Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Polícia lança gás lacrimogêneo em protesto



21/07/2019 | 13:57


A polícia de Hong Kong lançou gás lacrimogêneo contra manifestantes neste domingo depois que uma marcha maciça pró-democracia continuou até tarde da noite (horário local). Este foi o mais recente confronto entre a polícia e os manifestantes que tomam as ruas há mais de um mês para protestar contra uma proposta de lei de extradição e pedir reformas eleitorais no território chinês.

A marcha atingiu o ponto final designado pela polícia no distrito de Wan Chai, em Hong Kong, no fim da tarde, mas milhares de participantes continuaram em frente, seguindo para vários pontos nos principais distritos governamentais e empresariais. Eles então se dirigiram para o Gabinete de Ligação, que representa o governo central do Partido Comunista da China dentro da cidade.

Os manifestantes jogaram ovos no prédio e pintaram com spray as câmeras de vigilância ao redor. O emblema nacional da China, que adorna a frente do Gabinete de Ligação, estava salpicado de tinta preta.

Mais tarde, a polícia jogou bombas de gás lacrimogêneo nos manifestantes para tentar dispersá-los. Eles se espalharam, alguns voltando na direção de um distrito de negócios e varejo. A polícia permaneceu no local, protegendo-se com escudos.

Organizadores disseram que 430 mil pessoas participaram da marcha, enquanto a polícia afirmou que havia 138 mil pessoas durante o período de pico do protesto.

Grandes manifestações começaram no início do mês passado em oposição a uma proposta lei de extradição contenciosa que teria permitido que residentes de Hong Kong fossem julgados em China continental. A líder de Hong Kong, Carrie Lam, declarou o projeto suspenso, mas os manifestantes estão insatisfeitos com sua recusa em formalmente retirar a proposta. Alguns também estão pedindo que ela renuncie em meio a preocupações crescentes sobre a constante erosão dos direitos civis na cidade. Fonte: Associated Press.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Polícia lança gás lacrimogêneo em protesto


21/07/2019 | 13:57


A polícia de Hong Kong lançou gás lacrimogêneo contra manifestantes neste domingo depois que uma marcha maciça pró-democracia continuou até tarde da noite (horário local). Este foi o mais recente confronto entre a polícia e os manifestantes que tomam as ruas há mais de um mês para protestar contra uma proposta de lei de extradição e pedir reformas eleitorais no território chinês.

A marcha atingiu o ponto final designado pela polícia no distrito de Wan Chai, em Hong Kong, no fim da tarde, mas milhares de participantes continuaram em frente, seguindo para vários pontos nos principais distritos governamentais e empresariais. Eles então se dirigiram para o Gabinete de Ligação, que representa o governo central do Partido Comunista da China dentro da cidade.

Os manifestantes jogaram ovos no prédio e pintaram com spray as câmeras de vigilância ao redor. O emblema nacional da China, que adorna a frente do Gabinete de Ligação, estava salpicado de tinta preta.

Mais tarde, a polícia jogou bombas de gás lacrimogêneo nos manifestantes para tentar dispersá-los. Eles se espalharam, alguns voltando na direção de um distrito de negócios e varejo. A polícia permaneceu no local, protegendo-se com escudos.

Organizadores disseram que 430 mil pessoas participaram da marcha, enquanto a polícia afirmou que havia 138 mil pessoas durante o período de pico do protesto.

Grandes manifestações começaram no início do mês passado em oposição a uma proposta lei de extradição contenciosa que teria permitido que residentes de Hong Kong fossem julgados em China continental. A líder de Hong Kong, Carrie Lam, declarou o projeto suspenso, mas os manifestantes estão insatisfeitos com sua recusa em formalmente retirar a proposta. Alguns também estão pedindo que ela renuncie em meio a preocupações crescentes sobre a constante erosão dos direitos civis na cidade. Fonte: Associated Press.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;