Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Gastronomia é destaque em três festivais do Grande ABC

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Cambuci, chocolate e iguarias de origem internacional atraíram visitantes a Santo André, São Caetano e Ribeirão Pires


Vinícius Castelli
Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

22/07/2019 | 07:06


Opções de passeio na região no fim de semana, três festivais ofereceram, além de programação cultural com shows e apresentações típicas, gastronomia diversificada. Em Paranapiacaba, vila histórica de Santo André, os pratos e bebidas feitos com cambuci, fruto típico da Mata Atlântica, foram alvo de curiosidade. Já no Festival do Chocolate, em Ribeirão Pires, os doces à base de cacau protagonizaram o evento. Em São Caetano, no 1º Festival de Inverno da Fundação das Artes, o destaque ficou por conta de iguarias internacionais.

A vila andreense registrou 37 mil visitantes no segundo dia do evento, conforme a Prefeitura. Entre os preferidos estão as bebidas à base de cambuci, como o quentão (ou quembuci ao custo de R$ 8), o licor (a partir de R$ 20) e comidas como pipoca (a partir de R$ 5) e sorvete (a partir de R$ 5).

A micropigmentadora Luciana Rangel, 32 anos, moradora de Ribeirão Pires, elogiou a diversidade. “Esta é a segunda vez que venho e tenho a impressão que tem mais opções. Experimentei uma cocada de cambuci (R$ 5), que estava muito boa.”

A expositora Maria Castro, 52, produz antepastos de cambuci – alguns deles misturando o fruto com legumes, como jiló ou quiabo – por R$ 16 cada pote. Porém, as bebidas são as mais procuradas, com destaque pata a vodca (a partir de R$ 10) e a tequila (a partir de R$ 20). “Só neste fim de semana vendi 48 garrafas de vodca.”

A operadora de monitoramento de alarme Sandra Seabra, 47, é fã do festival. Moradora de Taboão da Serra, na Região Metropolitana, ela comparece todo ano. “Está perfeito, só faltou o nevoeiro. Já tomei licor de cambuci, mas também levo vários produtos para casa, inclusive a fruta para fazer mousse.”

O segundo dia de festa também contou com shows e apresentação de bonecos de Olinda, que percorreram toda a vila ao som de canções infantis – iniciativa do Coletivo Cidadãos Artistas. O evento continua no próximo fim de semana.

 

SEGUNDO DIA. Paranapiacaba registrou público de 37 mil visitantes ontem

RIBEIRÃO PIRES
No Festival do Chocolate de Ribeirão Pires, os visitantes aproveitam para degustar alguns pratos inusitados, como o temaki e o strogonofe com chocolate. Ontem, público de 28 mil pessoas compareceu à festa.

O temaki, feito com brigadeiro, morango, castanha de caju e suspiro, sai por R$ 10. A receita é da família de Carolina Tavares, 42, que neste ano está com dois quiosques e participa do evento desde a primeira edição, em 2005. “Acredito que as pessoas procuraram mais por conta do inusitado, mas também vendemos muitos espetos (de frutas com chocolate).”

A receita do strogonofe leva castanha de caju, morango, creme de chocolate, chantily e pedaços de chocolate, segundo o chocolatier Luciano Timóteo da Silva, 38. “Só neste fim de semana vendemos cerca de 150. Foi um sucesso.”

A esteticista Bruna Zampol, 33, aprovou. “Maravilhoso. Outro ponto que eu destaco foram as apresentações musicais. As bandas foram muito legais.”

Uma das atrações de ontem foi o cantor andreense Buba, que levou repertório autoral para a festa. “O público era bastante familiar e foi muito receptivo”, disse. O show principal foi da banda Melim.

O Festival do Chocolate segue pelos próximos dois fins de semana.

  

SHOW. Cantor Buba foi atração em Ribeirão Pires 

 

STROGONOFE. Versão doce leva chocolate

SÃO CAETANO
O Parque Espaço Cerâmica Tom Jobim recebeu ontem a última etapa do 1º Festival de Inverno da Fundação das Artes de São Caetano.

Venezuelano radicado no Brasil há quatro anos, o chef Lester Silva preparou empanadas com vários tipos de recheio. E garante que são diferentes das argentinas e das chilenas. “Essas são feitas com milho”, explicou. Só ontem ele havia vendido 200 unidades.

