Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Calderano traz mais um ouro para São Caetano; andreense é prata

Abelardo Mendes Jr/ rededoesporte.gov.br Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mesa-tenista é bicampeão no individual do Pan; Paulo André, no atletismo, foi vice nos 100 m


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

08/08/2019 | 07:00


O mesa-tenista Hugo Calderano, de São Caetano, conquistou ontem o bicampeonato pan-americano ao vencer o dominicano Jianji Wu na final individual masculina por 4 a 3, em Lima, no Peru. Em duelo bastante duro, o brasileiro conseguiu ter mais força e controle emocional no fim, para fechar o confronto. De quebra, ainda conquistou a vaga olímpica para Tóquio-2020. As parciais mostram que o equilíbrio imperou até que Calderano conseguisse se sobressair: 11/8, 6/11, 8/11, 11/7, 8/11, 11/8 e 11/2, em 57 minutos. Foi o segundo título do atleta neste Pan. Anteontem, ele também foi ao lugar mais alto do pódio nas duplas masculinas.

Mais cedo, a são-bernardense Bruna Takahashi, também da equipe são-caetanense, ficou com o bronze no individual feminino após perder na semifinal para a porto-riquenha Adriana Diaz, por 4 a 0. Ela já havia garantido outro bronze, nas duplas femininas (junto de Jessica Yamada), e uma prata, nas duplas mistas (com Gustavo Tsuboi).

Já no atletismo, o andreense Paulo André conquistou a medalha de prata nos 100 metros rasos. Com o tempo de 10s16, o brasileiro só ficou atrás do norte-americano Michael Rodgers (10s09), e não conseguiu superar a barreira histórica dos dez segundos. O recorde de Robson Caetano (entre atletas do Brasil) já tem mais de 30 anos e o velocista tem se aproximado.

Já na prova feminina, a brasileira Vitória Rosa, ex-atleta de São Caetano, acabou na terceira posição com o tempo de 11s30, ficando com o bronze. A campeã foi Elaine Thompson, que marcou 11s18.

No arremesso de peso, Darlan Romani, com os seis melhores lançamentos, ficou com o ouro, com a marca de 22,07m (recorde Pan-Americano), mais de um metro de vantagem sobre o norte-americano Jordan Geist.

No ciclismo, Magno Nazaret conquistou a medalha de prata na prova do contrarrelógio com o tempo de 46min17s44, 1min54s atrás do colombiano Daniel Martinez Poveda, primeiro colocado. O chileno José Rodriguez Aguilar completou o pódio. Foi a quarta medalha da modalidade neste Pan. No MTB, Henrique Avancini ficou com a prata e Jaqueline Mourão, o bronze; na pista, a equipe masculina ficou com o bronze na prova de velocidade.

Por fim, a natação trouxe mais pódios. Nos 200 metros livres masculino, Fernando Scheffer foi ouro e Breno Correia ficou com a prata. Já na prova feminina, Larissa Martins fechou com o bronze, mesmos resultados de Vinicius Lanza, nos 100 m borboleta, e Léo de Deus, nos 200 m costas. No encerramento do dia, o revezamento 4x100 m livre misto brasileiro faturou a prata.

Os resultados de ontem consolidaram o Brasil na segunda colocação do quadro de medalhas, com 102 no total, sendo 31 ouros, 26 pratas e 45 bronzes. Deste total, o Grande ABC somou até aqui cinco douradas, cinco prateadas e três bronzeadas. Se fosse um país, estaria na 11ª colocação geral.

Brasil é ouro no salto por equipes do hipismo e fatura vaga olímpica

A equipe brasileira de salto do hipismo brilhou ontem nos Jogos Pan-Americanos de Lima. O quarteto composto por Marlon Modolo Zanotelli, Eduardo Menezes, Rodrigo Lambre e Pedro Veniss faturou a medalha de ouro, o que também garantiu ao País a classificação à Olimpíada de Tóquio, em 2020.

O título pan-americano foi assegurado na segunda e decisiva rodada de disputas, quando o Brasil perdeu apenas 12,39 pontos. Assim, assegurou a conquista com boa vantagem para os Estados Unidos, com 23,09 pontos perdidos. O México, com 23,87, completou o pódio.

O Pan distribuía vagas olímpicas aos três primeiros colocados da disputa por equipes do salto nos Jogos de Tóquio, em 2020. Mas como os Estados Unidos já estavam assegurados por causa do título mundial, o quarto colocado Canadá também se classificou.

