Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Aidan Gillen caça óvnis em 'Projeto Livro Azul'

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


11/08/2019 | 09:40


A possibilidade de vida extraterrestre fascina o ser humano há muito tempo, mas teve seu pico a partir dos anos 1950. A série Projeto Livro Azul, que tem produção executiva de Robert Zemeckis e acaba de estrear no History Channel, com exibição neste domingo, às 19h50, baseia-se no projeto de mesmo nome da Força Aérea americana, criado em 1952, para investigar os relatos de óvnis durante a Guerra Fria. "Depois do caso das fotos de Roswell, houve um aumento no interesse e, claro, muitos casos falsos. Mas certamente houve algumas aparições que são bem reais", disse o ator Neal McDonoguh, que interpreta o General Harding.

Aidan Gillen (que fez o Mindinho em Game of Thrones) é o astrofísico J. Allen Hynek, encarregado de encontrar explicações para os fenômenos para evitar pânico. "O objetivo do Projeto Livro Azul tornou-se achar uma razão terrena para o que as pessoas viam no céu", disse o roteirista e produtor executivo Sean Jablonski. Para Gillen, na época, os discos voadores entraram no imaginário pop e, sempre que um novo filme sobre o assunto sai, o interesse aumenta. "Eu sou da geração de Contatos Imediatos do Terceiro Grau, então todo o mundo estava olhando para o céu procurando alguma coisa", disse o ator. "E aí você sempre vai achar algo. Alguns fenômenos são explicáveis; outros, não. E o Projeto Livro Azul mostrou que existe uma porcentagem impossível de explicar. Se apenas um daqueles 12 mil casos investigados não puder ser explicado de nenhum jeito, isso mudaria o que pensamos sobre tudo."

Os produtores e o elenco não acham que o assunto morreu. "As pessoas ainda relatam que veem óvnis", disse Sean Jablonski. "O governo chileno tornou disponíveis alguns vídeos depois de militares e cientistas estudarem um objeto lançando uma espécie de névoa que eles não conseguiam justificar."

O Pentágono tinha um programa semelhante ao Projeto Livro Azul durante o governo de Barack Obama e revelou imagens de pilotos de caças F-18 que observaram fenômenos estranhos, "coisas que não eram deste mundo", disse o criador da série David OLeary. Outro exemplo foram luzes sobre Phoenix, Arizona, vistas por 10 mil pessoas, incluindo o governador do Estado. "O mistério dos óvnis dos anos 1950 é o mistério dos óvnis de hoje. Nem tudo tem resposta. Será que tem gente que sabe mais do que está revelando? Eu acho o assunto relevante, não importa a época", disse OLeary.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Aidan Gillen caça óvnis em 'Projeto Livro Azul'


11/08/2019 | 09:40


A possibilidade de vida extraterrestre fascina o ser humano há muito tempo, mas teve seu pico a partir dos anos 1950. A série Projeto Livro Azul, que tem produção executiva de Robert Zemeckis e acaba de estrear no History Channel, com exibição neste domingo, às 19h50, baseia-se no projeto de mesmo nome da Força Aérea americana, criado em 1952, para investigar os relatos de óvnis durante a Guerra Fria. "Depois do caso das fotos de Roswell, houve um aumento no interesse e, claro, muitos casos falsos. Mas certamente houve algumas aparições que são bem reais", disse o ator Neal McDonoguh, que interpreta o General Harding.

Aidan Gillen (que fez o Mindinho em Game of Thrones) é o astrofísico J. Allen Hynek, encarregado de encontrar explicações para os fenômenos para evitar pânico. "O objetivo do Projeto Livro Azul tornou-se achar uma razão terrena para o que as pessoas viam no céu", disse o roteirista e produtor executivo Sean Jablonski. Para Gillen, na época, os discos voadores entraram no imaginário pop e, sempre que um novo filme sobre o assunto sai, o interesse aumenta. "Eu sou da geração de Contatos Imediatos do Terceiro Grau, então todo o mundo estava olhando para o céu procurando alguma coisa", disse o ator. "E aí você sempre vai achar algo. Alguns fenômenos são explicáveis; outros, não. E o Projeto Livro Azul mostrou que existe uma porcentagem impossível de explicar. Se apenas um daqueles 12 mil casos investigados não puder ser explicado de nenhum jeito, isso mudaria o que pensamos sobre tudo."

Os produtores e o elenco não acham que o assunto morreu. "As pessoas ainda relatam que veem óvnis", disse Sean Jablonski. "O governo chileno tornou disponíveis alguns vídeos depois de militares e cientistas estudarem um objeto lançando uma espécie de névoa que eles não conseguiam justificar."

O Pentágono tinha um programa semelhante ao Projeto Livro Azul durante o governo de Barack Obama e revelou imagens de pilotos de caças F-18 que observaram fenômenos estranhos, "coisas que não eram deste mundo", disse o criador da série David OLeary. Outro exemplo foram luzes sobre Phoenix, Arizona, vistas por 10 mil pessoas, incluindo o governador do Estado. "O mistério dos óvnis dos anos 1950 é o mistério dos óvnis de hoje. Nem tudo tem resposta. Será que tem gente que sabe mais do que está revelando? Eu acho o assunto relevante, não importa a época", disse OLeary.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;