Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Quatro presos de Altamira são mortos durante transferência no Pará

Bruno Cecin/ag.Para Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Causa da morte foi por sufocamento dentro do caminhão-cela; ao todo 30 homens estavam no veículo



31/07/2019 | 11:39


Quatro presos que estariam envolvidos no massacre do Centro de Recuperação Regional de Altamira, no sudoeste do Pará, foram mortos por sufocamento dentro do caminhão-cela durante a transferência para unidades de Belém. Com os assassinatos, o número de vítimas no ataque chega a 62 - a maior chacina relacionada a presídios do País neste ano.

Ao todo, 30 presos estavam no veículo e todos haviam sido removidos de Altamira por suposta participação no ataque da facção local Comando Classe A (CCA) contra integrantes do rival Comando Vermelho (CV).

Em nota, o governo do Pará afirma que apura as circunstâncias das mortes. "Eram da mesma facção e viviam juntos nas mesmas celas. Foram comparsas no confronto entre facções", diz o comunicado do governo Helder Barbalho (MDB).

As mortes aconteceram no caminho entre as cidades de Novo Repartimento e Marabá, em horário estipulado entre 19h de terça-feira, 30, e 1h desta quarta-feira, 31.

"Durante o transporte, estavam algemados, divididos em quatro celas. A capacidade das celas era para até 40 presos, e 30 eram transportados. O Estado não possui caminhão com celas individuais", afirma a nota.

Segundo a versão do governo, os responsáveis pela segurança não teriam percebido a ação. "Ao chegar a Marabá, os agentes encontraram quatro presos mortos por sufocamento em duas celas", alega.

"Todos os 26 presos remanescentes serão colocados em isolamento. As razões deste fato lamentável estão sendo investigadas."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Quatro presos de Altamira são mortos durante transferência no Pará

Causa da morte foi por sufocamento dentro do caminhão-cela; ao todo 30 homens estavam no veículo


31/07/2019 | 11:39


Quatro presos que estariam envolvidos no massacre do Centro de Recuperação Regional de Altamira, no sudoeste do Pará, foram mortos por sufocamento dentro do caminhão-cela durante a transferência para unidades de Belém. Com os assassinatos, o número de vítimas no ataque chega a 62 - a maior chacina relacionada a presídios do País neste ano.

Ao todo, 30 presos estavam no veículo e todos haviam sido removidos de Altamira por suposta participação no ataque da facção local Comando Classe A (CCA) contra integrantes do rival Comando Vermelho (CV).

Em nota, o governo do Pará afirma que apura as circunstâncias das mortes. "Eram da mesma facção e viviam juntos nas mesmas celas. Foram comparsas no confronto entre facções", diz o comunicado do governo Helder Barbalho (MDB).

As mortes aconteceram no caminho entre as cidades de Novo Repartimento e Marabá, em horário estipulado entre 19h de terça-feira, 30, e 1h desta quarta-feira, 31.

"Durante o transporte, estavam algemados, divididos em quatro celas. A capacidade das celas era para até 40 presos, e 30 eram transportados. O Estado não possui caminhão com celas individuais", afirma a nota.

Segundo a versão do governo, os responsáveis pela segurança não teriam percebido a ação. "Ao chegar a Marabá, os agentes encontraram quatro presos mortos por sufocamento em duas celas", alega.

"Todos os 26 presos remanescentes serão colocados em isolamento. As razões deste fato lamentável estão sendo investigadas."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;