, em um protesto contra o bloqueio imposto por Trump, Maduro qualificou Guaidó de "verme desprezível" e "traidor da pátria".

A Assembleia Nacional, cujas decisões são consideradas nulas pela Justiça depois de declará-la "em desacato", foi eleita em 2015 e seu mandato termina em 2021. (Com agências internacionais)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Guaidó afirma que Maduro pretende dissolver Parlamento da Venezuela nesta segunda


12/08/2019 | 08:29


O líder opositor e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, afirmou no domingo que Nicolás Maduro pretende dissolver o Legislativo nesta segunda-feira, 12.

"No dia de amanhã (segunda), eles (o chavismo) pretendem dissolver o Parlamento, convocar ilegalmente eleições parlamentares e, inclusive, perseguir maciçamente deputados", disse Guaidó em um vídeo divulgado nas redes sociais.

O opositor afirmou que a Assembleia Nacional Constituinte, integrada apenas por governistas e não reconhecida por vários países, convocou para esta segunda, de forma "quase irregular", uma sessão extraordinária para aprovar a medida. "É a nova loucura da ditadura", afirmou Guaidó no vídeo.

O líder da oposição disse que já entrou em contato com outros governos que o apoiam, entre eles o dos Estados Unidos, e preparará uma "ofensiva política" contra Maduro.

Além disso, Guaidó ressaltou que qualquer tentativa de perseguição aos líderes da oposição não diminuirá a pressão sobre Maduro, que os críticos do chavismo querem tirar do poder para implementar um governo de transição e convocar eleições livres.

No vídeo, Guaidó também criticou a tentativa do chavismo de convencer a população que o bloqueio sobre os bens estatais da Venezuela sob jurisdição dos EUA, anunciado na semana passada por Donald Trump, é o motivo da crise econômica enfrentada pelo país. "Isso é uma sanção contra Maduro por corrupção", ressaltou o opositor.

O líder chavista alertou que punirá com severidade os "traidores" que apoiarem as novas sanções econômicas dos EUA contra a Venezuela. A advertência foi reforçada pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), controlado pelo chavismo, que reiterou as ameaças feitas pelo presidente

No sábado, em um protesto contra o bloqueio imposto por Trump, Maduro qualificou Guaidó de "verme desprezível" e "traidor da pátria".

A Assembleia Nacional, cujas decisões são consideradas nulas pela Justiça depois de declará-la "em desacato", foi eleita em 2015 e seu mandato termina em 2021. (Com agências internacionais)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;