Gabriela Victorino e Fabrício Cestari, de São Bernardo, foram conferir a música e a comida do venezuelano e aprovaram. “Comemos guacamole (iguaria feita com abacate, tomate, limão e outros temperos) e estava uma delícia”, disse a visitante. Gostaram ainda mais do festival pelo fato de poderem ter levado seu cachorro, Barthô, com eles. “A festa está maravilhosa e muito bem organizada”, disse ela.

As irmãs Tatiane e Priscila Garcia levaram cannolis (doce típico italiano) para comercializar. Por volta de 18h30 não havia mais nada. “Vendemos mais de 500 unidades ao longo do fim de semana. A gente fazia e ia repondo”, explicou Prisicila, animada.

Entre as opções musicais – foram montados dois palcos – estava o Jazz Duo, Quarteto de Trompetes São Paulo e o grupo Choronas, que apostou em temas como Delicado, de Waldir Azevedo, e Choronas, do bandolinista Aleh Ferreira.

São Caetano inclui evento no calendário oficial do próximo ano

O Festival de Inverno Fundação das Artes entrará para o calendário de festejos de São Caetano, garante o prefeito José Auricchio Júnior (PSDB). A ação se deve ao considerado sucesso da primeira edição do evento, realizada no fim de semana no Parque Espaço Cerâmica Tom Jobim. A expectativa inicial da administração era atrair 3.500 pessoas, no entanto, ao longo dos três dias de programação, cerca de 8.000 pessoas compareceram.

Também presente na festa, o secretário de Cultura da cidade, João Manoel da Costa Neto, celebrou o projeto e sua continuidade. Diretora da Fundação das Artes, Ana Paula Demambro também comemorou. “Foi melhor do que a gente esperava e o público foi bem receptivo, já perguntando sobre a continuidade”, afirmou. Segundo ela, o objetivo é dividir com as pessoas o que a Fundação desenvolve.

Sobre a próxima edição, para 2020, ela adianta que será realizado no mesmo formato do organizado neste ano, com três dias de agenda e no mesmo local. Mas há a vontade de que “se espalhe por outros pontos da cidade também”. 

SUCESSO. Primeiro dia de evento encheu o gramado



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gastronomia é destaque em três festivais do Grande ABC

Cambuci, chocolate e iguarias de origem internacional atraíram visitantes a Santo André, São Caetano e Ribeirão Pires

Vinícius Castelli
Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

22/07/2019 | 07:06


Opções de passeio na região no fim de semana, três festivais ofereceram, além de programação cultural com shows e apresentações típicas, gastronomia diversificada. Em Paranapiacaba, vila histórica de Santo André, os pratos e bebidas feitos com cambuci, fruto típico da Mata Atlântica, foram alvo de curiosidade. Já no Festival do Chocolate, em Ribeirão Pires, os doces à base de cacau protagonizaram o evento. Em São Caetano, no 1º Festival de Inverno da Fundação das Artes, o destaque ficou por conta de iguarias internacionais.

A vila andreense registrou 37 mil visitantes no segundo dia do evento, conforme a Prefeitura. Entre os preferidos estão as bebidas à base de cambuci, como o quentão (ou quembuci ao custo de R$ 8), o licor (a partir de R$ 20) e comidas como pipoca (a partir de R$ 5) e sorvete (a partir de R$ 5).

A micropigmentadora Luciana Rangel, 32 anos, moradora de Ribeirão Pires, elogiou a diversidade. “Esta é a segunda vez que venho e tenho a impressão que tem mais opções. Experimentei uma cocada de cambuci (R$ 5), que estava muito boa.”

A expositora Maria Castro, 52, produz antepastos de cambuci – alguns deles misturando o fruto com legumes, como jiló ou quiabo – por R$ 16 cada pote. Porém, as bebidas são as mais procuradas, com destaque pata a vodca (a partir de R$ 10) e a tequila (a partir de R$ 20). “Só neste fim de semana vendi 48 garrafas de vodca.”

A operadora de monitoramento de alarme Sandra Seabra, 47, é fã do festival. Moradora de Taboão da Serra, na Região Metropolitana, ela comparece todo ano. “Está perfeito, só faltou o nevoeiro. Já tomei licor de cambuci, mas também levo vários produtos para casa, inclusive a fruta para fazer mousse.”

