Fechar
Publicidade

Sábado, 24 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Nem mesmo alta dos mercados do exterior impede Ibovespa de cair



23/07/2019 | 11:42


Nem mesmo o bom humor nas bolsas externas dá espaço para nova valorização do Ibovespa nesta terça, 23. O índice abriu em alta, acima dos 104 mil, mas não se sustentou. Para alguns operadores, o movimento é atribuído a uma realização de lucros após os ganhos recentes. No entanto, vale ressaltar que apesar da inflação sob controle em julho, que reforçou expectativas de corte na Selic, o investidor avalia a notícia de que o governo deve limitar o saque do FGTS a R$ 500, cedendo à pressão do setor da construção civil. As ações de varejistas cedem na B3. Às 11h32, o Ibovespa caía 0,09%, aos 103.853,42 pontos.

"O setor varejista pode sofrer. Além disso, as commodities estão em queda lá fora, o que pode limitar a expectativa de valorização, apesar do exterior positivo", pondera Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença DTVM.

A expectativa de avanço nas conversas comerciais entre Estados Unidos e China, o acordo do governo norte-americano com o Congresso e a estimativa favorável com os balanços são alguns ingredientes que trazem otimismo aos investidores. O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, deve visitar Pequim na próxima semana.

No exterior também é bem vista a confirmação do ex-secretário de Assuntos Externos do Reino Unido e ex-prefeito de Londres Boris Johnson como presidente do Partido Conservador. Johnson substituirá Theresa May também como primeiro-ministro britânico, e já disse que irá entregar o Brexit. A bolsa de Londres sobe quase 1,00%, enquanto o S&P 500 avança em torno de 0,30%.

O maior desafio do novo chanceler, explica em nota o Bradesco, é justamente o de coordenar a saída do país da União Europeia, cuja data-limite é 31 de outubro. Com a vitória de Johnson, o risco maior é que esse processo ocorra sem um acordo entre as partes, uma vez que Johnson demonstra uma postura mais rígida, afirmando que o Reino Unido sairá da União Europeia "aconteça o que acontecer".

No Brasil, começou a temporada de balanços do segundo trimestre. O Santander Brasil anunciou lucro líquido gerencial, que não desconta o ágio de aquisições, de R$ 3,635 bilhões no segundo trimestre deste ano, cifra 20,16% maior que a de R$ 3,025 bilhões registradas um ano antes. Ante os três meses anteriores, cresceu 4,3%.

Além dos balanços, o limite que pode ser imposto à liberação de FGTS pelo governo também dá espaço para afetar as ações do setor financeiro, já que há dúvidas a respeito de como medidas como essas poderão beneficiar ou não os financiamentos, assim como impulsionar a economia. Há quem acredite que a liberação do FGTS nessa faixa não deve impulsionar a atividade substancialmente, fazendo com que o Produto Interno Bruto (PIB) fique aquém de alta de 1% em 2019.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Nem mesmo alta dos mercados do exterior impede Ibovespa de cair


23/07/2019 | 11:42


Nem mesmo o bom humor nas bolsas externas dá espaço para nova valorização do Ibovespa nesta terça, 23. O índice abriu em alta, acima dos 104 mil, mas não se sustentou. Para alguns operadores, o movimento é atribuído a uma realização de lucros após os ganhos recentes. No entanto, vale ressaltar que apesar da inflação sob controle em julho, que reforçou expectativas de corte na Selic, o investidor avalia a notícia de que o governo deve limitar o saque do FGTS a R$ 500, cedendo à pressão do setor da construção civil. As ações de varejistas cedem na B3. Às 11h32, o Ibovespa caía 0,09%, aos 103.853,42 pontos.

"O setor varejista pode sofrer. Além disso, as commodities estão em queda lá fora, o que pode limitar a expectativa de valorização, apesar do exterior positivo", pondera Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença DTVM.

A expectativa de avanço nas conversas comerciais entre Estados Unidos e China, o acordo do governo norte-americano com o Congresso e a estimativa favorável com os balanços são alguns ingredientes que trazem otimismo aos investidores. O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, deve visitar Pequim na próxima semana.

No exterior também é bem vista a confirmação do ex-secretário de Assuntos Externos do Reino Unido e ex-prefeito de Londres Boris Johnson como presidente do Partido Conservador. Johnson substituirá Theresa May também como primeiro-ministro britânico, e já disse que irá entregar o Brexit. A bolsa de Londres sobe quase 1,00%, enquanto o S&P 500 avança em torno de 0,30%.

O maior desafio do novo chanceler, explica em nota o Bradesco, é justamente o de coordenar a saída do país da União Europeia, cuja data-limite é 31 de outubro. Com a vitória de Johnson, o risco maior é que esse processo ocorra sem um acordo entre as partes, uma vez que Johnson demonstra uma postura mais rígida, afirmando que o Reino Unido sairá da União Europeia "aconteça o que acontecer".

No Brasil, começou a temporada de balanços do segundo trimestre. O Santander Brasil anunciou lucro líquido gerencial, que não desconta o ágio de aquisições, de R$ 3,635 bilhões no segundo trimestre deste ano, cifra 20,16% maior que a de R$ 3,025 bilhões registradas um ano antes. Ante os três meses anteriores, cresceu 4,3%.

Além dos balanços, o limite que pode ser imposto à liberação de FGTS pelo governo também dá espaço para afetar as ações do setor financeiro, já que há dúvidas a respeito de como medidas como essas poderão beneficiar ou não os financiamentos, assim como impulsionar a economia. Há quem acredite que a liberação do FGTS nessa faixa não deve impulsionar a atividade substancialmente, fazendo com que o Produto Interno Bruto (PIB) fique aquém de alta de 1% em 2019.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;