O hipismo brasileiro já havia faturado outras três medalhas no Pan. A equipe do adestramento foi bronze, enquanto o time do CCE levou a prata. E Carlos Parro ficou na segunda posição no evento individual do CCE. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Calderano traz mais um ouro para São Caetano; andreense é prata

Mesa-tenista é bicampeão no individual do Pan; Paulo André, no atletismo, foi vice nos 100 m

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

08/08/2019 | 07:00


O mesa-tenista Hugo Calderano, de São Caetano, conquistou ontem o bicampeonato pan-americano ao vencer o dominicano Jianji Wu na final individual masculina por 4 a 3, em Lima, no Peru. Em duelo bastante duro, o brasileiro conseguiu ter mais força e controle emocional no fim, para fechar o confronto. De quebra, ainda conquistou a vaga olímpica para Tóquio-2020. As parciais mostram que o equilíbrio imperou até que Calderano conseguisse se sobressair: 11/8, 6/11, 8/11, 11/7, 8/11, 11/8 e 11/2, em 57 minutos. Foi o segundo título do atleta neste Pan. Anteontem, ele também foi ao lugar mais alto do pódio nas duplas masculinas.

Mais cedo, a são-bernardense Bruna Takahashi, também da equipe são-caetanense, ficou com o bronze no individual feminino após perder na semifinal para a porto-riquenha Adriana Diaz, por 4 a 0. Ela já havia garantido outro bronze, nas duplas femininas (junto de Jessica Yamada), e uma prata, nas duplas mistas (com Gustavo Tsuboi).

Já no atletismo, o andreense Paulo André conquistou a medalha de prata nos 100 metros rasos. Com o tempo de 10s16, o brasileiro só ficou atrás do norte-americano Michael Rodgers (10s09), e não conseguiu superar a barreira histórica dos dez segundos. O recorde de Robson Caetano (entre atletas do Brasil) já tem mais de 30 anos e o velocista tem se aproximado.

Já na prova feminina, a brasileira Vitória Rosa, ex-atleta de São Caetano, acabou na terceira posição com o tempo de 11s30, ficando com o bronze. A campeã foi Elaine Thompson, que marcou 11s18.

No arremesso de peso, Darlan Romani, com os seis melhores lançamentos, ficou com o ouro, com a marca de 22,07m (recorde Pan-Americano), mais de um metro de vantagem sobre o norte-americano Jordan Geist.

No ciclismo, Magno Nazaret conquistou a medalha de prata na prova do contrarrelógio com o tempo de 46min17s44, 1min54s atrás do colombiano Daniel Martinez Poveda, primeiro colocado. O chileno José Rodriguez Aguilar completou o pódio. Foi a quarta medalha da modalidade neste Pan. No MTB, Henrique Avancini ficou com a prata e Jaqueline Mourão, o bronze; na pista, a equipe masculina ficou com o bronze na prova de velocidade.

Por fim, a natação trouxe mais pódios. Nos 200 metros livres masculino, Fernando Scheffer foi ouro e Breno Correia ficou com a prata. Já na prova feminina, Larissa Martins fechou com o bronze, mesmos resultados de Vinicius Lanza, nos 100 m borboleta, e Léo de Deus, nos 200 m costas. No encerramento do dia, o revezamento 4x100 m livre misto brasileiro faturou a prata.

Os resultados de ontem consolidaram o Brasil na segunda colocação do quadro de medalhas, com 102 no total, sendo 31 ouros, 26 pratas e 45 bronzes. Deste total, o Grande ABC somou até aqui cinco douradas, cinco prateadas e três bronzeadas. Se fosse um país, estaria na 11ª colocação geral.

Brasil é ouro no salto por equipes do hipismo e fatura vaga olímpica

A equipe brasileira de salto do hipismo brilhou ontem nos Jogos Pan-Americanos de Lima. O quarteto composto por Marlon Modolo Zanotelli, Eduardo Menezes, Rodrigo Lambre e Pedro Veniss faturou a medalha de ouro, o que também garantiu ao País a classificação à Olimpíada de Tóquio, em 2020.

O título pan-americano foi assegurado na segunda e decisiva rodada de disputas, quando o Brasil perdeu apenas 12,39 pontos. Assim, assegurou a conquista com boa vantagem para os Estados Unidos, com 23,09 pontos perdidos. O México, com 23,87, completou o pódio.

O Pan distribuía vagas olímpicas aos três primeiros colocados da disputa por equipes do salto nos Jogos de Tóquio, em 2020. Mas como os Estados Unidos já estavam assegurados por causa do título mundial, o quarto colocado Canadá também se classificou.

O hipismo brasileiro já havia faturado outras três medalhas no Pan. A equipe do adestramento foi bronze, enquanto o time do CCE levou a prata. E Carlos Parro ficou na segunda posição no evento individual do CCE. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;