O segundo dia de festa também contou com shows e apresentação de bonecos de Olinda, que percorreram toda a vila ao som de canções infantis – iniciativa do Coletivo Cidadãos Artistas. O evento continua no próximo fim de semana.

 

SEGUNDO DIA. Paranapiacaba registrou público de 37 mil visitantes ontem

RIBEIRÃO PIRES
No Festival do Chocolate de Ribeirão Pires, os visitantes aproveitam para degustar alguns pratos inusitados, como o temaki e o strogonofe com chocolate. Ontem, público de 28 mil pessoas compareceu à festa.

O temaki, feito com brigadeiro, morango, castanha de caju e suspiro, sai por R$ 10. A receita é da família de Carolina Tavares, 42, que neste ano está com dois quiosques e participa do evento desde a primeira edição, em 2005. “Acredito que as pessoas procuraram mais por conta do inusitado, mas também vendemos muitos espetos (de frutas com chocolate).”

A receita do strogonofe leva castanha de caju, morango, creme de chocolate, chantily e pedaços de chocolate, segundo o chocolatier Luciano Timóteo da Silva, 38. “Só neste fim de semana vendemos cerca de 150. Foi um sucesso.”

A esteticista Bruna Zampol, 33, aprovou. “Maravilhoso. Outro ponto que eu destaco foram as apresentações musicais. As bandas foram muito legais.”

Uma das atrações de ontem foi o cantor andreense Buba, que levou repertório autoral para a festa. “O público era bastante familiar e foi muito receptivo”, disse. O show principal foi da banda Melim.

O Festival do Chocolate segue pelos próximos dois fins de semana.

  

SHOW. Cantor Buba foi atração em Ribeirão Pires 

 

STROGONOFE. Versão doce leva chocolate

SÃO CAETANO
O Parque Espaço Cerâmica Tom Jobim recebeu ontem a última etapa do 1º Festival de Inverno da Fundação das Artes de São Caetano.

Venezuelano radicado no Brasil há quatro anos, o chef Lester Silva preparou empanadas com vários tipos de recheio. E garante que são diferentes das argentinas e das chilenas. “Essas são feitas com milho”, explicou. Só ontem ele havia vendido 200 unidades.

Gabriela Victorino e Fabrício Cestari, de São Bernardo, foram conferir a música e a comida do venezuelano e aprovaram. “Comemos guacamole (iguaria feita com abacate, tomate, limão e outros temperos) e estava uma delícia”, disse a visitante. Gostaram ainda mais do festival pelo fato de poderem ter levado seu cachorro, Barthô, com eles. “A festa está maravilhosa e muito bem organizada”, disse ela.

As irmãs Tatiane e Priscila Garcia levaram cannolis (doce típico italiano) para comercializar. Por volta de 18h30 não havia mais nada. “Vendemos mais de 500 unidades ao longo do fim de semana. A gente fazia e ia repondo”, explicou Prisicila, animada.

Entre as opções musicais – foram montados dois palcos – estava o Jazz Duo, Quarteto de Trompetes São Paulo e o grupo Choronas, que apostou em temas como Delicado, de Waldir Azevedo, e Choronas, do bandolinista Aleh Ferreira.

São Caetano inclui evento no calendário oficial do próximo ano

O Festival de Inverno Fundação das Artes entrará para o calendário de festejos de São Caetano, garante o prefeito José Auricchio Júnior (PSDB). A ação se deve ao considerado sucesso da primeira edição do evento, realizada no fim de semana no Parque Espaço Cerâmica Tom Jobim. A expectativa inicial da administração era atrair 3.500 pessoas, no entanto, ao longo dos três dias de programação, cerca de 8.000 pessoas compareceram.

Também presente na festa, o secretário de Cultura da cidade, João Manoel da Costa Neto, celebrou o projeto e sua continuidade. Diretora da Fundação das Artes, Ana Paula Demambro também comemorou. “Foi melhor do que a gente esperava e o público foi bem receptivo, já perguntando sobre a continuidade”, afirmou. Segundo ela, o objetivo é dividir com as pessoas o que a Fundação desenvolve.

Sobre a próxima edição, para 2020, ela adianta que será realizado no mesmo formato do organizado neste ano, com três dias de agenda e no mesmo local. Mas há a vontade de que “se espalhe por outros pontos da cidade também”. 

SUCESSO. Primeiro dia de evento encheu o gramado

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;