Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 18 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Procuradoria abre investigação sobre morte de cacique no Amapá



30/07/2019 | 21:03


A Câmara de Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais, braço do Ministério Público Federal, por meio de seus procuradores da República no Amapá, instaurou investigação para apurar a morte do indígena Emyra Wajãpi e a invasão da Terra Indígena Waiãpi, "por garimpeiros armados".

A informação, divulgada pela Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria-Geral da República, consta em nota pública divulgada nesta terça-feira, 30, pela Câmara de Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais do Ministério Público Federal.

Cacique Emyra Wajãpi, de 68 anos, foi morto a facadas.

O coordenador da Câmara, subprocurador-geral da República Antônio Carlos Bigonha, ressalta que o colegiado está "atento à manutenção da integridade física da Terra Indígena Waiãpi".

No Amapá, atuam no caso os procuradores Rodolfo Lopes e Joaquim Cabral, no âmbito cível e criminal.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Procuradoria abre investigação sobre morte de cacique no Amapá


30/07/2019 | 21:03


A Câmara de Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais, braço do Ministério Público Federal, por meio de seus procuradores da República no Amapá, instaurou investigação para apurar a morte do indígena Emyra Wajãpi e a invasão da Terra Indígena Waiãpi, "por garimpeiros armados".

A informação, divulgada pela Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria-Geral da República, consta em nota pública divulgada nesta terça-feira, 30, pela Câmara de Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais do Ministério Público Federal.

Cacique Emyra Wajãpi, de 68 anos, foi morto a facadas.

O coordenador da Câmara, subprocurador-geral da República Antônio Carlos Bigonha, ressalta que o colegiado está "atento à manutenção da integridade física da Terra Indígena Waiãpi".

No Amapá, atuam no caso os procuradores Rodolfo Lopes e Joaquim Cabral, no âmbito cível e criminal.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;