Fechar
Publicidade

Sábado, 21 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mesmo com mais alunos, FSA volta a atrasar salários

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Abono de férias, que deveria ter sido pago em julho, ainda não foi repassado aos trabalhadores


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

09/08/2019 | 07:00


 Quem caminha pelos corredores da FSA (Fundação Santo André), uma das mais importantes instituições de ensino superior da região, ainda encontra cenário bastante diferente do observado nos anos 2000, quando chegou a ter 12 mil alunos. Embora haja sinal de recuperação da crise instalada no centro educacional desde 2015 – foram contabilizadas 400 novas matrículas para o segundo semestre e há 3.200 alunos registrados, 200 a mais do que em fevereiro – ainda não é suficiente para honrar os pagamentos aos professores. O abono de férias, que deveria ter sido pago aos docentes antes do recesso de julho, não foi quitado.

A FSA ainda vive reflexos da gestão Francisco José Santos Milreu, desligado do cargo em maio após assumir que ingressou na instituição de ensino sem passar por concurso público, o que é proibido por lei. Alvo de inquérito no MP (Ministério Público) e CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na Câmara Municipal de Santo André, Milreu chegou a assumir ao Diário, em março de 2018, a irregularidade. Desde então, série de sindicâncias internas culminou na demissão de pelo menos 70 trabalhadores, a maioria deles docentes.

Segundo o Sinpro-ABC (Sindicato dos Professores do Grande ABC), a situação não melhorou muito desde que Milreu deixou o cargo e foi substituído pelo então vice-reitor Rodrigo Cutri. Alguns meses antes da saída do ex-reitor, o estatuto da FSA foi alterado e, por isso, o vice-reitor assumiu o cargo. Na versão anterior, ele teria que convocar novas eleições em prazo de 90 dias. A Promotoria de Fundações do MP ainda não validou o novo estatuto. “Esse atraso no abono, já que os professores deveriam ter recebido em julho, mostra que não houve evolução. Pelo contrário. Sem salários a situação fica pior”, declarou o presidente do Sinpro, José Maggio.

Em nota assinada pelo próprio reitor Rodrigo Cutri a FSA relatou que “devido à necessidade de realização de um acordo no âmbito trabalhista, situação inesperada e que não estava prevista, houve um desequilíbrio momentâneo do fluxo de caixa da instituição, cujas ações para normalizá-lo têm sido realizadas por parte da reitoria”. O gestor destacou ainda que os salários de todo o corpo colaborador têm sido regularmente pagos, o que “demonstra o contínuo reequilíbrio das contas, decorrente de diversas ações de contingenciamento adotadas pela FSA”. O documento lembrou ainda da crise econômica vivenciada pelo País, o que, segundo Cutri, “acarreta em dificuldades ao mercado como um todo”. Não foi informada previsão de pagamento dos abonos atrasados.

Estudantes estão otimistas com mudanças na reitoria e gestão

O ainda pequeno aumento no número de alunos da FSA (Fundação Santo André) tem sido um motivador no ânimo dos estudantes. Quem já está há algum tempo na instituição acredita que o pior período já tenha passado, após a saída de professores – desligados por não comprovarem terem sido aprovados em concurso público – e o fato de terem ficado sem os docentes de algumas matérias. “Esse foi realmente um problema, mas agora já está resolvido”, afirmou aluno do curso de sistemas de informação.

Estudante do primeiro ano de história relatou que sabia da situação da instituição, mas que não tem se decepcionado com o curso. “Tem sido muito bom. Tivemos, no começo, falta de um professor de cultura afrobrasileira e africana, mas foi uma situação bastante pontual”, afirmou. “Já na administração fiquei decepcionada, porque minha primeira opção de curso era ciências sociais e só no primeiro dia de aula me informaram que não havia sido formada a turma e eu tive de me transferir para história”, relembrou.

