Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Operadoras de saúde apresentam propostas para sair do boicote


Luciana Sereno
Do Diário do Grande ABC

16/06/2004 | 22:07


Cinco operadoras de saúde que atuam na região apresentam ao Movimento Médico do Grande ABC propostas de reajuste no valor pago por consultas. O movimento vota nesta quinta em assembléia, no fim do dia, se aceita ou não os valores apresentados. Vinte e duas operadoras que atuam na região boicotam as empresas de saúde, por conta dos baixos valores repassados aos médicos. O movimento quer que as consultas passem para R$ 42.

Desde fevereiro, parte dos médicos suspendeu o atendimento às consultas agendadas, cujo pagamento é feito por meio de guias. Os primeiros planos a sofrerem a punição foram os que pagam entre R$ 8 e R$ 21 por consulta médica. Sem a aceitação da guia, os associados passaram a pagar pelas consultas e pedir reembolso ao convênio, dispositivo que nem todos os contratos prevêem.

Terça, representantes do movimento de todo o país se reuniram com líderes de todos os partidos e membros da Frente Parlamentar de Saúde, em Brasília. Três representantes da região estiveram presentes. O governo federal estipulou um prazo de 15 dias para que o problema seja solucionado. Segundo o diretor de Defesa Profissional da APM (Associação Paulista de Medicina), da regional São Bernardo, Luiz Carlos João, a decisão do governo “não muda em nada a estratégia do movimento no Grande ABC”. “O que eles querem é resolver o impasse mais rápido”, afirmou João.

Na assembléia regional nesta quinta à noite, o grupo de representantes do Grande ABC votará as propostas de cinco operadoras. Três delas (Intermedice, Interclínicas e Classes Laboriosas) apresentaram o plano de negociação nesta quarta. Nesta quinta, antes da assembléia, o Movimento Médico do Grande ABC deve receber as propostas da Unihosp e da Imasf.

“Vamos avaliar o material e definir se as empresas sairão ou não do boicote.” No encontro, o grupo também deve definir novas estratégias para evitar que parte dos profissionais furem o movimento. Para evitar constrangimento com os pacientes, algumas estratégias de adesão à paralisação postas em prática pelos médicos é o adiamento de consultas e o afastamento temporário dos consultórios. Para segunda-feira, estão programadas assembléias em todo o Estado de São Paulo.

Os outros planos que atuam na região e estão sendo boicotados pela classe médica são: Amesp, Amico, Avicena, Cigna Saúde, Golden Cross, Itálica, Life empresarial, Medial Saúde, Medicol, Royal Saúde, ABC, Seisa, Semed e Universo Saúde.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;