Integrante do DA (Diretório Acadêmico) Honestino Guimarães, da Fafil (Faculdade de Filosofia e Letras), aluno de geografia afirmou que antes das férias houve reunião com a reitoria, que se mostrou favorável à organização estudantil. “No entanto, eles mudaram o estatuto e tiraram todo o poder de decisão e participação dos alunos, então isso é pouco confiável”, pontuou. O DA questionou o MP sobre as mudanças no estatuto, mas ainda não houve manifestação. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mesmo com mais alunos, FSA volta a atrasar salários

Abono de férias, que deveria ter sido pago em julho, ainda não foi repassado aos trabalhadores

Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

09/08/2019 | 07:00


 Quem caminha pelos corredores da FSA (Fundação Santo André), uma das mais importantes instituições de ensino superior da região, ainda encontra cenário bastante diferente do observado nos anos 2000, quando chegou a ter 12 mil alunos. Embora haja sinal de recuperação da crise instalada no centro educacional desde 2015 – foram contabilizadas 400 novas matrículas para o segundo semestre e há 3.200 alunos registrados, 200 a mais do que em fevereiro – ainda não é suficiente para honrar os pagamentos aos professores. O abono de férias, que deveria ter sido pago aos docentes antes do recesso de julho, não foi quitado.

A FSA ainda vive reflexos da gestão Francisco José Santos Milreu, desligado do cargo em maio após assumir que ingressou na instituição de ensino sem passar por concurso público, o que é proibido por lei. Alvo de inquérito no MP (Ministério Público) e CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na Câmara Municipal de Santo André, Milreu chegou a assumir ao Diário, em março de 2018, a irregularidade. Desde então, série de sindicâncias internas culminou na demissão de pelo menos 70 trabalhadores, a maioria deles docentes.

Segundo o Sinpro-ABC (Sindicato dos Professores do Grande ABC), a situação não melhorou muito desde que Milreu deixou o cargo e foi substituído pelo então vice-reitor Rodrigo Cutri. Alguns meses antes da saída do ex-reitor, o estatuto da FSA foi alterado e, por isso, o vice-reitor assumiu o cargo. Na versão anterior, ele teria que convocar novas eleições em prazo de 90 dias. A Promotoria de Fundações do MP ainda não validou o novo estatuto. “Esse atraso no abono, já que os professores deveriam ter recebido em julho, mostra que não houve evolução. Pelo contrário. Sem salários a situação fica pior”, declarou o presidente do Sinpro, José Maggio.

Em nota assinada pelo próprio reitor Rodrigo Cutri a FSA relatou que “devido à necessidade de realização de um acordo no âmbito trabalhista, situação inesperada e que não estava prevista, houve um desequilíbrio momentâneo do fluxo de caixa da instituição, cujas ações para normalizá-lo têm sido realizadas por parte da reitoria”. O gestor destacou ainda que os salários de todo o corpo colaborador têm sido regularmente pagos, o que “demonstra o contínuo reequilíbrio das contas, decorrente de diversas ações de contingenciamento adotadas pela FSA”. O documento lembrou ainda da crise econômica vivenciada pelo País, o que, segundo Cutri, “acarreta em dificuldades ao mercado como um todo”. Não foi informada previsão de pagamento dos abonos atrasados.

Estudantes estão otimistas com mudanças na reitoria e gestão

O ainda pequeno aumento no número de alunos da FSA (Fundação Santo André) tem sido um motivador no ânimo dos estudantes. Quem já está há algum tempo na instituição acredita que o pior período já tenha passado, após a saída de professores – desligados por não comprovarem terem sido aprovados em concurso público – e o fato de terem ficado sem os docentes de algumas matérias. “Esse foi realmente um problema, mas agora já está resolvido”, afirmou aluno do curso de sistemas de informação.

Estudante do primeiro ano de história relatou que sabia da situação da instituição, mas que não tem se decepcionado com o curso. “Tem sido muito bom. Tivemos, no começo, falta de um professor de cultura afrobrasileira e africana, mas foi uma situação bastante pontual”, afirmou. “Já na administração fiquei decepcionada, porque minha primeira opção de curso era ciências sociais e só no primeiro dia de aula me informaram que não havia sido formada a turma e eu tive de me transferir para história”, relembrou.

Integrante do DA (Diretório Acadêmico) Honestino Guimarães, da Fafil (Faculdade de Filosofia e Letras), aluno de geografia afirmou que antes das férias houve reunião com a reitoria, que se mostrou favorável à organização estudantil. “No entanto, eles mudaram o estatuto e tiraram todo o poder de decisão e participação dos alunos, então isso é pouco confiável”, pontuou. O DA questionou o MP sobre as mudanças no estatuto, mas ainda não houve manifestação. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;